Whatsapp icon Whatsapp

Apólogo

Apólogo é um texto literário alegórico e moral com seres inanimados que falam ou assumem posturas que são inerentes aos seres humanos, como a nobreza de caráter.
A presença de objetos inanimados que pensam, sentem e falam é uma das características do apólogo.
A presença de objetos inanimados que pensam, sentem e falam é uma das características do apólogo.

O apólogo é um gênero literário geralmente escrito em prosa e com uma narrativa contendo eventos similares aos da vida real. Ele possui como uma de suas principais características a elevação das virtudes humanas, tais como a coletividade, a bondade, a paciência etc.

Com a presença de diversos fatores morais, o apólogo objetiva um texto literário voltado para a educação dos indivíduos, expondo e exaltando diversos traços vistos socialmente como positivos e rejeitando comportamentos considerados inadequados para o convívio em grupo.

Leia também: Crônica — texto que narra e leva à reflexão sobre acontecimentos cotidianos

Resumo sobre apólogo

  • O apólogo é uma alegoria moral com fins didáticos.

  • Ele se estrutura conforme os textos narrativos, com a diferença de que apresenta um teor moralizante e a presença de objetos inanimados com características humanas.

  • Estruturalmente, o apólogo é organizado em apresentação, complicação, clímax e desfecho.

  • O apólogo dá características humanas a objetos inanimados. Já a fábula é conhecida por humanizar animais.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características e estrutura de um apólogo

O apólogo é um texto narrativo que traz diversas lições éticas e morais em seu conteúdo. Por se tratar de uma produção literária, o apólogo segue algumas características em comum ao conto ou mesmo à fábula:

  • o fato (o que vai ser narrado);

  • o tempo (cronológico ou psicológico);

  • o cenário (onde o fato ocorreu);

  • personagens (os atores do fato que será narrado);

  • clímax (momento de máxima tensão da narrativa);

  • desfecho (resolução ou apenas encerramento da narrativa).

A lista acima apresenta uma série de elementos presentes no texto narrativo, seja ele um conto ou um romance. No entanto, o apólogo apresenta demonstra peculiaridades.

  • Assim como os demais textos literários, apresenta fato, tempo, cenário, personagens, clímax e desfecho.

  • Além dos elementos citados, o apólogo possui um teor moralizante em suas produções, com fins educativos — demonstrar a importância da amizade ou de planejar ações para evitar contratempos, por exemplo.

  • A personificação ou prosopopeia, atribuição de características humanas a seres inanimados, é a figura de linguagem referência para o gênero.

  • O apólogo é um texto de linguagem concisa. Sua narrativa é enxuta, com poucas informações, e direta. É muito comum que o apólogo apresente textos curtos, de uma ou de meia página.

Do ponto de vista estrutural, o apólogo organiza-se da seguinte forma:

  • Apresentação: É o início da narrativa. Aqui são apresentadas as personagens e as informações relevantes para a construção do enredo (tempo, espaço etc.).

  • Complicação: É o ponto em que as personagens são tiradas da “zona de conforto” e precisam agir. A complicação é o elemento em que a história propriamente dita acontece.

  • Clímax: Trata-se do ponto mais alto da história, isto é, a prévia de algum grande acontecimento que vai levar a narrativa ao desfecho.

  • Desfecho: É o encerramento. Aqui, no caso do apólogo e das fábulas, há uma lição moral.

Como fazer um apólogo?

Para criar um apólogo, é preciso ter bem definidos os personagens, o espaço e o tempo dentro de um determinado enredo. Em uma construção alegórica, a história precisa sair do ponto A (partida) e ir até o ponto B (chegada), trazendo ou uma significativa transformação moral ou uma curva de aprendizado gerada pela situação.

A proposta literária do apólogo é fazer com que os leitores se identifiquem com as situações abordadas, levando a um questionamento final sobre a conduta moral e ética acerca do assunto.

Assim, ao elaborar um apólogo, é preciso saber qual é o ensinamento ou conduta moral que se pretende incitar no público e, desse modo, escolher o melhor caminho para isso na composição narrativa.

Saiba mais: Mito da Caverna — alegoria proposta pelo filósofo Platão a respeito do conhecimento

Exemplo de apólogo

A seguir, analisaremos alguns trechos do texto “Um apólogo”, de Machado de Assis.

Era uma vez uma agulha, que disse a um novelo de linha:

— Por que está você com esse ar, toda cheia de si, toda enrolada, para fingir que vale alguma coisa neste mundo?

— Deixe-me, senhora.

— Que a deixe? Que a deixe, por quê? Porque lhe digo que está com um ar insuportável? Repito que sim, e falarei sempre que me der na cabeça.

— Que cabeça, senhora? A senhora não é alfinete, é agulha. Agulha não tem cabeça. Que lhe importa o meu ar? Cada qual tem o ar que Deus lhe deu. Importe-se com a sua vida e deixe a dos outros.

— Mas você é orgulhosa.

— Decerto que sou.

— Mas por quê?

— É boa! Porque coso. Então os vestidos e enfeites de nossa ama, quem é que os cose, senão eu?

— Você? Esta agora é melhor. Você é que os cose? Você ignora que quem os cose sou eu, e muito eu?

— Você fura o pano, nada mais; eu é que coso, prendo um pedaço ao outro, dou feição aos babados...

— Sim, mas que vale isso? Eu é que furo o pano, vou adiante, puxando por você, que vem atrás, obedecendo ao que eu faço e mando...

— Também os batedores vão adiante do imperador.

— Você é imperador?

— Não digo isso. Mas a verdade é que você faz um papel subalterno, indo adiante; vai só mostrando o caminho, vai fazendo o trabalho obscuro e ínfimo. Eu é que prendo, ligo, ajunto…

No trecho acima, há o início do apólogo, com o diálogo entre uma agulha e um novelo de linha, as personagens. Nesse primeiro momento, explicita-se a complicação/conflito entre ambas. A agulha questiona a importância do novelo de linha, considerando-o esnobe. O novelo, em contrapartida, se defende, reforçando seu valor.

Nesse trecho, também é possível perceber uma característica fundamental do apólogo: a personificação de coisas (novelo e linha), isto é, a atribuição de características humanas a objetos, que falam, pensam, invejam um ao outro.

Estavam nisto, quando a costureira chegou à casa da baronesa. Não sei se disse que isto se passava em casa de uma baronesa, que tinha a modista ao pé de si, para não andar atrás dela. Chegou a costureira, pegou do pano, pegou da agulha, pegou da linha, enfiou a linha na agulha, e entrou a coser. Uma e outra iam andando orgulhosas, pelo pano adiante, que era a melhor das sedas, entre os dedos da costureira, ágeis como os galgos de Diana — para dar a isto uma cor poética. E dizia a agulha:

— Então, senhora linha, ainda teima no que dizia há pouco? Não repara que esta distinta costureira só se importa comigo; eu é que vou aqui entre os dedos dela, unidinha a eles, furando abaixo e acima.

A linha não respondia nada; ia andando. Buraco aberto pela agulha era logo enchido por ela, silenciosa e ativa como quem sabe o que faz, e não está para ouvir palavras loucas. A agulha vendo que ela não lhe dava resposta, calou-se também, e foi andando. E era tudo silêncio na saleta de costura; não se ouvia mais que o plic-plic plic-plic da agulha no pano. Caindo o sol, a costureira dobrou a costura, para o dia seguinte; continuou ainda nesse e no outro, até que no quarto acabou a obra, e ficou esperando o baile.

Veio a noite do baile, e a baronesa vestiu-se. A costureira, que a ajudou a vestir-se, levava a agulha espetada no corpinho, para dar algum ponto necessário. E quando compunha o vestido da bela dama, e puxava a um lado ou outro, arregaçava daqui ou dali, alisando, abotoando, acolchetando, a linha, para mofar da agulha, perguntou-lhe:

— Ora agora, diga-me quem é que vai ao baile, no corpo da baronesa, fazendo parte do vestido e da elegância? Quem é que vai dançar com ministros e diplomatas, enquanto você volta para a caixinha da costureira, antes de ir para o balaio das mucamas? Vamos, diga lá.

Parece que a agulha não disse nada; mas um alfinete, de cabeça grande e não menor experiência, murmurou à pobre agulha:

— Anda, aprende, tola. Cansas-te em abrir caminho para ela e ela é que vai gozar da vida, enquanto aí ficas na caixinha de costura. Faze como eu, que não abro caminho para ninguém. Onde me espetam, fico.

Contei esta história a um professor de melancolia, que me disse, abanando a cabeça: — Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária!

Um apólogo. Machado de Assis. Disponível em <http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=1980>

Na parte final, percebemos que ambas as personagens são importantes no processo criativo da vestimenta. No entanto, ao final do trabalho, a agulha é guardada e o novelo compõe a peça de roupa. O clímax ocorre justamente nessa tensão entre ambas, e o desfecho é desanimador para a agulha, que não recebe nenhum crédito, apesar da importância que possui.

A lição moral, que vinha sendo construída de forma sutil na relação de importância entre agulha e novelo, conta, no fim, com frases explícitas que demarcam a intenção do autor: “Contei esta história a um professor de melancolia, que me disse, abanado a cabeça: — Também eu tenho servido de agulha a muita linha ordinária.”

O final expõe parte das relações humanas, personificadas nos objetos, isto é, embora um trabalho seja tão importante quanto outro, apenas poucos são reconhecidos.

Veja também: Conto — texto curto característico por possuir apenas um acontecimento relevante

Quais as diferenças entre fábula e apólogo?

O apólogo e a fábula são confundidos com frequência por possuírem algumas semelhanças. Ambos apresentam uma história concisa e de cunho moral. No entanto, na fábula geralmente há um espaço explícito no texto chamado “moral da história”, enquanto no apólogo a lição moral costuma ser mais sutil, conforme visto no exemplo.

Outra diferença é que as personagens no apólogo são seres inanimados — xícaras, agulhas e sapatos, por exemplo. Já a fábula apresenta seres vivos, como animais ou plantas. Em ambos os casos, as personagens demonstram características humanas, porém o que as diferencia são os seus tipos: objetos no apólogo e animais na fábula. Para saber mais sobre esse outro gênero, acesse: Fábula.

Videoaula sobre fábula, parábola e apólogo

Publicado por Rafael Camargo de Oliveira

Artigos Relacionados

“Todos têm uma história”. Em um conto, dos temas mais complexos aos mais simples são narrados. Qualquer um pode construí-lo!
Conto
Aprenda quais são as características do conto e veja alguns tipos de subdivisões que existem. Além disso, reconheça as diferenças entre esse gênero e a crônica.
A crônica volta-se para questões relativas ao cotidiano.
Crônica
Acesse para descobrir o que é a crônica. Aprenda suas principais características e veja quais são os tipos existentes do gênero.
Fábula
O que é fábula e suas características!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Sigmund Freud
Filosofia
Sigmund Freud
Nessa videoaula você conhecerá mais sobre a vida e estudos do "pai" da psicanálise.
video icon
Thumb Brasil Escola
Literatura
Realismo fantástico
Trazemos uma análise sobre realismo fantástico. Assista já!
video icon
Thumb Brasil Escola
Química
Funções orgânicas
Tire um tempo para entender melhor o que são as amidas