Whatsapp icon Whatsapp

Anfíbios

Os anfíbios são animais vertebrados, ectotérmicos e que apresentam uma pele bastante permeável. Sapos, salamandras e cobras-cegas são exemplos de anfíbios.
Sapos, rãs, pererecas e salamandras são exemplos de anfíbios.
Sapos, rãs, pererecas e salamandras são exemplos de anfíbios.

Anfíbios (Classe Amphibia) são animais do grupo dos vertebrados que apresentam como característica mais marcante o fato de que alguns representantes passam parte da sua vida no ambiente aquático e a outra parte no ambiente terrestre. Devido a essa característica, é comum que alguns autores se refiram ao grupo como animais de vida dupla.

Atualmente são conhecidas no mundo cerca de 7.000 espécies de anfíbios, ocorrendo 946 espécies em território brasileiro. Os anfíbios são encontrados em quase todos os continentes, com exceção da Antártida.

Leia também: A importância dos répteis e anfíbios para o equilíbrio ambiental

Resumo sobre os anfíbios

  • Anfíbios são vertebrados conhecidos por ter uma “vida dupla”, pois possuem uma fase de vida aquática e outra terrestre.

  • Todos os anfíbios são ectotérmicos.

  • Os anfíbios possuem uma pele bastante permeável, a qual é utilizada para a realização da respiração cutânea.

  • Possuem coração com três câmaras.

  • Os anfíbios possuem rins.

  • A maioria dos anfíbios é ovípara.

  • Os anfíbios são divididos em três grupos: Anura, Urodela e Apoda.

  • Sapos, rãs, pererecas, cobras-cegas e tritões são exemplos de anfíbios.

Videoaula sobre os anfíbios

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características dos anfíbios

Os anfíbios são um grupo de animais vertebrados que apresentam como característica mais marcante o fato de que algumas espécies possuem, durante o seu desenvolvimento, uma fase de vida aquática e outra terrestre. O termo Amphibia refere-se a essa característica e significa vida dupla.

Esses animais foram os primeiros vertebrados a habitar o ambiente terrestre. Em terra firme, um dos problemas enfrentados é a dificuldade de movimentação. Para se movimentarem nesse ambiente, esses animais sofreram diversas modificações ao longo de sua história evolutiva, destacando-se o surgimento de uma coluna vertebral mais reforçada e de quatro membros.

A presença da coluna vertebral, bem como a de membros, é muito importante para a locomoção. Pererecas e rãs, por exemplo, locomovem-se por meio de saltos, os quais necessitam de um esqueleto reforçado, tanto para o impulso como para a aterrissagem. Vale salientar que, em gimnofionos, não há a presença de membros. Anuros e caudados são os únicos, dentre os vertebrados viventes, que possuem quatro dígitos em suas mãos.

Os anfíbios são animais que apresentam uma pele bastante permeável às trocas gasosas e água. Em muitas espécies, a forma mais eficiente de trocas é por meio da pele, ou seja, por respiração cutânea. Em várias espécies, os pulmões foram perdidos ou são pouco funcionais. Nas espécies que possuem fase larval aquática, a respiração durante esse período é branquial.

Para que a respiração cutânea ocorra, é importante que a umidade da pele dos anfíbios seja mantida. É por isso que esses animais são encontrados com mais frequência em ambientes úmidos. Vale salientar que algumas espécies vivem em locais mais secos, sendo observado, nesses casos, que elas passam grande período do tempo escondidas em tocas ou embaixo de folhas, locais onde a umidade é maior.

Além disso, outra forma de manter essa pele úmida é por meio de secreções eliminadas por glândulas presentes no animal. Os anfíbios apresentam dois tipos de glândulas: as mucosas e as granulares. As mucosas são responsáveis por garantir a umidade, e as granulares produzem substâncias que atuam como defesa.

As glândulas de veneno estão espalhadas pelo corpo do animal, variando em localização de uma espécie para outra. O sapo-cururu, por exemplo, possui pequenas glândulas espalhadas no dorso e glândulas mais desenvolvidas, como a do antebraço, parotoide e paracmenis.

Vale salientar que a pele sensível dos anfíbios faz com que esses animais sejam mais suscetíveis às variações que ocorrem no meio ambiente. Eventos como mudanças climáticas, chuvas ácidas e contaminação dos corpos d’água afetam drasticamente essas espécies de vertebrados.

Outra característica importante dos anfíbios é que todos os seus representantes são ectotérmicos. Isso significa que todos os anfíbios dependem de características do meio ambiente para controlar a sua temperatura, utilizando fontes externas de calor para regular a temperatura do seu corpo.

O sistema circulatório dos anfíbios é fechado, com sangue circulando no interior de vasos sanguíneos e do coração. O coração dos anfíbios apresenta três câmeras, sendo dois átrios e um ventrículo. A excreção ocorre graças à presença de rins, os quais são formados por pequenas unidades chamadas néfrons.

Os anfíbios apresentam dietas variadas. Nas espécies que apresentam metamorfose, por exemplo, a fase larval pode alimentar-se de algas, serem carnívoras e até onívoras. Após a metamorfose, essas espécies se destacam por serem predadoras, alimentando-se, principalmente, de invertebrados, como insetos.

No que diz respeito à reprodução, esta varia de uma espécie para a outra. A maioria das espécies é ovípara, porém existem também espécies vivíparas. A fecundação pode ser externa ou interna, sendo a fecundação externa verificada na maioria dos anuros e determinadas espécies de salamandras, e a interna, na maioria dos urodelos e em todas as cecílias.

Leia também: Artrópodes — animais encontrados em praticamente todos os lugares

Ciclo de vida dos anfíbios

Ilustração das fases de vida de um anfíbio
Muitas espécies de anfíbios possuem um ciclo de vida com uma fase de vida aquática e outra terrestre.

Muitas espécies de anfíbios apresentam o ciclo de vida com duas fases bastante distintas, sendo uma delas aquática e outra terrestre. Esse modo de vida duplo é uma das características mais marcantes do grupo, apesar de não ser observado em todas as espécies. Para ilustrar esse ciclo de vida, explicaremos brevemente as etapas do desenvolvimento observadas em algumas espécies de rãs.

Iniciaremos o ciclo de vida analisando a fase larval da rã, conhecida como girino. Nessa fase, o animal é geralmente um herbívoro aquático, com respiração do tipo branquial, e possui cauda, a qual é utilizada para a sua natação. À medida que o animal se desenvolve, observa-se o surgimento de patas, pulmões e tímpanos externos. Além disso, o sistema digestório começa a mudar a fim de adaptar-se à nova dieta: a dieta carnívora. A cauda do anfíbio é reabsorvida na medida em que os membros se desenvolvem.

A fase adulta do animal é terrestre, entretanto ele retorna ao ambiente aquático para o acasalamento. Nos anuros, a fecundação é geralmente externa. Em algumas espécies, observa-se que o macho abraça a fêmea, estimulando-a a liberar os ovócitos. O macho lança seus espermatozoides sobre os ovócitos para que ocorra a fecundação externa.

Algumas espécies depositam seus ovos em ninhos de espuma; outros, em ninhos de barro, câmaras subterrâneas e rochas úmidas. A desova e os modos reprodutivos são muito diversos em anfíbios.

Classificação dos anfíbios

Os anfíbios podem ser divididos em três grupos: Anura, Urodela e Apoda.

Pequeno anuro laranja em cima de dedo humano
Os anuros destacam-se como anfíbios que não possuem cauda.
  • Anura: o grupo mais diversificado e conhecido de anfíbios. Nesse grupo estão inclusos os sapos, rãs e pererecas. São animais que não apresentam cauda, possuem quatro membros locomotores quando adultos e troncos curtos. Os membros posteriores dos anuros são geralmente maiores, o que favorece a realização de saltos. Possuem língua longa e pegajosa, que auxilia na captura de alimento, como pequenos insetos. Os anuros apresentam grande capacidade de vocalização, sendo a produção de sons uma característica observada na maioria das espécies do grupo. O canto é utilizado em diferentes situações, como a atração de fêmeas, demarcação territorial, defesa de território e como forma de evitar a predação. Muitas espécies de anuros possuem veneno. A presença de coloração vistosa na pele desses animais alerta para a presença dessas sustâncias tóxicas.

Axolote em aquário
O axolote é um urodelo que apresenta como característica marcante o fato de reter as características larvais mesmo quando está sexualmente maduro.
  • Urodela ou Caudata: Os urodelos são anfíbios que retêm suas caudas na fase adulta. O corpo dos urodelos é geralmente longilíneo e com membros de tamanho similar. Algumas espécies vivem apenas no ambiente aquático, outras vivem no ambiente terrestre quando adultas ou por toda a sua vida. Nesse grupo estão incluídas as salamandras e os tritões.

Cobra-cega sobre folha grande amarela
Os ápodes são anfíbios que não possuem patas.
  • Gymnophiona ou Apoda: caracterizam-se por não possuírem patas, apresentarem corpo alongado e de formato vermiforme e olhos reduzidos e pouco funcionais. Grande parte das espécies passa praticamente toda a vida em galerias no solo. São exemplos de ápodes as cecílias ou cobras-cegas.

Publicado por Vanessa Sardinha dos Santos
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

Anfíbios e répteis são considerados bioindicadores da qualidade ambiental
A importância dos répteis e anfíbios para o equilíbrio ambiental
Clique aqui e veja porque anfíbios e répteis são animais tão importantes para o meio ambiente.
Perereca <i>Dendropsophus nanus</i> vocalizando. Fotografia: Fabrício Hiroiuki Oda.
Comunicação em Anfíbios Anuros (Sapos, Rãs e Pererecas)
Saiba como anfíbios anuros minimizam perdas energéticas ao utilizarem a vocalização em suas interações sociais.
Os corações dos animais apresentam diversas diferenças, como o número de câmeras.
Coração dos vertebrados
Aprenda as principais diferenças existentes em relação ao coração dos vertebrados de cada grupo.
Durante o desenvolvimento do anuro, parte do ciclo de vida ocorre na água
Metamorfose em anfíbios
Compreenda como ocorre a metamorfose em anfíbios e aprenda as diferenças entre a fase larval e a fase adulta desse grupo.
A piramboia é um peixe pulmonado encontrado na Amazônia e Mato Grosso
Peixes pulmonados
Saiba mais sobre as particularidades únicas que envolvem os peixes pulmonados.
A salamandra é um animal do grupo dos anfíbios.
Salamandra
Descubra mais sobre a salamandra, um animal encontrado principalmente no hemisfério Norte, mas que também possui representantes no Sul, inclusive no Brasil.
Esquema da circulação dupla e completa nas aves
Sistema circulatório das aves
As aves são animais que apresentam circulação dupla e completa, veja aqui como ocorre o sistema circulatório das aves.
Tipos de respiração dos animais
Conheça os diferentes tipos de respiração dos animais clicando aqui! Neste texto exploraremos, entre outras, as respirações traqueal, branquial e pulmonar.
video icon
Português
Tempos verbais
Pretérito, presente ou futuro são tempos verbais que exprimem uma variação que indica o momento em que se dá o fato expresso pelo verbo. Nesta videoaula, estudaremos cada um deles, organizados conforme os modos verbais. Não deixe de assistir!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Videoaula Brasil Escola
Inglês
Genitive Case
É hora de aperfeiçoar sua gramática na Língua Inglesa. Assista!
video icon
Videoaula Brasil Escola
Sociologia
Democracia racial
Você sabe o que significa democracia racial? Clique e nós te ensinamos!
video icon
Tigres Asiáticos
Geografia
Tigres Asiáticos
Assista à nossa videoaula sobre os Tigres Asiáticos, e conheça as razões do desenvolvimento rápido desses territórios.