Whatsapp icon Whatsapp

Axolote

O axolote é um anfíbio endêmico do México cuja principal característica é a presença de brânquias avermelhadas ao redor da cabeça. Os axolotes estão em perigo de extinção.
Axolote apoiado sobre uma pedra.
O axolote é uma espécie de anfíbio cuja origem é a região central do México.

O axolote é um animal originário da região central do México e que hoje se encontra espalhado por todo o mundo. Esses animais apresentam algumas características marcantes, como a presença de brânquias, em uma coloração às vezes vibrante, e dispostas ao redor da cabeça, além de possuírem uma incrível capacidade de regeneração.

Os axolotes são capazes de regenerar membros inteiros e até mesmo órgãos do sistema nervoso, o que faz desses organismos incríveis verdadeiros modelos para estudos em Biologia do desenvolvimento e Biologia regenerativa.

A descoberta dos mecanismos que envolvem a regeneração dos axolotes e o entendimento da dinâmica de como se dão esses processos em vertebrados podem trazer importantes insights para basear estudos em Medicina regenerativa com aplicabilidade para seres humanos.

Leia também: Dragão-de-komodo — curiosa espécie de réptil que só existe na Indonésia

Resumo sobre axolote

  • O axolote (Ambystoma mexicanum) é uma espécie de anfíbio originária do México.
  • O seu nome tem origem asteca e remonta à mitologia da região central da Mesoamérica.
  • Apresenta características larvais que se mantêm mesmo na fase reprodutiva.
  • Pode ser do tipo selvagem, mieloide, xântico, albino ou branco, dependendo de variações em sua coloração.
  • Possui uma incrível capacidade de regeneração, podendo regenerar tecidos e órgãos inteiros.
  • Não é nativo do Brasil e só pode ser encontrado em laboratórios ou criado em cativeiro.
  • É uma espécie em risco de extinção na natureza.
  • Por sua morfologia peculiar, é um organismo que chama a atenção e causa encantamento.

O que é axolote?

O axolote, cujo nome científico é Ambystoma mexicanum, é uma espécie de anfíbio, mais especificamente de uma salamandra, pertencente ao gênero Ambystoma, que inclui outras 32 outras espécies, que ocorrem desde o sul do Canadá até a região central do México. No México foram identificadas 17 espécies diferentes, que compõem o gênero Ambystoma, sendo uma delas o Ambystoma mexicanum.

Os axolotes são utilizados como organismo modelo no estudo da Biologia do desenvolvimento e da Biologia regenerativa porque apresentam uma incrível capacidade de regeneração. Esses dois campos da Biologia buscam entender como acontecem os mecanismos que controlam o desenvolvimento dos seres vivos, e, por meio de estudos científicos tendo como base os axolotes, importantes avanços podem ser feitos para entender como ocorre a regeneração em vertebrados.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Qual a origem do nome axolote?

O nome axolote é de origem asteca e significa “monstro da água” ou “cachorro da água”. O nome está relacionado à mitologia da região da Mesoamérica que conta que Xolotl, irmão gêmeo do deus Quetzalcoatl, sofreu um destino cruel: o de ser sacrificado para que os ciclos do Sol fossem mantidos. Como forma de escapar da morte, Xolotl tentou se esconder nas águas, nas quais se transformou em um axolote.

Veja também: Como ocorre a metamorfose nos insetos?

Características do axolote

Os axolotes podem atingir 30 centímetros de comprimento e pesar entre 125 e 180 gramas. Uma das principais características dos axolotes que despertam tanta fascinação é a presença de brânquias, normalmente de coloração avermelhada, que se dispõem ao redor da cabeça do indivíduo adulto, característica essa que normalmente está presente apenas nos estágios larvais de outras espécies.

As brânquias de coloração avermelhada são uma característica marcante dos axolotes.
As brânquias de coloração avermelhada são uma característica marcante dos axolotes.

Outra característica interessante dos axolotes é a presença de uma cauda, característica também comum às larvas, mas que se mantém no indivíduo adulto.

→ Habitat do axolote

O axolote é uma espécie endêmica que ocorre em corpos de água na região central do México. Mais especificamente, os axolotes só existem atualmente na natureza em um lago específico, o lago Xochimilco, o último habitat remanescente dos axolotes, próximo à Cidade do México.

→ Reprodução do axolote

Diferentemente do que ocorre com a maioria dos anfíbios, os axolotes não passam pela metamorfose entre as fases juvenil e adulta, mantendo suas características juvenis mesmo após ter atingido a maturidade reprodutiva, o que é chamado de neotenia.

→ Alimentação do axolote

Logo após seu nascimento, os axolotes se alimentam principalmente de zooplâncton, um conjunto de microrganismos aquáticos, como rotíferos e cladóceros. Os axolotes se alimentam principalmente por sucção, por meio de uma boca larga, formada por pequenos dentes e uma língua retrátil. Quando adultos, os axolotes também se alimentam de pequenos peixes.

Tipos de axolote

Os tipos de axolotes que existem na natureza estão relacionados aos fenótipos produzidos devido a alterações na coloração. Existem quatro genes que afetam o padrão de pigmentação dos axolotes, e, quando não há mutações nesses genes, a coloração produzida é a característica do axolote do tipo selvagem.

Por outro lado, quando existem mutações nesses genes, quatro colorações distintas podem surgir, originando quatro fenótipos distintos do organismo selvagem, são eles: melanoide, axântico, albino e branco.

  • Axolote selvagem: é o que ocorre tipicamente na natureza. Sua coloração é de um verde-oliva bastante escuro e os olhos também são escuros.
O axolote selvagem não apresenta mutação no gene que afeta sua pigmentação.
O axolote selvagem não apresenta mutação no gene que afeta sua pigmentação.
  • Axolote melanoide: conforme se desenvolve, sua coloração se torna densamente escura, ainda mais escura que a coloração característica do tipo selvagem.
  • Axolote axântico: é muito parecido com o melanoide, porém pode ser distinguido, pois apresenta uma coloração mais acinzentada e pequenas manchas densas na região da cabeça.
  • Axolote albino: indivíduo que apresenta albinismo, portanto, não possui melanina. Isso lhe confere uma coloração amarela intensa. Os olhos também não apresentam melanina, o que lhe gera uma aparência transparente.
Os axolotes albinos não possuem melanina.
Os axolotes albinos não possuem melanina.
  • Axolote branco: seus olhos são escuros e apresentam pigmentação normal, porém o corpo apresenta uma quantidade menor de melanócitos, que vão desaparecendo conforme o indivíduo chega à fase adulta. Dessa forma, o indivíduo adulto não apresenta pigmentação na extensão do corpo, mas apresenta os olhos escuros.
O axolote branco não tem pigmentação no corpo, apenas nos olhos.
O axolote branco não tem pigmentação no corpo, apenas nos olhos.

Regeneração do axolote

Os axolotes possuem uma incrível capacidade de regeneração de diversas partes de seus corpos, desde estruturas externas, como seus membros, até estruturas internas, como órgãos internos, medula espinhal, cérebro, mandíbula, entre outras estruturas.

Essa capacidade faz do axolote uma espécie muito estudada pelo campo da Biologia regenerativa como forma de entender quais são os mecanismos por trás da regulação desse processo, assim como desvendar como se dá a regeneração de tecidos e órgãos em vertebrados.

Essas pesquisas podem ser utilizadas como base para estudos em Medicina regenerativa, com aplicabilidade até mesmo para os seres humanos no tratamento de lesões e doenças degenerativas.

Existe axolote no Brasil?

O axolote não é uma espécie nativa do Brasil, ou seja, não ocorre naturalmente em ambientes brasileiros. Os axolotes são uma espécie endêmica do México, ocorrendo na natureza apenas nessa região e em nenhum outro lugar do mundo. Ainda assim, eles podem ser encontrados em diversos países, inclusive o Brasil, de forma não natural, isto é, criados em laboratórios e cativeiros.

Os axolotes estão em extinção?

Os axolotes são organismos ameaçados de extinção na natureza, já que enfrentam várias ameaças à sua sobrevivência em seu habitat.

A seguir, algumas ameaças relacionadas a mudanças em seu meio ambiente e ecossistema:

  • Perda de habitat devido à urbanização, o que gera mudanças físico-químicas em seu ambiente natural.
  • Introdução de espécies invasoras, que aumentam a competitividade por recursos e a introdução de predadores.
  • Doenças de origem microbiológica e nutricional.
  • Captura para comercialização como pet.

Saiba mais: Por que répteis e anfíbios são tão importantes para o equilíbrio ambiental?

Curiosidades sobre os axolotes

  • A figura dos axolotes está enraizada na cultura mexicana, sendo considerada uma criatura folclórica que faz parte do imaginário da população. Por causar tanto encantamento, não apenas no México mas no mundo inteiro, os axolotes são representados em diversos trabalhos literários, esculturas, diferentes tipos de arte e até mesmo em videogames.
  • A capacidade dos axolotes em manter suas características juvenis mesmo após ter atingido a maturidade causou grande confusão nos colonizadores espanhóis, que acreditaram que os axolotes eram uma espécie de peixe. Essa confusão também ocorreu, anos depois, nos naturalistas que pensaram que os axolotes eram larvas de alguma espécie de réptil ainda desconhecido. Os pesquisadores ficaram muito surpresos quando descobriram que essa “larva” podia se reproduzir, e só então compreenderam que, na realidade, se tratava da forma adulta de uma espécie de anfíbio.
  • Os axolotes chegaram à Europa em 1863, devido a uma expedição francesa até o México, de onde foram retirados 34 indivíduos, que foram transportados e mantidos na Sociedade Zoológica Imperial, em Paris. O encantamento com as suas características assim como a própria história e cultura dos axolotes despertaram o interesse da população, e assim se deu o início de sua propagação por todo o mundo.

Fontes

CHAPARRO-HERRERA, D.; NANDINI, S.; SARMA, S. Effect of water quality on the feeding ecology of axolotl Ambystoma mexicanum. Journal of Limnology, v. 72, n. 3, p. e46, 2013.

FROST, S.; BRIGGS, F.; MALACINSKI, G. A color atlas of pigment genes in the Mexican axolotl (Ambystoma mexicanum). Differentiation, v. 26, n. 1-3, p. 182-188, 1984.

SALDOVAL-GUZMÁN, T. The axolotl. Nat Methods, v. 20, p. 1117–1119, 2023. https://doi.org/10.1038/s41592-023-01961-5

RAMÍREZ-MACAL, D. et al. Descripción Morfométrica de la Anatomía Externa e Interna del Ambystoma mexicanum. International Journal of Morphology, v. 40, n. 2, p. 401-406, 2022.

Publicado por Nicole Fernanda Sozza

Artigos Relacionados

A importância dos répteis e anfíbios para o equilíbrio ambiental
Clique aqui e veja porque anfíbios e répteis são animais tão importantes para o meio ambiente.
Anfíbios
Vamos aprofundar os nossos conhecimentos sobre os anfíbios? Clique aqui e saiba mais sobre esse importante grupo de vertebrados.
Animais onívoros
Que tal conhecer mais sobre os animais onívoros? Clique aqui e descubra exemplos desses animais. Aprenda as adaptações presentes nesses animais de dieta mista.
Borboleta (Ordem Lepidoptera)
As diferenças entre mariposas e borboletas e as principais características destas.
Dragão-de-komodo
Você conhece o dragão-de-komodo? Neste texto, exploraremos as características e o comportamento desse animal observado apenas na Indonésia.
Metamorfose
Que tal aprender mais sobre metamorfose? Entenda o que é esse processo e amplie seus conhecimentos sobre sua ocorrência em insetos e anuros.
Metamorfose em anfíbios
Compreenda como ocorre a metamorfose em anfíbios e aprenda as diferenças entre a fase larval e a fase adulta desse grupo.
O que é albinismo?
Você sabe o que é o albinismo? Clique aqui e saiba por que e como o albinismo ocorre!
Opilião (Ordem Opiliones )
Saiba mais sobre este animal que é, diversas vezes, confundido com a aranha.
Salamandra
Descubra mais sobre a salamandra, um animal encontrado principalmente no hemisfério Norte, mas que também possui representantes no Sul, inclusive no Brasil.