Whatsapp icon Whatsapp

Câncer infantil

Câncer infantil pode provocar sintomas inespecíficos, dificultando o diagnóstico precoce. Quando descobertos precocemente, muitos desses cânceres possuem alta taxa de cura.
O câncer infantil acomete crianças e adolescentes e não está relacionado com fatores ambientais.
O câncer infantil acomete crianças e adolescentes e não está relacionado com fatores ambientais.

Câncer infantil é o nome dado aos cânceres que se desenvolvem em crianças e adolescentes. Por câncer entende-se um grupo de doenças que apresentam em comum o crescimento rápido e desordenado de células, as quais podem invadir tecidos adjacentes e até mesmo se espalhar para regiões distantes da original. O câncer infantil, diferentemente dos cânceres que ocorrem em adultos, não é resultado de exposição a fatores de risco ambientais e estilos de vida pouco saudáveis. Com isso, não há formas eficazes de se prevenir da doença.

Alguns sintomas do câncer infantil são sangramentos, dores de cabeça, tontura, perda de equilíbrio e coordenação, caroços, alterações oculares e inchaço abdominal. A presença desses sintomas não indica, no entanto, um caso de câncer infantil e sim um alerta para que os responsáveis encaminhem a criança ou adolescente para um especialista a fim de uma maior investigação. Quimioterapia, radioterapia e cirurgia estão entre as principais técnicas para o tratamento do câncer infantil.

O Dia Internacional de Luta contra o Câncer Infantil é celebrado em 15 de fevereiro. Já o dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil é celebrado em 23 de novembro.

Resumo sobre câncer infantil

  • Atinge crianças e adolescentes.

  • Não está relacionado com a exposição a fatores ambientais.

  • Tende a responder melhor aos tratamentos disponíveis atualmente do que os cânceres observados em adultos.

  • Entre os seus tipos mais comuns estão: leucemias, tumores do sistema nervoso central, linfoma, neuroblastoma e tumor de Wilms.

  • Cada caso é único, e somente um profissional poderá indicar o melhor tratamento.

  • Seus tratamentos incluem cirurgia, quimioterapia e radioterapia.

Características do câncer infantil

O câncer infantil afeta crianças e adolescentes. Quando comparado aos cânceres que acometem adultos, o câncer infantil possui algumas diferenças. A primeira característica é o fato de que nele as células se multiplicam de maneira muito mais rápida que em adultos. Além disso, devido à natureza embrionária predominante, os tumores em crianças e adolescentes são formados por células indiferenciadas, o que aumenta as chances de melhor resposta aos tratamentos.

Vale destacar que o câncer infantil não apresenta relações com estilo de vida do paciente. Enquanto muitos cânceres no adulto estão associados, por exemplo, ao tabagismo, ao álcool e a outros fatores ambientais, os cânceres infantis não apresentam evidências científicas de associações com fatores ambientais.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Cânceres infantis mais comuns

Quando falamos em câncer na infância e adolescência, alguns tipos se destacam como mais frequentes. Dentre os tipos mais comuns, podemos citar as leucemias, os tumores do sistema nervoso central, o linfoma, o neuroblastoma e o tumor de Wilms.

As leucemias se destacam como o tipo de câncer mais recorrente em crianças e adolescentes e serão debatidas mais detalhadamente no próximo tópico. Os tumores cerebrais e do sistema nervoso central se destacam como o segundo tipo mais comum e podem provocar dores de cabeça, dificuldade de locomoção, tontura, visão turva e vômitos. Os linfomas afetam o sistema linfático e podem provocar fraqueza, perda de peso, febre, sudorese e aumento dos linfonodos.

O neuroblastoma afeta as células do sistema nervoso periférico, geralmente apresenta localização abdominal e raramente é diagnosticado em crianças com idade maior que 10 anos. O tumor de Wilms afeta os rins e pode se aparecer como um nódulo ou inchaço no abdome.

  • Leucemia infantil

Quando falamos em câncer infantil, a leucemia se destaca como o tipo mais frequente. A leucemia pode ser dividida em dois grupos: mieloide e linfoide. Denomina-se leucemia mieloide aquela que afeta células mieloides, ou seja, células que originam hemácias, plaquetas, monócitos, neutrófilos, eosinófilos e basófilos.

Já a leucemia linfoide ou linfocítica é aquela que afeta as células linfoides, ou seja, que originam os linfócitos. As leucemias podem ser ainda classificadas, de acordo com a velocidade de evolução, em agudas ou crônicas. As agudas apresentam um agravamento mais rápido, e as crônicas se agravam lentamente.

A leucemia linfoide aguda infantil corresponde a cerca de 75% dos casos de leucemia em crianças e adolescentes e apresenta uma grande chance de cura. Apesar da chance de cura ser alta, a evolução da doença é rápida e necessita de um diagnóstico precoce. Os sintomas incluem cansaço, sonolência, infecções constantes, aumento do baço e linfonodos, hematomas, dores de cabeça, vômito e dores ósseas.

A leucemia mieloide aguda infantil se destaca como o segundo tipo mais comum de leucemia em crianças e adolescentes. A doença provoca sinais como febre, infecções recorrentes, aumento de nódulos linfáticos, perda de peso, fraqueza, palidez, dor nos ossos, hematomas e sangramentos.

A leucemia mieloide crônica infantil apresenta baixa incidência, atingindo cerca de 4% das crianças e adolescentes. O tratamento hoje disponível permite uma remissão completa do quadro na maior parte dos pacientes. Os sintomas incluem infecções recorrentes, fadiga, palidez, fraqueza, perda de peso, sangramentos espontâneos, hematomas e dor nos ossos.

A leucemia mielomonocítica juvenil se destaca por ser um tipo muito raro e por não ser aguda nem crônica. Ela corresponde de 2% a 3% de todas as leucemias em crianças, aproximadamente, e seu desenvolvimento é agressivo. Pode provocar febre, dificuldade para respirar, sangramentos, lesões na pele e aumento de fígado e baço. O único tratamento que pode levar à cura do problema é o transplante de medula óssea.

Leia mais: Medula óssea — tecido gelatinoso também conhecido como tutano

Sintomas do câncer infantil

De acordo com o folheto “Câncer da criança: sinais de alerta”, elaborado por instituições internacionais de controle do câncer e editado, em nosso país, pelo Inca, são considerados sinais de alerta que necessitam de avaliação médica:

  • palidez, hematomas ou sangramento, dor óssea;

  • caroços ou inchaços, especialmente se indolores e sem febre ou outros sinais de infecção;

  • perda de peso inexplicada ou febre, tosse persistente ou falta de ar, sudorese noturna;

  • alterações oculares — pupila branca, estrabismo de início recente, perda visual, hematomas ou inchaço ao redor dos olhos;

  • inchaço abdominal;

  • dores de cabeça, especialmente se incomuns, persistentes ou graves, vômitos (em especial pela manhã ou com piora ao longo dos dias);

  • dor em membros ou dor óssea, inchaço sem trauma ou sinais de infecção;

  • fadiga, letargia ou mudanças no comportamento, como isolamento;

  • tontura, perda de equilíbrio ou coordenação.

Apesar desses sinais clínicos serem reconhecidos internacionalmente como sinais de alerta, a presença deles não significa necessariamente um caso de câncer infantil. Sua presença deve ser encarada como uma necessidade de auxílio médico e investigação profunda do quadro clínico da criança.

Como muitas vezes os sintomas se assemelham a doenças típicas da infância, o diagnóstico pode não ser realizado de maneira precoce, o que pode dificultar o tratamento. Assim sendo, os responsáveis devem estar atentos às alterações no corpo da criança e aos sintomas persistentes e procurar o médico regularmente.

Médica e paciente infantil com câncer segurando, juntas, um balão
O diagnóstico precoce e o tratamento adequado podem garantir o sucesso no tratamento contra o câncer infantil.

Diagnóstico de câncer infantil

O diagnóstico de câncer infantil é realizado por meio da análise dos sintomas apresentados pelo paciente e de exames específicos, tais como exames de imagem e biópsias.

Leia também: Neoplasia — é um tumor originado pelo aumento do número de células

Tratamento do câncer infantil

Os canceres infantis apresentam, geralmente, uma boa resposta aos tratamentos hoje disponíveis. De acordo com o Inca, em torno de 80% das crianças e adolescentes acometidos da doença podem ser curados, se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados”.

O tratamento se inicia assim que se obtém o diagnóstico da doença, e a técnica utilizada dependerá do tipo de câncer diagnosticado. Entre os tratamentos mais realizados estão a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia. A cirurgia consiste na retirada do tumor. Já a quimioterapia utiliza substâncias químicas para tratar o problema. Por fim, a radioterapia é uma técnica que utiliza radiação para destruir as células do tumor ou impedir que elas se multipliquem.

É importante que a criança ou adolescente com câncer infantil receba acompanhamento de uma equipe multidisciplinar, sendo essencial que o tratamento seja feito observando o indivíduo como um todo. O acompanhamento psicológico, por exemplo, deve ser oferecido para que a criança ou adolescente bem como sua família consigam enfrentar esse momento sem sentimento de raiva, negação ou culpa, por exemplo.

Publicado por Vanessa Sardinha dos Santos

Artigos Relacionados

O câncer pode atingir qualquer órgão e tecido do nosso corpo.
Câncer
Clique aqui e descubra o que é câncer, os principais fatores relacionados ao seu desenvolvimento, seus principais tipos, e conheça os tratamentos mais utilizados.
É retirada uma pequena quantidade de medula óssea do doador.
Doação de medula óssea
Procedimentos que envolvem a doação de medula óssea.
Leucemia
Descubra o que é leucemia e conheça seus principais tipos, aqui. Neste texto abordaremos também sintomas, diagnóstico e tratamento da doença.
Linfoma - Câncer no sistema linfágico.
Linfoma
Conheça mais sobre o câncer no sistema linfático, o linfoma.
Medula óssea
Saiba mais sobre a medula óssea aqui! Neste texto abordaremos as características da medula óssea, sua função e como é feito seu transplante.
Na figura, é possível observar o desenvolvimento de uma neoplasia maligna.
Neoplasia
Entenda o que é neoplasia e descubra se neoplasia e câncer são iguais. Aprenda também as diferenças entre neoplasia maligna e benigna.
A quimioterapia é um tratamento contra o câncer no qual são utilizados medicamentos.
Quimioterapia
Que tal aprender mais a respeito da quimioterapia? Neste texto, falaremos sobre o que é esse tratamento, como ele atua no organismo, como é administrado e os tipos de quimioterapia. Falaremos ainda a respeito dos diferentes efeitos colaterais que podem surgir em decorrência desse tratamento.
A radioterapia é uma das formas de tratamento contra o câncer.
Radioterapia
Que tal aprender um pouco mais sobre a radioterapia? Neste texto, falaremos o que é essa forma de tratamento contra o câncer, como funciona e como é feita nos pacientes. Além disso, apresentaremos os principais efeitos colaterais observados em pessoas que estão fazendo esse tratamento.
Exames periódicos podem identificar o retinoblastoma precocemente, favorecendo o tratamento da doença.
Retinoblastoma
Clique aqui e compreenda melhor o que é o retinoblastoma. Saiba quais são seus principais sintomas, como é feito seu diagnóstico e quais seus tratamentos disponíveis.
Os tumores são gerados a partir da multiplicação anormal das células
Tumor
A presença de um tumor geralmente causa medo nas pessoas. Afinal, todo tumor compromete a vida de uma pessoa? Clique aqui e descubra!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Sigmund Freud
Filosofia
Sigmund Freud
Nessa videoaula você conhecerá mais sobre a vida e estudos do "pai" da psicanálise.
video icon
Thumb Brasil Escola
Literatura
Realismo fantástico
Trazemos uma análise sobre realismo fantástico. Assista já!
video icon
Thumb Brasil Escola
Química
Funções orgânicas
Tire um tempo para entender melhor o que são as amidas