Whatsapp icon Whatsapp

Escolas literárias

As escolas literárias são movimentos estéticos com características específicas de uma época.
Objetos antigos de escrita sobre mesa de madeira em alusão a uma época histórica, realidade ligada às escolas literárias.
As escolas literárias estão associadas a momentos históricos.

Escolas literárias são movimentos artísticos com características específicas, associadas a um contexto histórico. As escolas literárias brasileiras da era colonial foram o quinhentismo, o barroco e o arcadismo. Já as da era nacional foram o romantismo, o realismo, o naturalismo, o parnasianismo, o simbolismo, o modernismo e o pós-modernismo.

 Na Europa, a era medieval apresentou escolas literárias como o trovadorismo e o humanismo. Já o classicismo, barroco e neoclassicismo pertenceram à era clássica. Por fim, a era moderna foi composta pelo romantismo, realismo, parnasianismo, simbolismo e modernismo.

Leia também: O que é literatura?

Resumo sobre escolas literárias

  • Escolas literárias são movimentos estéticos com características específicas de uma época.

  • As escolas literárias brasileiras da era colonial foram:

    • quinhentismo;
    • barroco;

    • arcadismo.

  • As escolas literárias brasileiras da era nacional foram:

    • romantismo;
    • realismo;

    • naturalismo;

    • parnasianismo;

    • simbolismo;

    • modernismo;

    • pós-modernismo.

  • As escolas literárias europeias da era medieval foram:

    • trovadorismo;
    • humanismo.

  • As escolas literárias europeias da era clássica foram:

    • classicismo;
    • barroco;

    • neoclassicismo.

  • As escolas literárias europeias da era moderna foram:

    • romantismo;
    • realismo;

    • naturalismo;

    • parnasianismo;

    • simbolismo;

    • modernismo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O que são as escolas literárias?

As escolas literárias são movimentos estéticos com características específicas de uma época. Tais características estão associadas a elementos literários e também a acontecimentos históricos. Assim, as obras de determinada escola têm traços semelhantes, associados, portanto, a um mesmo movimento artístico.

Escolas literárias brasileiras

Escolas literárias brasileiras da era colonial

Escolas literárias

Características

Principais autores e obras

Quinhentismo

(1500-1601)

Literatura com fins catequéticos ou pedagógicos, além da literatura informativa.

  • A carta, de Pero Vaz de Caminha.

  • Auto da festa de São Lourenço, de José de Anchieta.

  • Arte de gramática da língua mais usada na costa do Brasil, de José de Anchieta.

Barroco

(1601-1768)

Obras em que sobressaem o contraste, a oposição, o pessimismo, a morbidez, a religiosidade, o cultismo e o conceptismo.

  • Prosopopeia, de Bento Teixeira.

  • Poemas líricos, sacros e satíricos de Gregório de Matos.

  • Sermões, de padre Antônio Vieira.

Arcadismo

(1768-1836)

Literatura de caráter pastoril, com idealização amorosa e da mulher amada, além de valorização de elementos greco-latinos.

  • Marília de Dirceu, de Tomás Antônio Gonzaga.

  • Cartas chilenas, de Tomás Antônio Gonzaga.

  • Vila Rica, de Cláudio Manuel da Costa.

  • Caramuru, de frei José de Santa Rita Durão.

  • O Uraguai, de José Basílio da Gama.

Escolas literárias brasileiras da era nacional

Escolas literárias

Características

Principais autores e obras

Romantismo

(1836-1881)

Obras de teor nacionalista e idealizante, centradas nos costumes da vida burguesa e marcadas pela extrema subjetividade e pela temática amorosa.

  • Suspiros poéticos e saudades, de Gonçalves de Magalhães.

  • Os timbiras, de Gonçalves Dias.

  • Lira dos vinte anos, de Álvares de Azevedo.

  • As primaveras, de Casimiro de Abreu.

  • Guesa errante, de Sousândrade.

  • Os escravos, de Castro Alves.

  • Iracema, de José de Alencar.

  • A moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo.

  • Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida.

  • Úrsula, de Maria Firmina dos Reis.

  • A escrava Isaura, de Bernardo Guimarães.

  • Inocência, de Visconde de Taunay.

  • O noviço, de Martins Pena.

Realismo

(1881-1902)

Literatura antirromântica, apresenta objetividade, crítica social e análise psicológica.

  • Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis.

  • Quincas Borba, de Machado de Assis.

  • Dom Casmurro, de Machado de Assis.

Naturalismo

(1881-1902)

Obras antirromânticas marcadas pela objetividade, pela crítica social, pelo determinismo e pela zoomorfização.

  • O cortiço, de Aluísio Azevedo.

  • O Ateneu, de Raul Pompeia.

  • Bom-Crioulo, de Adolfo Caminha.

Parnasianismo

(1882-1893)

Poesia objetiva e descritiva, valoriza o rigor formal e elementos greco-latinos.

  • Poesias, de Olavo Bilac.

  • Mármores, de Francisca Júlia.

  • Versos e versões, de Raimundo Correia.

  • Meridionais, de Alberto de Oliveira.

Simbolismo

(1893-1902)

Poesia que valoriza os elementos metafísicos e sensoriais, apresenta rigor formal, alienação social e musicalidade.

  • Broquéis, de Cruz e Sousa.

  • Missal, de Cruz e Sousa.

  • Câmara ardente, de Alphonsus de Guimaraens.

Pré-modernismo

(1902-1922)

Literatura de transição entre o simbolismo e o modernismo, apresenta nacionalismo, crítica social e rigor formal, além de elementos naturalistas. É um período de transição e não uma escola literária.

  • Eu e outras poesias, de Augusto dos Anjos.

  • Os sertões, de Euclides da Cunha.

  • Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto.

  • Canaã, de Graça Aranha.

  • Urupês, de Monteiro Lobato.

Modernismo

(1922-1945)

Obras marcadas por inovação, nacionalismo, regionalismo, crítica social, valorização da linguagem oral, verso livre, conflito existencial.

  • Libertinagem, de Manuel Bandeira.

  • Memórias sentimentais de João Miramar, de Oswald de Andrade.

  • Macunaíma, de Mário de Andrade.

  • Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles.

  • A rosa do povo, de Carlos Drummond de Andrade.

  • Forma e exegese, de Vinicius de Moraes.

  • Vidas secas, de Graciliano Ramos.

  • O tempo e o vento, de Erico Verissimo.

  • O quinze, de Rachel de Queiroz.

  • Cacau, de Jorge Amado.

  • Capitães da areia, de Jorge Amado.

Pós-modernismo

(1945-1978)

Literatura caracterizada por reflexão existencial, fluxo de consciência, metalinguagem, fragmentação, elementos fantásticos e temática universal.

  • Morte e vida severina, de João cabral de Melo Neto.

  • Poema sujo, de Ferreira Gullar.

  • Galáxias, de Haroldo de Campos.

  • Grande sertão: veredas, de João Guimarães Rosa.

  • A hora da estrela, de Clarice Lispector.

  • O pirotécnico Zacarias, de Murilo Rubião.

Escolas literárias europeias

Escolas literárias europeias da era medieval

Escolas literárias

Características

Principais autores e obras

Trovadorismo

(séculos XII a XV)

Cantigas de amor (sofrimento amoroso), cantigas de amigo (saudade), cantigas de escárnio (crítica sutil), cantigas de maldizer (crítica explícita).

  • Pois tal saber, do francês Raimbaut d’Aurenga.

  • L’aur’amara, do francês Arnault Daniel.

  • Deus te salve, Gloriosa, do espanhol Dom Afonso X.

  • Senhora formosa, do português Dom Dinis.

Humanismo

(séculos XIV a XVI)

Literatura que retoma os valores greco-latinos, com caráter antropocêntrico, sem, contudo, abandonar os elementos teocêntricos. Apresenta versos regulares, caráter filosófico e satírico.

  • A divina comédia, do italiano Dante Alighieri.

  • Triunfos, do italiano Francesco Petrarca.

  • Auto da barca do inferno, do português Gil Vicente.

  • A Celestina, do espanhol Fernando de Rojas.

  • A nau dos insensatos, do alemão Sebastian Brant.

  • Utopia, do inglês Thomas More.

  • Pantagruel, do francês François Rabelais.

Escolas literárias europeias da era clássica

Escolas literárias

Características

Principais autores e obras

Classicismo

(séculos XVI a XVII)

Literatura de caráter antropocêntrico, valoriza os elementos greco-latinos, a idealização do amor e da mulher, o bucolismo e os versos decassílabos.

  • Os Lusíadas, do português Luís Vaz de Camões.

  • Éclogas, do espanhol Garcilaso de la Vega.

  • Sonetos, do inglês William Shakespeare.

  • Délie, do francês Maurice Scève.

  • Jerusalém libertada, do italiano Torquato Tasso.

Barroco

(séculos XVI a XVIII)

Obras em que sobressaem o contraste, a oposição, o pessimismo, a morbidez, a religiosidade, o cultismo e o conceptismo.

  • Romance a Cristo Crucificado, da portuguesa Soror Violante do Céu.

  • Obras, do espanhol Luis de Góngora.

  • Poemas, do inglês John Donne.

  • Paraíso perdido, do inglês John Milton.

Neoclassicismo

(séculos XVII a XVIII)

Literatura que pode apresentar elementos pastoris, idealização amorosa, referências greco-latinas e visão iluminista ou antropocêntrica.

  • Queixumes do pastor Elmano contra a falsidade da pastora Urselina, do português Manuel du Bocage.

  • Poesias, do espanhol Juan Meléndez Valdés.

  • Tartufo, do francês Molière.

  • Andrômaca, do francês Jean Racine.

  • As viagens de Gulliver, do irlandês Jonathan Swift.

  • Cândido ou O otimismo, do francês Voltaire.

Escolas literárias europeias da era moderna

Escolas literárias

Características

Principais autores e obras

Romantismo

(séculos XVIII a XIX)

Obras de teor nacionalista e idealizante, centradas nos costumes da vida burguesa e marcadas pela extrema subjetividade e pela temática amorosa.

  • Os sofrimentos do jovem Werther, do alemão Johann Wolfgang von Goethe.

  • Don Juan, do inglês Lord Byron.

  • Os miseráveis, do francês Victor Hugo.

  • Amor de perdição, do português Camilo Castelo Branco.

  • Don Juan Tenorio, do espanhol José Zorrilla.

  • Os três mosqueteiros, do francês Alexandre Dumas.

Realismo

(século XIX)

Literatura antirromântica, apresenta objetividade, crítica social e análise psicológica.

  • Madame Bovary, do francês Gustave Flaubert.

  • O crime do padre Amaro, do português Eça de Queirós.

  • Fortunata e Jacinta, do espanhol Benito Pérez Galdós.

Naturalismo

(século XIX)

Obras antirromânticas marcadas pela objetividade, crítica social, determinismo e zoomorfização.

  • Germinal, do francês Émile Zola.

  • A tribuna, da espanhola Emilia Pardo Bazán.

Parnasianismo

(século XIX)

Poesia objetiva e descritiva, valoriza o rigor formal e elementos greco-latinos.

  • Poemas antigos, do francês Leconte de Lisle.

  • O livro de Cesário Verde, do português Cesário Verde.

Simbolismo

(séculos XIX a XX)

Poesia que valoriza os elementos metafísicos e sensoriais, apresenta rigor formal e musicalidade.

  • As flores do mal, do francês Charles Baudelaire.

  • Verso e prosa, do francês Stéphane Mallarmé.

  • Uma temporada no inferno, do francês Arthur Rimbaud.

  • Clépsidra, do português Camilo Pessanha.

Modernismo

(século XX)

Obras marcadas por inovação, nacionalismo, regionalismo, crítica social, valorização da linguagem popular, verso livre, fluxo de consciência, conflito existencial, experimentação, fragmentação, caráter fantástico e elementos distópicos.

  • Em busca do tempo perdido, do francês Marcel Proust.

  • Orlando, da inglesa Virginia Woolf.

  • Ulisses, do irlandês James Joyce.

  • A metamorfose, do tcheco Franz Kafka.

  • Mensagem, do português Fernando Pessoa.

  • Dispersão, do português Mário de Sá-Carneiro.

  • O barão, do português Branquinho da Fonseca.

  • A selva, do português Ferreira de Castro.

  • 1984, do inglês George Orwell.

  • Admirável mundo novo, do inglês Aldous Huxley.

Acesse também: Vanguardas europeias — movimentos artísticos que surgiram na Europa no início do século XX

Exercícios resolvidos sobre escolas literárias

Questão 1

(Enem)

Cárcere das almas

Ah! Toda a alma num cárcere anda presa,
Soluçando nas trevas, entre as grades
Do calabouço olhando imensidades,
Mares, estrelas, tardes, natureza.

Tudo se veste de uma igual grandeza
Quando a alma entre grilhões as liberdades
Sonha e, sonhando, as imortalidades
Rasga no etéreo o Espaço da Pureza.

Ó almas presas, mudas e fechadas
Nas prisões colossais e abandonadas,
Da Dor no calabouço, atroz, funéreo!

Nesses silêncios solitários, graves,
que chaveiro do Céu possui as chaves
para abrir-vos as portas do Mistério?!

CRUZ E SOUSA, J. Poesia completa. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura/ Fundação Banco do Brasil, 1993.

Os elementos formais e temáticos relacionados ao contexto cultural do simbolismo encontrados no poema Cárcere das almas, de Cruz e Sousa, são

A) a opção pela abordagem, em linguagem simples e direta, de temas filosóficos.

B) a prevalência do lirismo amoroso e intimista em relação à temática nacionalista.

C) o refinamento estético da forma poética e o tratamento metafísico de temas universais.

D) a evidente preocupação do eu lírico com a realidade social expressa em imagens poéticas inovadoras.

E) a liberdade formal da estrutura poética que dispensa a rima e a métrica tradicionais em favor de temas do cotidiano.

Resolução:

Alternativa C

O simbolismo não apresenta linguagem simples e direta, não é marcado pela temática amorosa, e apresenta alienação social e rigor formal. Portanto, o poema da questão possui preocupação com a forma poética (versos decassílabos, ou seja, metrificados) e tratamento metafísico de temas universais, já que se atém a elementos mais abstratos (a alma e sua dor) em contraposição à materialidade.

Questão 2

(Enem)

Namorados

O rapaz chegou-se para junto da moça e disse:
— Antônia, ainda não me acostumei com o seu corpo, com a sua cara.
A moça olhou de lado e esperou.
— Você não sabe quando a gente é criança e de repente vê uma lagarta listrada?
A moça se lembrava:
— A gente fica olhando...
A meninice brincou de novo nos olhos dela.
O rapaz prosseguiu com muita doçura:
— Antônia, você parece uma lagarta listrada.
A moça arregalou os olhos, fez exclamações.
O rapaz concluiu:
— Antônia, você é engraçada! Você parece louca.

Manuel Bandeira. Poesia completa & prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985.

No poema de Bandeira, importante representante da poesia modernista, destaca-se como característica da escola literária dessa época

A) a reiteração de palavras como recurso de construção de rimas ricas.

B) a utilização expressiva da linguagem falada em situações do cotidiano.

C) a criativa simetria de versos para reproduzir o ritmo do tema abordado.

D) a escolha do tema do amor romântico, caracterizador do estilo literário dessa época.

E) o recurso ao diálogo, gênero discursivo típico do realismo.

Resolução:

Alternativa B

O poema modernista de Manuel Bandeira não apresenta rimas nem simetria de versos. Também não possui traços românticos, já que não realiza a idealização. No mais, o diálogo não é algo típico do realismo, está presente em qualquer estilo que apresente narrativas. Já a linguagem falada em situações do cotidiano está relacionada ao modernismo.

Questão 3

(Enem)

Psicologia de um vencido

Eu, filho do carbono e do amoníaco,
Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênesis da infância,
A influência má dos signos do zodíaco.

Profundissimamente hipocondríaco,
Este ambiente me causa repugnância...
Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme — este operário das ruínas —
Que o sangue podre das carnificinas
Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
E há de deixar-me apenas os cabelos,
Na frialdade inorgânica da terra!

ANJOS, A. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

A poesia de Augusto dos Anjos revela aspectos de uma literatura de transição designada como pré-modernista. Com relação à poética e à abordagem temática presentes no soneto, identificam-se marcas dessa literatura de transição, como

A) a forma do soneto, os versos metrificados, a presença de rimas e o vocabulário requintado, além do ceticismo, que antecipam conceitos estéticos vigentes no modernismo.

B) o empenho do eu lírico pelo resgate da poesia simbolista, manifesta em metáforas como “Monstro de escuridão e rutilância” e “influência má dos signos do zodíaco”.

C) a seleção lexical emprestada ao cientificismo, como se lê em “carbono e amoníaco”, “epigênesis da infância” e “frialdade inorgânica”, que restitui a visão naturalista do homem.

D) a manutenção de elementos formais vinculados à estética do parnasianismo e do simbolismo, dimensionada pela inovação na expressividade poética, e o desconcerto existencial.

E) a ênfase no processo de construção de uma poesia descritiva e ao mesmo tempo filosófica, que incorpora valores morais e científicos mais tarde renovados pelos modernistas.

Resolução:

Alternativa D

O pré-modernismo não resgata (restaura) a poesia simbolista nem restitui (recupera) a visão naturalista do homem. A poesia de Augusto dos Anjos apenas apresenta traços desses dois estilos. Já o modernismo não valoriza a metrificação, o vocabulário requintado ou os valores morais e científicos. Por fim, no poema da questão, a metrificação está relacionada ao rigor formal parnasiano e simbolista. O soneto de Augusto dos Anjos também apresenta inovação na expressividade poética ao aliar elementos místicos e científicos. Também apresenta o incômodo existencial.

Fontes

ABAURRE, Maria Luiza M.; PONTARA, Marcela. Literatura: tempos, leitores e leituras. 3. ed. São Paulo: Moderna, 2015.

BUENO, Fátima. Machado de Assis e Eça de Queirós: para além da polêmica... Machado de Assis em Linha, Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 26-40, 2012.

COSTA, Edson Tavares. Licenciatura em Letras/ Português: literatura portuguesa. Campina Grande: EDUEPB, 2011.

GOMES, Carlos Magno Santos; RAMALHO, Christina Bielinski. Literatura portuguesa I. São Cristóvão: CESAD, 2009.

GOULART, Audemaro Taranto; SILVA, Oscar Vieira da. Introdução ao estudo da literatura. Belo Horizonte: Lê, 1994.

MASSINI-CAGLIARI, Gladis. Cantigas medievais profanas e religiosas. In: MASSINI-CAGLIARI, Gladis. A música da fala dos trovadores: desvendando a prosódia medieval. São Paulo: UNESP, 2015.

MENDES, Ana Cristina. A ficção pós-modernista e a busca das verdades possíveis — uma resenha teórica. Rev. Let., São Paulo, v. 57, n. 1, p. 27-41, jan./ jun. 2017.

NICOLA, José de; INFANTE, Ulisses. Gramática contemporânea da língua portuguesa. 9. ed. São Paulo: Scipione, 1992.    

Publicado por Warley Souza

Artigos Relacionados

Arcadismo
Amplie seus conhecimentos, conheça acerca de grandes autores, pois iremos dialogar um pouco mais sobre o Arcadismo!
Barroco
Contexto histórico e características da estética literária!Saiba o que foi o barroco, veja quais as suas principais características e vertentes e quais os autores europeus e brasileiros de maior notoriedade.
Barroco no Brasil
Clique aqui e saiba como surgiu o Barroco no Brasil. Conheça suas características, e descubra suas principais obras. Aprenda mais com exercícios resolvidos.
Humanismo
Clique e entenda o que foi e quais são as características do humanismo!
Modernismo
Entenda o contexto histórico do modernismo. Conheça as características desse movimento. Saiba quais são seus principais autores e obras.
Modernismo no Brasil
Clique aqui para conhecer as principais características e obras do modernismo no Brasil. Entenda como surgiu esse movimento e quais foram suas três fases.
Naturalismo
Saiba o que foi o naturalismo. Conheça seus principais autores. Entenda a diferença entre realismo e naturalismo.
Naturalismo no Brasil
Entenda o contexto histórico do naturalismo no Brasil. Saiba quais são as características desse estilo literário. Conheça as principais obras do período.
Parnasianismo
Entenda o contexto histórico em que surgiu o parnasianismo. Saiba quais são as características desse estilo, e conheça seus principais autores.
Pré-Modernismo
Entenda o que foi o período do pré-modernismo na literatura. Conheça as circunstâncias de seu contexto, saiba quais os principais autores e obras e resolva exercícios.
Realismo
Acesse para saber o que foi o Realismo. Conheça as principais características do movimento, seu contexto histórico, os maiores autores desse estilo e suas obras.
Realismo no Brasil
Conheça o que foi o realismo no Brasil. Leia a respeito do contexto histórico, seus desdobramentos e quais foram os principais autores realistas brasileiros.
Romantismo
Acesse para descobrir o que foi o Romantismo. Leia suas principais características e conheça seu contexto histórico, os principais autores e obras do movimento.
Simbolismo
Acesse para descobrir o que foi o Simbolismo. Conheça seu contexto histórico e origem. Aprenda, também, quais foram os principais autores do Simbolismo português e brasileiro.
video icon
Ilustração de um psicanalista sentado em uma poltrona acompanhada do texto: "O que é psicanálise?".
Filosofia
O que é psicanálise?
Criada pelo médico austríaco Sigmund Freud, a psicanálise é um método de análise do subconsciente baseado no acesso às memórias inconscientes.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Pessoa com as pernas na água
Saúde e bem-estar
Leptospirose
Foco de enchentes pode causar a doença. Assista à videoaula e entenda!
video icon
fone de ouvido, bandeira do reino unido e caderno escrito "ingles"
Gramática
Inglês
Que tal conhecer os três verbos mais usados na língua inglesa?
video icon
três dedos levantados
Matemática
Regra de três
Com essa aula você revisará tudo sobre a regra de três simples.