Barroco no Brasil

O barroco no Brasil está associado a obras produzidas no período de 1601 a 1768. O estilo chegou ao país após seu surgimento na Europa, no século XVI, e teve como marcos históricos a Reforma Protestante e a Contrarreforma. A Itália é o berço desse movimento e seu maior representante, nas artes visuais, é o pintor italiano Caravaggio (1571-1610). No entanto, na literatura, os poetas espanhóis Francisco de Quevedo (1580-1645) e Luis de Góngora (1561-1627) são seus principais representantes.

As principais características da literatura barroca são o fusionismo, o cultismo e o conceptismo. No Brasil, os dois principais escritores desse estilo são Gregório de Matos (1636-1696), autor de poesias sacras e satíricas, além de Pe. António Vieira (1608-1697), com seus sermões. No entanto, Prosopopeia, de Bento Teixeira (1561-1600), é considerada a obra inaugural do barroco no país. Já nas artes visuais, os artistas Aleijadinho e Mestre Ataíde são destaques em nossa cultura.

Leia também: Quinhentismo – movimento literário que antecedeu o barroco no Brasil

Contexto histórico do barroco no Brasil

“O caçador de escravos”, obra de Jean-Baptiste Debret (1768-1848)
“O caçador de escravos”, obra de Jean-Baptiste Debret (1768-1848).

No Brasil do século XVII, a economia era baseada na produção de cana-de-açúcar, pelo uso de mão de obra escravizada, composta por índios brasileiros e negros africanos. A cultura da colônia era um reflexo dos costumes da metrópole, ou seja, Portugal. A Europa estava dividida entre o catolicismo e o protestantismo. Dessa forma, a religião predominante e oficial no Brasil era a católica.

Em resposta à Reforma Protestante, ocorrida no século XVI, a Igreja Católica tomou medidas para não perder mais fiéis, tais como a retomada do Tribunal do Santo Ofício (a Inquisição) e a fundação da Companhia de Jesus. Essa reação ao protestantismo ficou conhecida como Contrarreforma. Graças a ela, os indígenas brasileiros foram alvo de catequização, o que muito contribuiu para a aculturação desses povos.

Nesse contexto, a religião acabava sendo o centro de tudo (teocentrismo) e exercia forte influência nas decisões governamentais. Desse modo, monarquia e religião andavam de mãos dadas. Daí a importância de personalidades como Pe. António Vieira, figura política e religiosa extremamente influente em relação ao rei de Portugal. Assim, a tradição católica está fortemente refletida na arte barroca, seja nas artes visuais, seja na literatura. Entretanto, muitas obras desse período trazem imagens conflituosas, já que a fé, paradoxalmente, convivia com a incerteza.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características do barroco no Brasil

  • Conflito existencial
  • Imagens contrastantes
  • Teocentrismo
  • Uso recorrente de:

- Antítese

- Paradoxo

- Hipérbole

- Hipérbato

- Sinestesia

- Comparação

- Metáfora

  • Visão pessimista da realidade
  • Feísmo: imagens grotescas
  • Linguagem rebuscada
  • Conceptismo: jogo de ideias
  • Cultismo: jogo de palavras
  • Carpe diem: “aproveitar o dia”
  • Uso da medida nova: versos decassílabos
  • Fascinação pela morte
  • Fusionismo: fusão entre elementos opostos

Leia também: Arcadismo – movimento artístico que sucedeu ao barroco no Brasil

Obras barrocas

Capa do livro “Sermões”, de Pe. António Vieira, publicado pela editora L&PM. [1]
Capa do livro “Sermões”, de Pe. António Vieira, publicado pela editora L&PM. [1]

O livro que inaugura o barroco brasileiro é Prosopopeia (1601), de Bento Teixeira. A obra configura-se como um poema épico que combina fatos históricos e mitológicos para homenagear o governador de Pernambuco Jorge d’Albuquerque Coelho (1539-1596):

Cantem Poetas o Poder Romano,
Submetendo Nações ao jugo duro;
O Mantuano pinte o Rei Troiano,
Descendo à confusão do Reino escuro;
Que eu canto um Albuquerque soberano,
Da Fé, da cara Pátria firme muro,
Cujo valor e ser, que o Céu lhe inspira,
Pode estancar a Lácia e Grega lira.
[...]

Já a obra mais conhecida de Pe. António Vieira é Sermões, de 1679. Além dela, é possível apontar: Esperanças de Portugal (1659), História do futuro (1718) e Obra completa (2015). Assim, no trecho seguinte, do “Sermão de Santa Teresa”, Vieira traz a antítese, ao opor céu e terra, e enaltece o Evangelho, comparado-o à luz do céu na terra. Usa também o paradoxo, ao afirmar que “as prudentes foram néscias” e que “as néscias foram prudentes”:

“Com os olhos no céu, com os olhos na terra e com os olhos no Evangelho determino pregar hoje, que é o modo com que nas festas dos santos se deve pregar sempre. Deve-se pregar com os olhos no céu, para que vejamos o que havemos de imitar nos santos; deve-se pregar com os olhos na terra, para que saibamos o que havemos de emendar em nós; e deve-se pregar com os olhos no Evangelho, para que o Evangelho, como luz do céu na terra, nos encaminhe ao que havemos de emendar na terra e ao que havemos de imitar no céu. O que hoje nos põe diante dos olhos o Evangelho são dez virgens, cinco néscias e cinco prudentes, [...]. Mas quando olho — coisa notável! — quando olho para as virgens prudentes com os olhos no céu, e quando olho para as néscias com os olhos na terra, vejo-as com os apelidos trocados. As prudentes, vistas com os olhos no céu, parecem-me néscias; e as néscias, vistas com os olhos na terra, parecem-me prudentes. Isto é o que se me afigura hoje, e esta será a matéria do sermão: que as prudentes, vistas com os olhos no céu, foram néscias, e que as néscias, vistas com os olhos na terra, foram prudentes. [...]”

Por fim, o poema satírico a seguir, de Gregório de Matos — autor que não publicou nenhum livro em vida —, faz uma crítica à exploração estrangeira, que leva as riquezas da Bahia.

Para isso, o eu lírico, com o uso de antíteses, faz uma comparação entre si e a Bahia. No presente, ela está “pobre”, e ele, “empenhado”, mas, no passado, ela foi “rica”, e ele, “abundante”. Contudo, o Brichote (o estrangeiro) levou da Bahia “tanto açúcar excelente”. Dessa maneira, são responsáveis pelo atual estado de ambos a “máquina mercante” (em relação à Bahia) e o “negócio” e o “negociante” (em relação ao eu lírico):

Triste Bahia! ó quão dessemelhante
Estás e estou do nosso antigo estado!

Sobre te vejo a ti, tu a mi empenhado,
Rica te vi eu já, tu a mi abundante.

A ti trocou-te a máquina mercante,
Que em tua larga barra tem entrado,

A mim foi-me trocando, e tem trocado,
Tanto negócio e tanto negociante.

Deste em dar tanto açúcar excelente
Pelas drogas inúteis, que abelhuda

Simples aceitas do sagaz Brichote.

Oh se quisera Deus, que de repente
Um dia amanheceras tão sisuda

Que fora de algodão o teu capote!

Veja mais: Classicismo – movimento artístico que surgiu no contexto do renascimento

Principais autores do barroco no Brasil

  • Bento Teixeira

Nasceu em 1561, em Portugal, e mudou-se para o Brasil em 1567. Filho de cristãos-novos, foi denunciado pela esposa como praticante do judaísmo. Acabou assassinando a mulher, provavelmente devido à prática de adultério. Assim, de volta a Portugal, em 1599, foi condenado à prisão perpétua e morreu em 1600.

  • Gregório de Matos

Nasceu em Salvador, em 20 de dezembro de 1636. Estudou Direito na Universidade de Coimbra, em Portugal, onde trabalhou durante alguns anos. De volta ao Brasil, devido a inimizades, foi deportado para Angola em 1694. No entanto, após permissão para retornar ao seu país, morreu em 26 de novembro de 1696 (ou 1695), em Recife. Para saber mais sobre esse importante poeta brasileiro, acesse: Gregório de Matos.

  • Pe. António Vieira

Nasceu em 6 de fevereiro de 1608, em Portugal, mas mudou-se para o Brasil em 1615. Ingressou na Companhia de Jesus em 1623. Um mestre da argumentação, exerceu forte influência sobre o rei d. João IV (1604-1656), em Portugal. No entanto, pelo fato de ser um defensor dos cristãos-novos, conseguiu inimizades entre membros da Igreja. Foi condenado por heresia pela Inquisição e perdoado em 1669. Voltou ao Brasil em 1681, antes de morrer, em 18 de julho de 1697, em Salvador. Para conhecer mais a vida e obra desse importante autor do barroco brasileiro, acesse: Padre António Vieira.

Arte barroca

“São Jerônimo”, obra de Caravaggio.
“São Jerônimo”, obra de Caravaggio.

O barroco nasceu na Itália, e seu maior nome é o pintor Caravaggio, cujas obras exploram a perspectiva do chiaroscuro (claro-escuro), em um contraste de luz e sombra, além de contar com a presença de temas religiosos, memento mori (lembrança da morte), feísmo e cores intensas.

Já em Portugal, a influência religiosa tornou-se ainda mais relevante na arte barroca.  Ao chegar ao Brasil, além de elementos da tradição católica, o estilo assimilou peculiaridades da nascente cultura brasileira.

A arte barroca brasileira confunde-se com a estética rococó, pois apresenta temas mais leves, preferência por linhas curvas e assimetria das formas, além da presença de cores claras, mais suaves, assumindo um caráter ornamental. Assim, os principais artistas do barroco-rococó no Brasil são:

  • Mestre Valentim (1745-1813): escultor
  • Mestre Ataíde (1762-1830): pintor
  • Francisco Xavier de Brito (?-1751): escultor
  • Aleijadinho (Antônio Francisco Lisboa) (1738-1814): arquiteto e escultor

Leia mais: Barroco mineiro – principal manifestação das artes plásticas no Brasil Colônia

Barroco na Europa

Além dos espanhóis Luis de Góngora e Francisco de Quevedo — os mais importantes autores do barroco europeu —, a Europa conta com os seguintes autores portugueses:

  • Francisco Rodrigues Lobo (1580-1622)
  • Jerónimo Baía (1620-1688)
  • António Barbosa Bacelar (1610-1663)
  • António José da Silva (1705-1739)
  • Gaspar Pires de Rebelo (1585-1642)
  • Teresa Margarida da Silva e Orta (1711-1793)
  • D. Francisco Manuel de Melo (1608-1666)
  • Soror Violante do Céu (1601-1693)
  • Soror Mariana Alcoforado (1640-1723)

Veja também: Breve história e fases da literatura portuguesa

Resumo sobre o barroco no Brasil

  • Contexto histórico:

- Brasil Colônia

  • Características do barroco:
  • Conflito existencial
  • Imagens contrastantes
  • Teocentrismo
  • Uso recorrente de:

- Antítese

- Paradoxo

- Hipérbole

- Hipérbato

- Sinestesia

- Comparação

- Metáfora

  • Visão pessimista da realidade
  • Feísmo
  • Linguagem rebuscada
  • Conceptismo
  • Cultismo
  • Carpe diem
  • Uso da medida nova
  • Fascinação pela morte
  • Fusionismo
  • Obras barrocas:
  • Prosopopeia, de Bento Teixeira
  • Sermões, de Pe. António Vieira
  • Poesias lírico-filosóficas, sacras e satíricas de Gregório de Matos
  • Arte barroca:
  • Caravaggio
  • Mestre Valentim
  • Mestre Ataíde
  • Francisco Xavier de Brito
  • Aleijadinho
  • Barroco na Europa:
  • Luis de Góngora
    • Francisco de Quevedo
  • Francisco Rodrigues Lobo
  • Jerónimo Baía
  • António Barbosa Bacelar
  • António José da Silva
  • Gaspar Pires de Rebelo
  • Teresa Margarida da Silva e Orta
  • D. Francisco Manuel de Melo
  • Soror Violante do Céu
  • Soror Mariana Alcoforado

Exercícios resolvidos

Questão 1 – (Ufam) Assinale a opção cujo enunciado refere-se corretamente ao barroco brasileiro:

A) Constitui-se, basicamente, de obras que visitantes e missionários colheram sobre a geografia e o homem nativo, com o objetivo de informar a Coroa portuguesa.

B) Na poesia do período, encontra-se um labirinto de significantes, mediante o uso abusivo de jogos de palavras, trocadilhos e enigmas.

C) Encontram-se traços pré-românticos nas obras poéticas, traços que, por serem poucos, não conseguem romper com o arraigado neoclassicismo do período.

D) Gregório de Matos, o principal poeta desse momento, distingue-se, como acabado neoclássico, pela sobriedade do caráter e a contenção das emoções.

E) A prática da poesia bucólica tem como fundamento o mito do homem natural, em oposição ao homem urbano, cheio de vícios e prazeres desregrados.

Resolução

Alternativa B. É característica do barroco o jogo de palavras (cultismo), como o uso de trocadilhos, o que leva a uma linguagem rebuscada e enigmática.

Questão 2 – (Unimontes) Gregório de Matos, o mais conhecido poeta do barroco brasileiro, NÃO apresenta como característica o que se lê na alternativa:

A) A sua poética encontra-se em perfeita sintonia com a cultura mestiça, carnavalizada e sensual da Bahia.

B) A sua poesia expressa os desconcertos do Brasil colonial, submetido aos desmandos da corte e aos abusos da classe dominante.

C) Seus versos usam metáforas de forte coloração, ambiguidades eróticas e expressões chulas, o que justifica a sua alcunha de “Boca do Inferno”.

D) Seus versos traduzem anseios da classe política brasileira que reage aos desatinos da população iletrada com termos vulgares e de baixo calão.

Resolução

Alternativa D. Os versos de Gregório de Matos não são porta-vozes da classe política brasileira. Muito pelo contrário, já que ela é alvo da crítica do poeta.

Questão 3 - (Unimontes) Leia o texto abaixo de Gregório de Matos.

Romance

Adeus praia, adeus Cidade,

e agora me deverás,

Velhaca, dar eu adeus,

a quem devo ao demo dar.

Que agora, que me devas

dar-te adeus, como quem cai,

sendo que está tão caída,

que nem Deus te quererá.

Adeus Povo, Adeus Bahia,

digo, Canalha infernal,

e não falo na nobreza

tábula, em que se não dá.

Porque o nobre enfim é nobre,

quem honra tem, honra dá,

pícaros dão picardias,

e inda lhes fica, que dar.

E tu, Cidade, és tão vil,

que o que em ti campar,

não tem mais do que meter-se

a magano, e campará.

MATOS, 2007. p. 205.

Vocabulário: tabula: (do lat. tabula) pequena peça redonda, geralmente de osso ou de marfim, usada em vários jogos; campar: ufanar-se, vangloriar, gabar-se.

Com base na leitura e interpretação do fragmento do poema acima, assinale a alternativa INCORRETA.

A) O poema apresenta características da poesia satírica de Gregório de Matos.

B) A personificação da Cidade ressalta o estado depreciativo a que se refere o poeta.

C) A imagem da cidade é construída através da crítica e da negatividade.

D) O texto evidencia a despedida bucólica do poeta a sua cidade natal.

Resolução

Alternativa D. No texto, não há bucolismo, isto é, não ocorre a idealização da natureza, não há menção à paisagem campestre ou pastoril.

Crédito da imagem

[1] LP&M Editores (reprodução)

Publicado por: Warley Souza
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios

Questão 1

(VUNESP) 

      Ardor em firme coração nascido;
      pranto por belos olhos derramado;
      incêndio em mares de água disfarçado;
      rio de neve em fogo convertido:
      tu, que em um peito abrasas escondido;
      tu, que em um rosto corres desatado;
      quando fogo, em cristais aprisionado;
      quando crista, em chamas derretido.
      Se és fogo, como passas brandamente,
      se és fogo, como queimas com porfia?
      Mas ai, que andou Amor em ti prudente!
      Pois para temperar a tirania,
      como quis que aqui fosse a neve ardente,
      permitiu parecesse a chama fria. 

O texto pertencente a Gregório de Matos apresenta todas as seguintes características:

a) Trocadilhos, predomínio de metonímias e de símiles, a dualidade temática da sensualidade e do refreamento, antíteses claras dispostas em ordem direta.

b) Sintaxe segundo a ordem lógica do Classicismo, a qual o autor buscava imitar, predomínio das metáforas e das antíteses, temática da fugacidade do tempo e da vida.

c) Dualidade temática da sensualidade e do refreamento, construção sintática simétrica por simetrias sucessivas, predomínio figurativo das metáforas e pares antitéticos que tendem para o paradoxo.

d) Técnica naturalista, assimetria total de construção, ordem direta inversa, imagens que prenunciam o Romantismo.

e) Verificação clássica, temática neoclássica, sintaxe preciosista evidente no uso das antíteses, dos anacolutos e das alegorias, construção assimétrica.

Questão 2

(Faculdade Objetivo – SP) Sobre cultismo e conceptismo, os dois aspectos construtivos do Barroco, assinale a única alternativa incorreta:

a) O cultismo opera através de analogias sensoriais, valorizando a identificação dos seres por metáforas. O conceptismo valoriza a atitude intelectual, a argumentação.

b) Cultismo e conceptismo são partes construtivas do Barroco que não se excluem. É possível localizar no mesmo autor e no mesmo texto os dois elementos.

c) O cultismo é perceptível no rebuscamento da linguagem, pelo abuso no emprego de figuras semânticas, sintáticas e sonoras. O conceptismo valoriza a atitude intelectual, o que se concretiza no discurso pelo emprego de sofismas, silogismos, paradoxos, etc.

d) O cultismo na Espanha, Portugal e Brasil é também conhecido como gongorismo e seu mais ardente defensor, entre nós, foi o Pe. Antônio Vieira, que, no Sermão da Sexagésima, propõe a primazia da palavra sobre a ideia.

e) Os métodos cultistas mais seguidos por nossos poetas foram os de Gôngora e Marini e o conceptismo de Quevedo foi o que maiores influências deixou em Gregório de Matos.

Mais Questões
Assuntos relacionados
Páginas do romance “O Uruguai”, de Basílio da Gama.
Arcadismo
Clique para conhecer o Arcadismo, juntamente ao seu contexto histórico, suas características mais marcantes, assim como seus principais autores e influências.
Drummond, Mario Quintana, Murilo Mendes, Cecília Meireles e Vinicius de Moraes: poetas que ampliaram o horizonte da poesia na Literatura brasileira.*
Poesia na Segunda Geração do Modernismo
Conheça mais sobre a poesia na Segunda Geração do Modernismo.
A Igreja Nossa Senhora do Rosário, de Ouro Preto, é um dos principais símbolos do barroco mineiro
Barroco Mineiro
Fique sabendo como se formou, em cidades que eram sede da prospecção de ouro no Brasil Colônia, o barroco mineiro.
Barroco
Contexto histórico e características da estética literária!Saiba o que foi o barroco, veja quais as suas principais características e vertentes e quais os autores europeus e brasileiros de maior notoriedade.
Parnasianismo no Brasil
Conheça as características, os principais autores e alguns poemas do Parnasianismo brasileiro, um importante movimento literário situado no fim do século XIX.
Gregório de Matos
Conheça a vida e a obra de Gregório de Matos, o Boca do Inferno, poeta conhecido por suas sátiras. Confira exemplos e análises de seus poemas!
Rococó
Entenda o contexto histórico em que surgiu o rococó e conheça as principais características desse estilo. Saiba também quais são seus principais artistas.
Padre Antônio Vieira
Clique aqui e saiba quem foi Padre Antônio Vieira, importante autor do Barroco. Conheça o estilo literário de suas obras. E leia algumas frases do autor.
Castro Alves
Saiba quem foi Castro Alves e entenda o contexto histórico em que esse poeta viveu. Conheça também a sua obra-prima, “O navio negreiro”, além de outros poemas.
Carta de Pero Vaz destinada ao Rei D. Manuel.
Quinhentismo
Acesse para compreender o que foi o Quinhentismo. Aprenda as principais características do movimento, seu contexto histórico e principais obras e autores.