Whatsapp icon Whatsapp

Literatura negra

A literatura negra apresenta obras com temática associada à questão étnica. Ela é escrita por autoras e autores negros. Alguns deles são Maria Firmina dos Reis e Luiz Gama.
Representação de mulher negra lendo um livro literário.
A literatura negra tem como principais receptores a leitora e o leitor negros.

A literatura negra é composta por obras cuja temática está associada à experiência de pessoas negras. Além disso, autoras e autores desse tipo de literatura devem ser afrodescendentes. Desse modo, a obra deve trazer o ponto de vista dessas pessoas. No Brasil, um dos principais livros da literatura negra é Quarto de despejo, de Carolina Maria de Jesus.

Leia também: Literatura africana — aquela produzida em países africanos

Resumo sobre literatura negra

  • Os estudos sobre as obras da literatura negra tiveram início nos anos 1970.

  • A literatura negra é definida pela sua temática, autoria, ponto de vista e linguagem.

  • Carolina Maria de Jesus é uma das principais autoras da literatura negra brasileira.

  • A literatura negra possui caráter político e valoriza o ponto de vista da pessoa negra.

Origem da literatura negra

A designação “literatura negra” passou a estar em evidência nos estudos literários e culturais a partir da década de 1970. No entanto, a literatura escrita por pessoas negras e com protagonistas negros pode ser observada bem antes dessa data.

Características da literatura negra

A literatura negra é aquela produzida por autoras e autores negros ou descendentes de pessoas negras. Consequentemente, as narrativas, poesias ou peças teatrais inseridas nessa categoria trazem como protagonistas as pessoas negras e evidenciam a sua cultura, ou seja, elementos históricos e étnicos.

É uma literatura essencialmente política, ideológica, e tem como objetivo a afirmação de uma identidade. Assim, tal nomenclatura é mais uma forma de dar visibilidade ao discurso ou linguagem dessa minoria política e, desse modo, valorizar a voz daqueles que, historicamente, foram silenciados.

As características definidoras desse tipo de literatura estão, portanto, vinculadas à temática da obra e ao seu caráter político. Não há, obviamente, elementos estruturais diferenciadores. A temática e o contexto de produção são os principais definidores dessa categoria de literatura.

Logo, o que define a literatura negra é a temática, a autoria e o ponto de vista da obra, elementos associados a questões étnicas. Tal literatura, também, é direcionada, primordialmente, a pessoas negras. Nessa perspectiva, o romance Dom Casmurro, por exemplo, de Machado de Assis, um escritor negro, não faz parte da literatura negra ou afrodescendente.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Autores da literatura negra

  • William Wells Brown (1814-1884) — estado-unidense.

  • Frederick Douglass (1818-1895) — estado-unidense.

  • Maria Firmina dos Reis (1822-1917) — brasileira.

  • Luiz Gama (1830-1882) — brasileiro.

  • Lima Barreto (1881-1922) — brasileiro.

  • Richard Wright (1908-1960) — estado-unidense.

  • João Felício dos Santos (1911-1989) — brasileiro.

  • Carolina Maria de Jesus (1914-1977) — brasileira.

  • Maya Angelou (1928-2014) — estado-unidense.

  • Alice Walker (1944-) — estado-unidense.

  • Conceição Evaristo (1946-) — brasileira

  • Paulina Chiziane (1955-) — moçambicana.

  • Caryl Phillips (1958-) — inglês.

  • Allan da Rosa (1976-) — brasileiro.

  • Djaimilia Pereira de Almeida (1982-) — portuguesa.

Principais obras da literatura negra

  • Narrativa da vida de Frederick Douglass (1845), autobiografia de Frederick Douglass.

  • Narrativa de William Wells Brown, escravo fugitivo (1847), autobiografia de William Wells Brown.

  • Quem sou eu?(1861), poema de Luiz Gama.

  • A escrava (1887), conto de Maria Firmina dos Reis.

  • Recordações do escrivão Isaías Caminha (1909), romance de Lima Barreto.

  • Filho nativo (1940), romance de Richard Wright.

  • Quarto de despejo (1960), diário de Carolina Maria de Jesus.

  • Ganga-Zumba (1962), romance de João Felício dos Santos.

  • Ainda assim eu me levanto (1978), poema de Maya Angelou.

  • A cor púrpura (1982), romance de Alice Walker.

  • Niketche: uma história de poligamia (2002), romance de Paulina Chiziane.

  • Ponciá Vicêncio (2003), romance de Conceição Evaristo.

  • Da Cabula (2006), peça teatral de Allan da Rosa.

  • Dançando no escuro (2007), romance de Caryl Phillips.

  • Esse cabelo (2015), romance de Djaimilia Pereira de Almeida.

Literatura negra no Brasil

Conceição Evaristo segura livro diante de estante de biblioteca.
Conceição Evaristo é a principal autora da literatura negra no Brasil da atualidade.[1]

A figura emblemática da literatura negra brasileira é a escritora mineira Carolina Maria de Jesus. Em 1960, ela publicou o livro Quarto de despejo, seu “diário de uma favelada”. Nessa obra, a autora relata o seu cotidiano de mulher negra, pobre e residente na favela do Canindé, em São Paulo. A obra foi um sucesso estrondoso.

Mas foi a partir do início do século XXI que esse tipo de literatura passou a despertar mais interesse de acadêmicos brasileiros. Assim, a autora de Quarto de despejo, praticamente esquecida, voltou ao protagonismo a partir do reconhecimento acadêmico.

Nessa perspectiva, também ficou sob os holofotes acadêmicos a escritora maranhense Maria Firmina dos Reis. Essa autora também esteve por anos esquecida, sendo redescoberta na década de 1960. No mais, os estudos acerca da literatura negra permitiram também ressignificar algumas obras de autores como Lima Barreto.

Na atualidade, a literatura negra brasileira está em evidência e conta com autoras famosas, como Conceição Evaristo. Além disso, o interesse em torno dessa categoria de literatura permite destacar a negritude de escritores famosos, como Machado de Assis (1839-1908) e Cruz e Sousa (1861-1898), apesar de as obras desses autores não estarem centradas em questões étnicas.

Importância da literatura negra

A literatura negra de um país engloba obras e autores responsáveis por dar voz a uma minoria política que, historicamente, foi relegada à invisibilidade. Como já mencionamos, é uma literatura de viés ideológico ou político. Nessa perspectiva, cumpre também um papel histórico. Afinal, revela a existência e o valor de obras que expressam a vivência e o pensamento de pessoas negras.

Para a leitora e o leitor negros, o contato com essa literatura permite que eles se vejam devidamente representados em obras literárias, e não mais como ocorria no passado, em que eram retratados, equivocadamente, por pessoas brancas.

Leia também: Paulina Chiziane — primeira mulher africana a ganhar o Prêmio Camões

Exercícios sobre literatura negra

Questão 01 (Enem)

Quebranto

às vezes sou o policial que me suspeito
me peço documentos
e mesmo de posse deles
me prendo e me dou porrada

às vezes sou o porteiro
não me deixando entrar em mim mesmo
a não ser
pela porta de serviço
[...]

às vezes faço questão de não me ver
e entupido com a visão deles
sinto-me a miséria concebida como um eterno
começo

fecho-me o cerco
sendo o gesto que me nego
a pinga que me bebo e me embebedo
o dedo que me aponto
e denuncio
o ponto em que me entrego.

às vezes!...

CUTI. Negroesia. Belo Horizonte: Mazza, 2007 (fragmento).

Na literatura de temática negra produzida no Brasil, é recorrente a presença de elementos que traduzem experiências históricas de preconceito e violência. No poema, essa vivência revela que o eu lírico:

A) incorpora seletivamente o discurso do seu opressor.

B) submete-se à discriminação como meio de fortalecimento.

C) engaja-se na denúncia do passado de opressão e injustiças.

D) sofre uma perda de identidade e de noção de pertencimento.

E) acredita esporadicamente na utopia de uma sociedade igualitária.

Resolução:

Alternativa A.

Ao usar a primeira pessoa, o eu lírico incorpora o discurso do opressor ao dizer, por exemplo, “às vezes sou o policial que me suspeito” ou “me peço documentos” etc. Além disso, o eu lírico tem consciência disso, pois afirma que está “entupido com a visão deles”.

Questão 02 (Enem)

TEXTO I

Os séculos de escravidão são um aspecto triste da história brasileira. Tabu e vergonha, quando se pensa nas dores e humilhações desumanas por que passaram homens e mulheres negros trazidos da África; mas também — por que não? — orgulho, quando se evocam as lutas e estratégias de resistência e sobrevivência dos escravos, ex-escravos e descendentes. Histórias transmitidas de geração em geração, como narrativas que dão sentido e identidade.

Povos remanescentes de quilombolas são grupos unidos por esse passado comum, que têm território como base da reprodução física, social, econômica e cultural de sua coletividade. São reconhecidos na Constituição de 1988 como detentores de direitos territoriais coletivos e fazem parte do conjunto dos povos e comunidades tradicionais.

LOSCHI, M. Território e tradição. Retratos: a revista do IBGE, n. 2, ago. 2017 (adaptado).

TEXTO II

exiba ao pai
nossos corações

feridos de angústia
nossas costas chicoteadas
ontem
no pelourinho da escravidão
hoje
no pelourinho da discriminação
sabes que em cada coração de negro
há um quilombo pulsando
em cada barraco
outro palmares crepita
os fogos de Xangô iluminando
nossa luta atual e passada

NASCIMENTO, A. Axés do sangue e da esperança. Retratos: a revista do IBGE, n. 2, ago. 2017.

Na comparação entre os textos I e II, percebe-se que ambos apresentam, em relação à história dos africanos escravizados, um(a)

A) saudosismo do local de origem.

B) culpabilização do homem europeu.

C) valorização da memória dos antepassados.

D) apelo à religiosidade das pessoas mais velhas.

E) reconhecimento dos direitos desses sujeitos.

Resolução:

Alternativa C.

Ao mencionar a escravidão ocorrida no passado e vivenciada pelos antepassados das pessoas negras, há uma valorização da memória dessa gente, tanto no poema de Abdias do Nascimento quanto no texto de M. Loschi.

Créditos da imagem

[1] Salty View / Shutterstock

Fontes:

DUARTE, Eduardo de Assis. Literatura afro-brasileira: um conceito em construção. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, Brasília, n. 31, p. 11-23, jan./ jun. 2008.

PROENÇA FILHO, Domício. A trajetória do negro na literatura brasileira. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 50, abr. 2004.

ZIN, Rafael Balseiro. Maria Firmina dos Reis: a trajetória intelectual de uma escritora afrodescendente no Brasil oitocentista. 2016. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Faculdade de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2016. 

Publicado por Warley Souza

Artigos Relacionados

Carolina Maria de Jesus
Saiba mais sobre Carolina Maria de Jesus, importante escritora negra brasileira. Veja detalhes de sua obra, traduzida para diversos idiomas e publicada em 43 países.
Conceição Evaristo
Saiba quem é Conceição Evaristo. Veja quais são suas obras publicadas. Leia alguns de seus poemas mais conhecidos.
Cruz e Sousa
Conheça quem é Cruz e Sousa, grande nome da poesia simbolista brasileira. Veja quais são as características de suas obras e leia poesias do autor.
Gonçalves Dias
Saiba quem foi Gonçalves Dias e de quais livros ele é autor. Entenda as características de suas obras e como elas influenciaram o romantismo brasileiro.
Literatura africana
Conheça as principais características da literatura africana em língua portuguesa, seus principais autores e obras, e saiba o que é literatura afro-brasileira.
Machado de Assis
Saiba como Machado de Assis saiu de uma origem simples, tornando-se um grande autor, precursor do Realismo e criador da Academia Brasileira de Letras.
Maria Firmina dos Reis
Conheça a vida e a obra de Maria Firmina dos Reis, considerada a primeira autora, negra e mulher, de um romance abolicionista no Brasil.
O que é Literatura?
Neste artigo, refletimos sobre a Literatura, arte da palavra que permite a interação verbal e o registro das transformações culturais e históricas.
Paulina Chiziane
Saiba quem é a escritora Paulina Chiziane, veja quais são as principais características de suas obras e conheça seu livro “Niketche: uma história de poligamia”.
Ruth Guimarães
Clique aqui, conheça a escritora paulista Ruth Guimarães e saiba quais são as principais características de suas obras.
video icon
Escrito"A representação indígena na literatura brasileira" próximo à imagem de um índigena com cocar virado de costas.
Português
A representação indígena na literatura brasileira
A figura do indígena sempre esteve presente na literatura brasileira. Mas de que forma essa cultura foi representada? Quais são as implicações dessas imagens na construção do imaginário e da identidade cultural do povo brasileiro?