Whatsapp icon Whatsapp

Adrenalina

A adrenalina, também conhecida como epinefrina, é um hormônio produzido pela medula adrenal e que age no organismo em situações de estresse.
Adrenalina é um hormônio produzido na glândula adrenal.
Adrenalina é um hormônio produzido na glândula adrenal.

A adrenalina, ou epinefrina, é um hormônio produzido e liberado pela medula da glândula adrenal quando o sistema nervoso simpático é estimulado. A adrenalina participa de diferentes ações no organismo, garantindo, por exemplo, o aumento da glicose plasmática em momentos de estresse.

Sua secreção ocorre rapidamente, e uma ação completa pode ser observada em poucos minutos. A adrenalina apresenta grande aplicação na medicina, sendo usada, por exemplo, em casos de reanimação cardíaca, anafilaxia e asma brônquica.

Leia também: Quais são os órgãos do corpo humano?

Resumo sobre a adrenalina

  • A adrenalina, também conhecida como epinefrina, é um hormônio sintetizado pela medula adrenal.

  • Promove, dentre outras ações, aumento do ritmo cardíaco, degradação do glicogênio e degradação da gordura.

  • É liberada em situações de estresse.

  • Tem aplicação na medicina, sendo usada em casos de parada cardíaca, anafilaxia e asma brônquica.

O que é adrenalina?

A adrenalina é um hormônio produzido pela medula das adrenais. Também conhecida como epinefrina, a adrenalina é um hormônio derivado do aminoácido tirosina e é liberado quando o sistema nervoso simpático é estimulado. Por ser liberado em situações de estresse, é considerado um hormônio de “luta ou fuga”.

Esse hormônio se destaca por produzir efeitos diferentes, a depender da célula-alvo afetada. Em algumas delas, observa-se o mesmo receptor para o hormônio, entretanto, as células apresentam diferentes rotas de transdução de sinal ou proteínas efetoras. Já em outras, os receptores para o hormônio são diferentes e geram respostas distintas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

  • Glândulas adrenais

As glândulas adrenais são estruturas localizadas nos polos superiores dos rins, sendo também conhecidas como suprarrenais. As adrenais pesam cerca de quatro gramas e apresentam duas partes distintas: medula adrenal e córtex adrenal.

A medula das adrenais é responsável pela secreção dos hormônios adrenalina e noradrenalina, também conhecidos, respectivamente, como epinefrina e norepinefrina. O córtex das adrenais também é responsável pela produção de hormônios chamados coletivamente de corticosteroides.

Leia também: Glândula pineal — a responsável pela produção da melatonina

Ação da adrenalina

A adrenalina atua em diferentes tecidos-alvo, tais como coração, músculo esquelético, tecido adiposo e células hepáticas.

No coração, a adrenalina está relacionada ao aumento do ritmo cardíaco e da força da contração. No músculo esquelético, a adrenalina se relaciona com a degradação do glicogênio. No tecido adiposo, a adrenalina promove a degradação de gordura.

Outras ações da adrenalina incluem constrição de alguns vasos sanguíneos e aumento das atividades metabólicas. Vale destacar também que a adrenalina atua no metabolismo do glicogênio hepático, entretanto, esse controle é secundário em relação à ação do glucagon.

Mulher escalando montanha
A adrenalina é liberada em situações de estresse ou excitação.

A adrenalina é liberada pela glândula adrenal em situações de estresse ou excitação. Ela segue pela corrente sanguínea e se liga a receptores presentes em diferentes tipos celulares. Como dito anteriormente, várias ações diferentes ocorrem a depender do tecido-alvo, entretanto, em situações de estresse ou excitação, a adrenalina, de maneira geral, atua para promover uma ação rápida do organismo em relação ao estímulo ao qual foi exposto.

Promovendo a degradação do glicogênio no músculo esquelético em uma situação de estresse, por exemplo, a adrenalina aumenta a quantidade de glicose disponível, a qual é usada como combustível para acelerar a atividade dos músculos. O mesmo ocorre nas células adiposas, com a degradação de triacilgliceróis a ácidos graxos, que também são uma forma de combustível para a célula. A adrenalina ainda aumenta o fluxo sanguíneo para os principais músculos esqueléticos e reduz o fluxo sanguíneo para o sistema digestório.

A velocidade com que a adrenalina atua em nosso corpo em situações de estresse é impressionante. Para ter ideia dessa velocidade, basta pensar como, diante de uma situação de perigo ou de forte emoção, nosso coração acelera rapidamente seus batimentos em poucos segundos. Essa velocidade é importante para garantir uma resposta rápida e efetiva do organismo.

Adrenalina como medicamento

Devido aos seus diversos efeitos no organismo, a adrenalina é utilizada em diferentes situações como medicamento. Ela é utilizada, por exemplo, no tratamento da anafilaxia, uma reação grave desencadeada por mecanismos de hipersensibilidade e que é potencialmente fatal, sendo necessárias ações imediatas quando ocorre. Outros usos importantes da adrenalina dizem respeito a casos de parada cardíaca e manejo de episódios severos de asma brônquica.

Publicado por Vanessa Sardinha dos Santos

Artigos Relacionados

Aminoácidos
Descubra o que são aminoácidos, suas estruturas e os 20 aminoácidos-padrão. Entenda também a diferença entre aminoácido essencial e não essencial.
Glicogênio
Nosso organismo armazena glicose na forma de glicogênio para suprir sua falta nos momentos em que a quantidade de glicose no sangue é reduzida.
Um exemplo de hormônio é a insulina, que garante a entrada de glicose nas células
Hormônios
Entenda o que são hormônios, substâncias produzidas pelas glândulas endócrinas que garantem a homeostase do corpo.
Glândulas endócrinas
Hormônios produzidos nas glândulas suprarrenais
Saiba mais sobre os hormônios produzidos pelas glândulas suprarrenais
A noradrenalina é um composto da família das catecolaminas, assim como a dopamina e a adrenalina.
Noradrenalina
Aprenda mais sobre a noradrenalina, o que ela é, onde ela é produzida, suas funções no organismo, seu uso na UTI e sua relação com o transtorno bipolar e depressão.
Ilustração do corpo humano rodeado das glândulas que compõem o sistema endócrino
Sistema endócrino
Quer aprender mais sobre o sistema endócrino? Clique aqui e entenda o que é esse sistema, as principais glândulas que o compõem e sua função.
video icon
Enem
Pré-Enem | Regra de três simples e composta
O Pré-Enem é o intensivo preparatório do Brasil Escola para o Enem. Nele nós separamos os principais temas que devem ser estudados a menos de três meses do exame. Nesta transmissão você assistirá à aula sobre Regra de três simples e composta com o professor Pedro Itallo!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Sigmund Freud
Filosofia
Sigmund Freud
Nessa videoaula você conhecerá mais sobre a vida e estudos do "pai" da psicanálise.
video icon
Thumb Brasil Escola
Literatura
Realismo fantástico
Trazemos uma análise sobre realismo fantástico. Assista já!
video icon
Thumb Brasil Escola
Química
Funções orgânicas
Tire um tempo para entender melhor o que são as amidas.