Whatsapp icon Whatsapp

Plano Collor

O Plano Collor foi um plano econômico, implementado no governo de Fernando Collor de Melo, como tentativa de conter a hiperinflação no Brasil, no início da década de 1990.
Presidente Fernando Collor, que implementou o Plano Collor.
O objetivo do Plano Collor era controlar a inflação no Brasil.[1]

O Plano Collor foi um conjunto de medidas do governo do presidente Fernando Collor que tinha como objetivos conter a inflação e estabilizar a economia. Era composto por dois principais planos: o Plano Collor I, de 1990, e o Plano Collor II, de 1991. No Plano Collor I, as medidas incluíam o controverso confisco de ativos financeiros e o congelamento de preços; enquanto o Plano Collor II trouxe uma reforma monetária e uma flexibilização do congelamento de preços.

As vantagens incluíram uma redução temporária da inflação, abertura econômica e desestatização; porém as desvantagens envolveram escassez de produtos, desemprego e perda de confiança. As consequências abrangeram uma temporária redução da inflação, crise econômica, instabilidade política, um legado de desconfiança no governo, e mudanças na política econômica do Brasil.

Leia também: História da inflação no cenário econômico brasileiro

Resumo sobre o Plano Collor

  • O Plano Collor consistiu em uma série de medidas econômicas implementadas no Brasil durante o governo do presidente Fernando Collor de Mello
  • Na década de 1990, o Brasil enfrentava hiperinflação, descontrole fiscal e alta dívida externa.
  • Plano Collor I, em 1990: envolveu congelamento de preços, abertura econômica e confisco de ativos financeiros.
  • Plano Collor II, em 1991: introduziu reforma monetária e flexibilização do congelamento de preços.
  • Plano Collor I: destaque para o confisco de ativos e congelamento de preços.
  • Plano Collor II: reforma monetária e controle fiscal.
  • O confisco das poupanças, parte do Collor I, causou indignação e afetou a vida financeira dos brasileiros.
  • Vantagens incluíram temporária redução da inflação, abertura econômica e desestatização. Desvantagens envolveram escassez de produtos, desemprego e perda de confiança.
  • Resultou em redução temporária da inflação, crise econômica, instabilidade política, legado de desconfiança e mudanças na política econômica do Brasil.

Contexto histórico do Plano Collor

Para entender o Plano Collor, é importante considerar o contexto econômico do Brasil na década de 1990. Naquele período, o país enfrentava uma crise econômica caracterizada por hiperinflação, descontrole das contas públicas e um alto nível de endividamento externo. As taxas de inflação eram altíssimas, o que minava a confiança dos investidores estrangeiros e prejudicava o poder de compra da população.

O Brasil vinha de um período de governos marcados por tentativas de controlar a inflação, como o Plano Cruzado, em 1986, e o Plano Bresser, em 1987. Essas tentativas, no entanto, não obtiveram sucesso em conter a inflação de forma sustentável. Nesse contexto, Fernando Collor de Mello, eleito presidente em 1989, assumiu o cargo em março de 1990 com a promessa de implementar um plano econômico que visava estabilizar a economia e controlar a inflação.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O que foi o Plano Collor?

O Plano Collor consistiu em dois pacotes de medidas econômicas: o Plano Collor I, em 1990, e o Plano Collor II, em 1991. Ambos os planos tinham o objetivo de controlar a inflação e promover a estabilidade econômica, mas suas abordagens eram diferentes.

→ Plano Collor I

O Plano Collor I, implementado em março de 1990, foi o primeiro pacote de medidas do governo Collor para combater a hiperinflação. Teve seu enfoque radical na redução da inflação e no controle de preços. As principais medidas incluíam:

  • Confisco de ativos financeiros: uma das medidas mais controversas e impactantes. O governo bloqueou o acesso a contas bancárias, poupanças e outros ativos financeiros, limitando os saques a um valor máximo equivalente a 50 mil cruzados novos (a moeda da época), o que equivaleria a aproximadamente R$ 4800 nos valores atuais. O excedente desses valores foi congelado e submetido a um processo de correção que visava desindexar a economia.
  • Congelamento de preços: afetou uma ampla gama de produtos e serviços, incluindo combustíveis, alimentos e serviços públicos. Esse congelamento tinha a intenção de reduzir a inflação, mas provocou escassez de produtos e serviços, gerando insatisfação entre os consumidores.
  • Abertura econômica: reduziu-se as barreiras comerciais e facilitou-se a entrada de produtos estrangeiros no mercado brasileiro. Isso tinha o objetivo de estimular a competição e aumentar a eficiência da economia.
  • Desestatização: privatizou-se empresas estatais em diversos setores, incluindo telecomunicações, energia e siderurgia.

→ Plano Collor II

O Plano Collor II foi lançado em janeiro de 1991 e representou uma continuação do esforço do governo para controlar a inflação. No entanto, esse plano teve uma abordagem mais moderada do que a do Collor I. Algumas das principais medidas do Collor II incluíam:

  • Reforma monetária: criou-se uma moeda, o cruzeiro, para substituir o cruzado novo, afetado pelo congelamento de preços do Collor I.
  • Controle das contas públicas: introduziu-se medidas para controlar o gasto público e equilibrar as contas do governo, incluindo a redução de subsídios e o aumento de impostos.
  • Flexibilização do congelamento de preços: flexibilizou-se o congelamento de preços, permitindo reajustes em alguns setores da economia.
  • Reabertura das contas bancárias: reabertura gradual, liberando os valores retidos de forma parcelada.

Veja também: Neoliberalismo — doutrina econômica que influenciou na implantação do Plano Real no Brasil

Plano Marcílio

O cenário político e econômico do Brasil no início da década de 1990 foi marcado por uma série de eventos significativos, entre eles a substituição da então ministra da Fazenda, Zélia, por Marcílio Marques Moreira em maio de 1991. Moreira, economista formado pela Georgetown University e embaixador do Brasil nos Estados Unidos, trouxe uma abordagem mais gradual com seu Plano Marcílio, buscando conter a hiperinflação.

Plano Marcílio, diferenciando-se de seus antecessores, implementou medidas como altas taxas de juros e uma política fiscal restritiva. Simultaneamente, a liberalização de preços foi introduzida, acompanhada por um empréstimo substancial de US$ 2 bilhões do Fundo Monetário Internacional, destinado a garantir as reservas internas do país. No entanto, os resultados do Plano Marcílio mostraram-se desafiadores, com as taxas de inflação permanecendo nos níveis característicos da hiperinflação.

A transição do Ministério da Fazenda para Gustavo Krause, em outubro de 1992, marcou um ponto de virada, enquanto o presidente Fernando Collor de Mello deixava o governo após ser submetido a um processo de impeachment, em setembro do mesmo ano. As acusações de corrupção e tráfico de influência levaram ao fim das tentativas de Collor de erradicar a hiperinflação.

Assim, o período que culminou na saída de Zélia, a implementação do Plano Marcílio e a subsequente transição política foram cruciais para a história econômica e política do Brasil, delineando um capítulo marcante na busca pelo controle da hiperinflação e estabilidade financeira.

Confisco das poupanças no Plano Collor

O confisco das poupanças, uma das medidas mais polêmicas do Plano Collor I, teve um impacto significativo na vida dos brasileiros. O governo Collor justificou essa medida como uma forma de combater a inflação e desindexar a economia, buscando congelar os preços e controlar a alta inflacionária.

No entanto, o confisco das poupanças causou indignação e protestos em todo o país. Muitas pessoas perderam parte significativa de suas economias, e a medida afetou especialmente os mais pobres, que dependiam desses recursos para sua subsistência.

É importante ressaltar que, na época, a poupança rendia altas porcentagens mensalmente, ao contrário dos rendimentos nos dias de hoje. Por isso, era muito comum que muitas pessoas, inclusive as mais pobres, deixassem valores, mesmo que pequenos, na poupança para que eles rendessem e não se perdesse o poder de compra diante da inflação crescente ao longo do mês.

O confisco também gerou desconfiança no sistema financeiro e no governo, prejudicando a credibilidade das instituições públicas.

Vantagens e desvantagens do Plano Collor

O Plano Collor trouxe tanto vantagens quanto desvantagens para a economia brasileira e para a população em geral. Dentre elas, pode-se citar:

→ Vantagens do Plano Collor

  • Redução da inflação: uma das principais vantagens foi a redução da inflação em curto prazo. O congelamento de preços e a desindexação da economia ajudaram a controlar a espiral inflacionária, trazendo um alívio temporário para a economia.
  • Abertura econômica: estimulou a entrada de produtos estrangeiros no mercado brasileiro, o que contribuiu para aumentar a concorrência e a eficiência nos setores afetados. Isso poderia, em teoria, levar a uma melhoria na qualidade dos produtos e serviços oferecidos aos consumidores.
  • Desestatização: a privatização de empresas estatais, iniciada durante o governo Collor, visava reduzir o tamanho do Estado na economia, sobretudo o suporte financeiro com relação aos prejuízos das estatais, e transferir a gestão de setores estratégicos para a iniciativa privada.

→ Desvantagens do Plano Collor

  • Confisco das poupanças: foi uma das medidas mais impopulares e prejudiciais. Muitos brasileiros viram suas economias serem bloqueadas e, em muitos casos, não tiveram mais acesso a seus recursos.
  • Escassez de produtos: o congelamento de preços no Collor I levou à escassez de produtos, uma vez que os produtores enfrentaram dificuldades em manter a produção e fornecer produtos a preços congelados. Isso resultou em filas e desabastecimento em muitos setores.
  • Desemprego: as medidas de desindexação da economia e a abertura econômica também levaram ao fechamento de empresas e à demissão de trabalhadores, contribuindo para o aumento do desemprego em um momento já difícil para a economia.
  • Perda de confiança no governo e no sistema financeiro: o confisco das poupanças abalou a confiança dos cidadãos no governo e no sistema financeiro. A população se sentiu traída, e a credibilidade do governo foi seriamente prejudicada.

Saiba mais: Governo de Fernando Henrique Cardoso — o autor do Plano Real

Quais foram as consequências do Plano Collor?

As consequências do Plano Collor foram variadas e moldaram a trajetória econômica e política do Brasil nos anos seguintes: o plano conseguiu reduzir a inflação de forma temporária, mas não resolveu o problema de forma duradoura. Nos anos seguintes, a inflação voltou a subir.

As medidas do plano, especialmente o confisco das poupanças e o congelamento de preços, causaram uma crise econômica que afetou profundamente a vida dos brasileiros. O desemprego aumentou, e a confiança na economia foi minada.

As consequências do Plano Collor também tiveram um impacto significativo na política brasileira. Os protestos contra o governo Collor se intensificaram, e o presidente acabou sofrendo um processo de impeachment em 1992, tornando-se o primeiro presidente eleito democraticamente a ser afastado do cargo no Brasil.

Manifestação contra o presidente Fernando Collor em texto sobre o Plano Collor.
As medidas do Plano Collor geraram uma grande insatisfação popular, que resultou no impeachment do presidente.[2]

O confisco das poupanças no Plano Collor deixou um legado de desconfiança no sistema financeiro e no governo que persiste até os dias atuais. Muitos brasileiros ainda guardam memórias amargas desse período. Após a saída de Collor, o Brasil adotou uma série de políticas econômicas e reformas destinadas a estabilizar a economia e controlar a inflação, culminando na implantação do Plano Real em 1994, que trouxe uma moeda estável e o fim da hiperinflação.

Exercícios resolvidos sobre o Plano Collor

1. Durante o governo do presidente Fernando Collor de Mello, no início da década de 1990, o Brasil enfrentava uma grave crise econômica, caracterizada pela hiperinflação, pelo descontrole das contas públicas e pela alta dívida externa. Para tentar estabilizar a economia e controlar a inflação, o governo implementou um plano econômico radical, conhecido como Plano Collor. Qual foi o ano de implementação do Plano Collor I?

A) 1985

B) 1990

C) 1995

D) 2000

E) 2005

Resposta: B)

O Plano Collor I foi implementado no Brasil em 1990, marcando o início do governo do presidente Fernando Collor de Mello. Esse plano introduziu medidas econômicas radicais, incluindo o confisco de ativos financeiros, com o objetivo de conter a hiperinflação.

2. Durante a implementação do Plano Collor I, uma das medidas mais controversas e impactantes foi o confisco de ativos financeiros, que afetou diretamente a vida financeira dos brasileiros. Qual das seguintes alternativas melhor descreve o que aconteceu durante o confisco das poupanças no Plano Collor?

A) O governo aumentou as taxas de juros nas contas de poupança.

B) Os cidadãos brasileiros tiveram seus ativos financeiros confiscados e bloqueados, com limitação de saques.

C) Houve um estímulo para que as pessoas investissem ainda mais em poupança.

D) A população teve total acesso às suas economias.

E) O governo lançou um programa de financiamento para a compra de automóveis.

Resposta: B)

Durante o confisco das poupanças no Plano Collor, os ativos financeiros dos brasileiros foram confiscados e bloqueados, com limitação severa dos saques, causando impacto significativo na vida financeira da população.

Créditos das imagens

[1] Wikimedia Commons

[2] Wikimedia Commons

Fontes

FAUSTO, Boris. História do Brasil. São Paulo: EDUSP, 2009

SCHWARTZ, Lilian. Brasil: uma biografia. São Paulo: Cia das Letras, 2016.

Publicado por Tiago Soares Campos

Artigos Relacionados

Fernando Henrique Cardoso
Clique para saber mais detalhes da vida de Fernando Henrique Cardoso, o primeiro presidente do Brasil a ser reeleito para um segundo mandato.
Governo Collor
Saiba de detalhes do Governo Collor, que durou três anos (1990 a 1992) e foi interrompido por um processo de impeachment.
Governo Itamar Franco
Clique no link e veja mais sobre o governo de Itamar Franco. Entenda o contexto, os objetivos e o sucesso do Plano Real.
Impeachment de Fernando Collor
Saiba como ocorreu o impeachment de Fernando Collor e quais circunstâncias levaram a tal acontecimento.
Inflação no Brasil
Clique aqui, entenda o que é inflação e saiba qual é o histórico da inflação no Brasil. Conheça também os principais índices de inflação no país.
Keynesianismo
Conheça o que é o keynesianismo e o que defende essa teoria econômica. Veja suas características e consequências.
Neoliberalismo
Clique aqui para entender o que é neoliberalismo, como surgiu, quais são as suas aplicações e quais as críticas possíveis sobre essa doutrina econômica.
Plano Real
Entenda o contexto em que o Plano Real foi implementado no Brasil, suas principais consequências e algumas das principais medidas efetuadas pelo plano.
Privatizações no Brasil
Compreenda os debates e principais fatos referentes às privatizações no Brasil!
video icon
Texto"Hibridismo Cultural" próximo a uma representação do que é Hibridismo Cultural.
Sociologia
Hibridismo Cultural
Hibridismo cultural é um fenômeno comum ao se pensar as culturas no mundo. Aprenda isso e muito mais nesta videoaula.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Pessoa com as pernas na água
Saúde e bem-estar
Leptospirose
Foco de enchentes pode causar a doença. Assista à videoaula e entenda!
video icon
fone de ouvido, bandeira do reino unido e caderno escrito "ingles"
Gramática
Inglês
Que tal conhecer os três verbos mais usados na língua inglesa?
video icon
três dedos levantados
Matemática
Regra de três
Com essa aula você revisará tudo sobre a regra de três simples.