Whatsapp icon Whatsapp

Lygia Bojunga

Lygia Bojunga é uma premiada autora brasileira. Ela é um dos principais nomes da literatura infantojuvenil em nosso país. Sua obra mais conhecida é A bolsa amarela.
Lygia Bojunga na capa de seu livro Intramuros.
Lygia Bojunga na foto de capa do livro Intramuros. [1]

Lygia Bojunga é uma famosa escritora brasileira. Ela nasceu em 26 de agosto de 1932, em Pelotas, no Rio Grande do Sul. Antes de se dedicar a escrever livros para o público infantojuvenil, ela também foi atriz, além de escrever para o rádio e para a televisão. Mais tarde, se tornou editora dos próprios livros.

As obras de Bojunga apresentam crítica social, monólogo interior e buscam mostrar, com muita criatividade, o universo infantil, principalmente o feminino. A premiada autora recebeu também o prêmio internacional Hans Christian Andersen. E seu livro mais famoso é A bolsa amarela.

Lei também: Lygia Fagundes Telles um dos maiores nomes da literatura nacional

Resumo sobre Lygia Bojunga

  • A escritora brasileira Lygia Bojunga nasceu no ano de 1932, no Rio Grande do Sul.

  • Além de autora de livros infantis, Lygia Bojunga trabalhou também como atriz e editora.

  • Seus livros apresentam fluxo de consciência e protagonismo feminino.

  • A autora recebeu, entre outras premiações, o prêmio internacional Hans Christien Andersen.

  • Sua obra mais famosa é o livro A bolsa amarela.

Biografia de Lygia Bojunga

A autora Lygia Bojunga nasceu na cidade de Pelotas, no Rio Grande do Sul, no dia 26 de agosto de 1932. Mas, com oito anos de idade, ela e a família se mudaram para o Rio de Janeiro. Mais tarde, com 19 anos, a escritora começou a trabalhar como atriz na companhia teatral Os Artistas Unidos.

Essa relação com o teatro fez a autora enveredar para o mundo da escrita e da tradução de peças teatrais. Assim, escreveu para o rádio e para a televisão. Porém, ela acabou tomando gosto pela escrita de livros infantojuvenis. Em 1972, publicou sua primeira obra desse gênero.

Assim, aos 40 anos de idade, descobriu o seu grande talento, que lhe daria vários prêmios e alegrias. Já em 1982, ela se mudou para Londres, já que seu marido era inglês. A partir daí, passou a viver na ponte aérea entre Rio de Janeiro e Londres. Além disso, usou seus dotes de atriz para encenar as próprias obras durante os anos 1990.

No ano de 2002, a famosa escritora fundou a editora Casa Lygia Bojunga. Passou, então, a ser responsável pela publicação dos próprios livros. E criou, também, a Fundação Cultural Casa Lygia Bojunga, em 2006, a qual apoia projetos relacionados ao livro e ao meio ambiente.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Quais as características das obras de Lygia Bojunga?

Como é costume em livros infantis, os personagens da autora não são apenas humanos, mas também animais ou coisas, como a bolsa amarela. A autora também utiliza o fluxo de consciência, de modo a adentrar no universo infantil. Com linguagem simples e bem-humorada, ela evidencia, principalmente, a realidade das meninas brasileiras.

Assim, de forma delicada e bastante criativa, ela mostra a realidade social do Brasil. No entanto, seus principais temas são a amizade e o amor. Além disso, a autora reflete sobre as questões de gênero, sobre as relações familiares de seus personagens e sobre o lugar deles na sociedade brasileira.

Veja também: Mulheres que se destacaram na literatura brasileira

Principais obras de Lygia Bojunga

  • Os colegas (1972)

  • Angélica (1975)

  • A bolsa amarela (1976)

  • A casa da madrinha (1978)

  • Corda bamba (1979)

  • O sofá estampado (1980)

  • Tchau (1984)

  • O meu amigo pintor (1987)

  • Nós três (1987)

  • Livro, um encontro (1988)

  • Fazendo Ana Paz (1991)

  • Paisagem (1992)

  • 6 vezes Lucas (1995)

  • O abraço (1995)

  • Feito à mão (1996)

  • A cama (1999)

  • O Rio e eu (1999)

  • Retratos de Carolina (2002)

  • Aula de inglês (2006)

  • Sapato de salto (2006)

  • Dos vinte 1 (2007)

  • Querida (2009)

  • Intramuros (2016)

Prêmios da carreira de Lygia Bojunga

  • Instituto Nacional do Livro (1971)

  • Jabuti (1973)

  • FNLIJ (1975, 1976, 1978, 1980, 1985)

  • APCA (1980)

  • Hans Christian Andersen (1982) — Dinamarca

  • Banco Noroeste de Literatura Infantil e Juvenil (1982)

  • O Flautista de Hamelin (1985) — Alemanha

  • Molière (1985)

  • Mambembe de Teatro (1986)

  • White Ravens (1993) — Alemanha

  • Orígenes Lessa (1996, 1999)

  • Adolfo Aizen (1997)

  • Júlia Lopes de Almeida (2000)

  • Astrid Lindgren Memorial (2004) — Suécia

A bolsa amarela: análise da obra de Lygia Bojunga

 Ilustração de uma bolsa amarela na capa do livro homônimo de Lygia Bojunga.
Capa do livro A bolsa amarela, de Lygia Bojunga, publicado pela editora Casa Lygia Bojunga. [2]

Raquel é a personagem principal do livro infantil A bolsa amarela. E a narrativa é estruturada em torno de três desejos que a menina quer satisfazer. Ela quer crescer, ser homem e escrever. Ela quer ser homem porque acredita que os meninos podem fazer coisas que as meninas não podem, como jogar futebol e soltar pipa, por exemplo.

É bom lembrar que a obra é de 1976. Nessa época, não existia, como hoje, times de futebol femininos. De qualquer forma, a narradora-personagem mostra uma característica conservadora da sociedade da época em relação aos papéis ocupados por homens e mulheres. Além disso, Raquel tem uma imaginação fértil e cria um amigo fictício.

Seu nome é André, ele é o destinatário de muitas cartas que ela escreve. Outra amiga fictícia é Lorelai, para quem a protagonista também escreve cartas. Para esses amigos, a menina conta coisas de sua vida. E quando tia Brunilda se cansa de uma bolsa amarela, Raquel decide se apossar dela. Dentro da bolsa, ela coloca seus três desejos ou vontades.

A bolsa é um elemento que interage com a imaginação de Raquel. Afinal, o galo Afonso chega a ficar preso dentro da bolsa quando o fecho dorme e acaba se fechando. Mas o galo é salvo por Raquel. Afonso usa uma máscara preta, ao estilo do Zorro, e tem um primo briguento chamado Terrível.

Além desses personagens, a obra conta também com uma guarda-chuva, do gênero feminino. Ao ser fabricada, a guarda-chuva escolheu ser mulher e foi atendida pelo seu fabricante. Por fim, depois de interagir com todos esses personagens, Raquel perde a vontade de crescer e de ser homem. A única vontade que permanece é a de ser escritora.

Saiba mais: Contos fantásticos — narrativas marcadas por elementos inexplicáveis e impossíveis

Frases de Lygia Bojunga

A seguir, vamos ler algumas frases de Lygia Bojunga, retiradas de uma entrevista concedida a Antonio Orlando Rodríguez1, em 1995:

  • “Cada livro é uma aventura nova, uma experiência diferente.”

  • “A criação é um ato que tem muito de inconsciente.”

  • “Todos os meus personagens são um pedaço de mim.”

  • “Passei muito tempo preocupada pelo difícil que é ser mulher em um mundo essencialmente machista.”

  • “Não posso viver sem escrever.”

Créditos das imagens

[1] Editora Casa Lygia Bojunga (reprodução)

[2] Editora Casa Lygia Bojunga (reprodução)

Nota

|1| Revista Latinoamericana de Literatura Infantil y Juvenil, n. 1, Bogotá, 1995.

Fontes

BOJUNGA, Lygia. A bolsa amarela. 22. ed. Rio de Janeiro: AGIR, 1993.

CASA Lygia Bojunga. Lygia Bojunga. Disponível em: http://www.casalygiabojunga.com.br.

MAGALHÃES, Rosânia Alves. Relações de gênero em Lygia Bojunga. Disponível em: https://abralic.org.br/anais/arquivos/2018_1547476298.pdf.

MOLINA, Diego. Teatro Duse: o primeiro teatro-laboratório do Brasil. Rio de Janeiro: Funarte, 2015.

OLIVEIRA, Bruna Marieli Vanelli de. Um encontro com a escrita: o caminho traçado por Raquel em A bolsa amarela. 2018. 49 f. TCC (Licenciatura em Letras) – Faculdade de Letras, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, 2018.

RECHOU, Blanca-Ana Roig. Da literatura para a infância à literatura de fronteira: Agustín Fernández Paz e Lygia Bojunga. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, v. 36, jul./ dez. 2010.

RODRÍGUEZ, Antonio Orlando. Lygia Bojunga Nunes, entrevista. Disponível em: https://www.cuatrogatos.org/detail-entrevistas.php?id=551.

SOUZA, Lizandra Lima de. A bolsa amarela, de Lygia Bojunga Nunes, sob a crítica feminista: propostas de letramento literário para o ensino fundamental II. 2019. 102 f. Dissertação (Mestrado em História e Letras) – Faculdade de Educação, Ciências e Letras, Universidade Estadual do Ceará, Quixadá, 2019.

Publicado por Warley Souza

Artigos Relacionados

Alguns destaques femininos na literatura brasileira
São inúmeras as obras literárias produzidas por mulheres no Brasil. Conheça alguns destaques femininos da literatura brasileira!
Helena Morley
Descubra quem foi a escritora Helena Morley. Entenda a importância de seu diário Minha vida de menina. Conheça as principais características dessa obra.
Linguagem literária
Saiba o que é a linguagem literária. Descubra quais são as suas características e veja quais são as diferenças entre linguagem literária e linguagem não literária.
Marina Colasanti
Leia a biografia de Marina Colasanti, uma das maiores escritoras brasileiras de contos, crônicas e romances infantojuvenis e adultos.
Monteiro Lobato
Saiba quem foi o escritor paulista Monteiro Lobato. Conheça as principais características de suas obras. Além disso, leia algumas frases desse autor.