Whatsapp icon Whatsapp

Nomenclatura dos cloretos de ácidos

A nomenclatura dos cloretos de ácidos, de acordo com a regra oficial da IUPAC, tem como base o nome do ácido carboxílico que deu origem a eles.
Estrutura em terceira dimensão do cloreto de butanoíla
Estrutura em terceira dimensão do cloreto de butanoíla

Um cloreto de ácido é um composto orgânico que apresenta como estrutura fundamental o grupo carbonila (C = O) ligado a um ânion cloreto (Cl-), como na representação proposta pela estrutura geral abaixo:

Fórmula estrutural geral de um cloreto de ácido
Fórmula estrutural geral de um cloreto de ácido

Um cloreto de ácido é originado por meio da reação química entre um ácido carboxílico e um haleto orgânico (com átomo de cloro), por exemplo. Nessa reação, ocorre a troca do grupo carboxila do ácido pelo cloreto presente no haleto, resultando, assim, no cloreto de ácido e em uma molécula de álcool, como representado abaixo:

Equação da formação de um cloreto de ácido
Equação da formação de um cloreto de ácido

Para realizar a nomenclatura dos cloretos de ácido, é necessário, antes de mais nada, conhecer a regra IUPAC proposta para esses compostos orgânicos:

Cloreto        +        de        +        prefixo        +        infixo        +        oíla

                          indicativo do           referente

                             número de            ao tipo de

                            carbonos                ligação 

                           na cadeia               entre os

                                                          carbonos

Acompanhe alguns exemplos de aplicação da regra de nomenclatura IUPAC dos cloretos de ácidos:

Exemplo 1: Cloreto de pentanoíla

A cadeia acima apresenta cinco átomos de carbono (prefixo pent) e apenas ligações simples (infixo an). Como se trata de um cloreto de ácido, vamos iniciar o nome com o termo cloreto de e finalizar com o sufixo oíla:

Cloreto de pentanoíla

Exemplo 2: Cloreto de 3 metil-hexanoíla

Como essa cadeia é ramificada, é necessário, inicialmente, localizar a cadeia principal, que deve começar no carbono ligado ao cloro e ter o maior número de carbonos. De acordo com esses critérios, a cadeia principal é aquela que vai da direita (C = O) para a ponta esquerda (H3C). Numerando a cadeia da direita para a esquerda, temos a presença de um radical metil (CH3) no carbono 3, o que torna necessária a indicação 3-metil no nome do composto.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A cadeia principal apresenta seis átomos de carbono (prefixo hex) e apenas ligações simples (infixo an). Iniciamos o nome com o termo cloreto de, seguido das posições e nomes dos radicais, prefixo, infixo e, por fim, sufixo oíla.

Cloreto de 3 metil-hexanoíla

Exemplo 3: Cloreto de propenoíla

A cadeia acima apresenta três átomos de carbono (prefixo prop) e uma ligação dupla (infixo en). Iniciamos o nome com o termo cloreto de e finalizamos com o sufixo oíla.

Cloreto de propenoíla

OBS.: Não é necessária a indicação da posição da ligação dupla, pois o único local possível para a posição dessa ligação é entre os carbonos dois e três, haja vista que, no carbono um, esse elemento realizaria cinco ligações, o que é impossível.

Exemplo 4: Cloreto de 2,2 dimetil-butanoíla

Como essa cadeia é ramificada, é necessário localizar a cadeia principal, que deve começar no carbono ligado ao cloro e ter o maior número de carbonos. De acordo com esses critérios, a cadeia principal é aquela que vai da direita (C = O) para a ponta esquerda (H3C). Numerando a cadeia da direita para a esquerda, temos dois radicais metil (CH3) no carbono 2, o que torna necessária a indicação 2,2-dimetil no nome do composto.

A cadeia principal apresenta quatro átomos de carbono (prefixo but) e apenas ligações simples (infixo an). Iniciamos o nome com o termo cloreto de, seguido das posições e nomes dos radicais, prefixo, infixo e, por fim, o sufixo oíla.

Cloreto de 2,2 dimetil-butanoíla

Caso conheçamos o nome do ácido que deu origem ao cloreto, basta substituir o termo ico por ila e acrescentar o termo inicial (cloreto de) antes do nome do ácido.

Cloreto de + nome do ácido sem o ico + ila

Exemplo 1: Cloreto de metanoíla

O ácido metanoico deu origem ao cloreto de ácido em questão. Para nomear o cloreto de ácido, basta substituir o termo ico por ila:

Cloreto de metanoíla

Exemplo 2: Cloreto de etanoíla

O ácido etanoico deu origem ao cloreto de ácido em questão. Para nomear o cloreto de ácido, basta substituir o termo ico por ila:

Cloreto de etanoíla

Publicado por Diogo Lopes Dias

Artigos Relacionados

Classificação e Nomenclatura dos Haletos Orgânicos
Entenda como são classificados os haletos orgânicos e aprenda a realizar a nomenclatura oficial e usual desses compostos.
Cloretos de ácidos carboxílicos
Conheça os derivados de ácidos carboxílicos denominados cloretos de ácido ou cloretos de acila.
Haletos orgânicos
Saiba mais sobre as reações que dão origem aos haletos orgânicos, quais são as regras de nomenclatura para esses compostos e suas aplicações comerciais.
Nomenclatura dos ácidos carboxílicos
Aprenda a realizar a nomenclatura dos ácidos carboxílicos normais, ramificados, saturados, insaturados e com mais de um grupo funcional.
Ácidos carboxílicos
Clique aqui e saiba o que são os ácidos carboxílicos. Conheça suas principais características e classificações.
video icon
Professora ao lado do texto"Verbos irregulares".
Português
Verbos irregulares
Sabendo que o estudo de verbos não é uma tarefa fácil, nesta videoaula esclareceremos as formas de flexão dos verbos irregulares, ou seja, aqueles que, ao serem conjugados, apresentam alteração em seu radical ou em sua terminação. Não deixe de assistir!