Derivação imprópria

Derivação imprópria é um tipo particular de derivação, caracterizado pela mudança de classe gramatical de uma palavra, sem que aconteça a alteração em sua forma primitiva. 

Desse modo, quando a palavra “porém”, originalmente uma conjunção, é utilizada como substantivo, ocorre um caso de derivação imprópria, como nesta frase, em que o substantivo “porém” é usado como sinônimo de “obstáculo”: “Não fique tão animado, pois, na vida, há sempre um porém”.

Leia também: Composição – processo de formação de palavras que consiste na união de radicais

Definição de derivação imprópria

O processo de derivação imprópria permite mais de uma função ou sentido para uma mesma palavra.
O processo de derivação imprópria permite mais de uma função ou sentido para uma mesma palavra.

O conceito de “derivação” está relacionado à “formação de palavras”. Assim, uma palavra derivada tem origem em outra palavra, chamada de “primitiva”. Nesse processo de derivação, a palavra primitiva pode receber um prefixo (infeliz) ou um sufixo (maldade), mas também pode receber um prefixo e um sufixo ao mesmo tempo (ajoelhar), ou mesmo perder um afixo (ajuda, do verbo “ajudar”), de forma a originar uma nova palavra.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A derivação imprópria é um tipo particular de derivação, já que é caracterizada não pelo acréscimo ou supressão de afixos, mas pela mudança de classe gramatical de uma palavra, sem que ocorra alteração em sua forma primitiva. Portanto, só é possível perceber esse fenômeno a partir do contexto no qual determinado vocábulo é utilizado.

Exemplos de derivação imprópria

EXEMPLO 1

Palavra primitiva

Classe gramatical

Contextualização

NÃO

Advérbio

Ela não pode comparecer ao evento.

Palavra derivada

Classe gramatical

Contextualização

NÃO

Substantivo

O não é bastante educativo.

EXEMPLO 2

Palavra primitiva

Classe gramatical

Contextualização

BOM

Adjetivo

Artur é um bom menino.

Palavra derivada

Classe gramatical

Contextualização

BOM

Substantivo

O bom de tudo isso é que posso descansar.

EXEMPLO 3

Palavra primitiva

Classe gramatical

Contextualização

PODER

Verbo

Ele não vai poder fazer isso.

Palavra derivada

Classe gramatical

Contextualização

PODER

Substantivo

O poder sobe à cabeça dos fracos.

EXEMPLO 4

Palavra primitiva

Classe gramatical

Contextualização

BAIXO

Adjetivo

Era um homem baixo e magro.

Palavra derivada

Classe gramatical

Contextualização

BAIXO

Advérbio

Fala baixo para não acordar a criança.

EXEMPLO 5

Palavra primitiva

Classe gramatical

Contextualização

VIVA

Verbo

Espero que você viva muito tempo.

Palavra derivada

Classe gramatical

Contextualização

VIVA

Interjeição

Viva! Ele voltou.

EXEMPLO 6

Palavra primitiva

Classe gramatical

Contextualização

MONSTRO

Substantivo

Havia um monstro no armário.

Palavra derivada

Classe gramatical

Contextualização

MONSTRO

Adjetivo

Hoje enfrentei um engarrafamento monstro!

Leia também: Quais são os tipos de desinências?

Exercícios resolvidos

Questão 1 – Analise os termos destacados, nos enunciados a seguir, e marque a alternativa em que se verifica uma derivação imprópria.

A) Todos sabíamos que não tinha mais como desfazer aquele enorme mal-entendido.

B) A festa aconteceu no terraço do luxuoso apartamento da mulher mais rica do país.

C) Era um homem que já foi vítima da deslealdade, e, por isso, sempre recorria a ela.

D) O prefeito não pôde justificar a compra de um carro caríssimo com dinheiro público.

E) Minha professora disse que os franceses valorizam bastante a própria cultura.

Resolução

Alternativa E. Os termos destacados são, respectivamente, resultado de derivação prefixal (desfazer), sufixal (terraço), prefixal e sufixal (deslealdade), regressiva (compra, do verbo “comprar”) e imprópria (franceses). Portanto, o adjetivo “franceses” se transforma em substantivo, caracterizando, assim, a derivação imprópria.

Questão 2 – (Unimontes)

Ponto de vista

(Luis Fernando Verissimo)

Avolumam-se, com suspeito sincronismo, as denúncias na imprensa sobre a prática do nepotismo entre os políticos brasileiros. Como um dos atingidos pela nefasta campanha, que visa a denegrir a imagem do servidor público no Brasil, a mando de interesses inconfessáveis, me senti no dever de responder publicamente às insidiosas insinuações, na certeza de que assim fazendo estarei defendendo não apenas minha honra — apanágio maior de uma vida toda ela dedicada à causa pública e à tradição familiar que assimilei ainda no colo do meu saudoso pai, quando ele era prefeito nomeado da nossa querida Queijadinha do Norte e eu era o seu secretário particular, depois da escola — mas também a honra de toda uma classe tão injustamente vilipendiada, a não ser quando pertence a outro partido, porque aí é merecido. A imprensa brasileira, em vez de cumprir seu legítimo papel numa sociedade democrática, que é o de dar a previsão do tempo e o resultado da Loteria, insiste em perscrutar as ações dos políticos, como se estes fossem criminosos comuns, não qualificados, e em difamá-los com mentiras. Ou, em casos de extrema irresponsabilidade e crueldade, com verdades. Outro dia, depois de ler uma reportagem em que um órgão da nossa grande imprensa me fazia acusações especialmente levianas, virei-me para meu chefe de gabinete e comentei: “Querida, por que eles fazem isto comigo?”. Mas ela apenas resmungou alguma coisa, virou-se para o outro lado e continuou a dormir, obviamente perplexa. As hienas da imprensa não medem as consequências das suas infâmias. Tive que proibir aos meus filhos a leitura de jornais, para poupá-los. Como a função dos quatro no meu gabinete é unicamente a de ler jornais e eventualmente recortar algum cupom de desconto, o resultado é que passam o dia inteiro sem ter o que fazer e incomodando a avó, que serve o cafezinho. Não me surpreenderei se algum jornal publicar este fato como exemplo de ociosidade nos gabinetes governamentais à custa do contribuinte. O cinismo dessa gente é ilimitado.

Mas enganam-se as hienas se pensam que me intimidaram. Não viro a cara para meus acusadores, embora eles só mereçam desprezo, mas os enfrento com um olhar límpido como minha consciência e um leve sorriso no canto da boca. Minha vida como parlamentar é um livro ponto aberto, imaculadamente branco. Como ministro, não tenho o que esconder. E, mesmo que tivesse, não haveria mais lugar nos bolsos. As acusações de nepotismo são tão fáceis de responder que até meu secretário de imprensa, o Gedeão, casado com a mana Das Mercês, e que é um bobalhão, poderia se encarregar disto. Mas eu mesmo o farei.

Não, não vou recorrer a subterfúgios e alegar que o nepotismo é antigo como o mundo, existe desde os tempos bíblicos e está mesmo nas origens do cristianismo. Quando Deus Todo-Poderoso, que era Deus Todo-Poderoso, quis mandar um salvador para a Terra, quem foi que escolheu? Um filho! Nem vou responder à infâmia com a razão, denunciando a hipocrisia. Vivemos numa sociedade que dá o mais alto valor à lealdade e aos sentimentos de família. Enaltecemos o bom filho, o bom pai, o bom marido — e o bom cunhado, como acaba de me lembrar o Gedeão, aqui do lado —, e, no entanto, esperamos que o político, abjetamente, deixe de dar um emprego para alguém do seu sangue e dê para o parente de outro, às vezes um completo estranho, cuja única credencial é ser competente ou ter passado num concurso. Também não vou usar o argumento do pragmatismo, perguntando o que é melhor para a nação, o governante ser obrigado a roubar para sustentar um bando de desocupados como a família da minha mulher ou transferir os encargos para os cofres públicos, com suas verbas dotadas, e regularizar a situação? Neste caso, o nepotismo é profundamente moralizante. Com a vantagem de estarmos proporcionando a um vagabundo treinamento no emprego. Meu menino mais velho, por exemplo, poderia ocupar a cadeira de ministro de Estado a qualquer instante, pois, como meu assessor, aprendeu tudo sobre o cargo, menos a combinação do cofre, que eu não sou louco.

Mas não vou dar aos meus difamadores a satisfação de reconhecer a pseudoirregularidade. No meu caso, ela simplesmente não existe. “Nepotismo” vem do italiano “nepote”, sobrinho, e se refere às vantagens usufruídas pelos sobrinhos do papa na Corte Papal, em Roma. Bastava ser sobrinho do papa para ter abertas todas as portas do poder, sem falar de bares e bordéis.

“Sobrinho” não era um grau de parentesco, era uma profissão e uma bênção. A corte eclesiástica era dominada pelos “nepotes”, e, neste caso, a corrupção era evidente. Qual o paralelo possível com o que acontece no Brasil hoje em dia? Só na fantasia de editores ressentidos, articulistas mal-intencionados e repórteres maldizentes as duas situações são comparáveis. Desafio qualquer órgão de imprensa a vasculhar meus escritórios, meus papéis, minha casa, meu staff, minha vida e encontrar um — um único! — sobrinho do papa entre meus colaboradores. Não há sequer um sobrenome polonês!

Exijo retratação.

O boné e outras crônicas, Editora Ática.

Com base nas informações do próprio texto, pode-se afirmar que a palavra “Nepotismo” foi formada pelo processo de derivação:

A) prefixal.

B) sufixal.

C) imprópria.

D) parassintética.

Resolução

Alternativa B. De acordo com o irônico texto de Luis Fernando Verissimo, a palavra “nepotismo” “vem do italiano ‘nepote’, sobrinho, e se refere às vantagens usufruídas pelos sobrinhos do papa na Corte Papal, em Roma”. Segundo a argumentação do personagem da crônica, o sentido original da palavra não é o favorecimento de amigos e parentes no serviço público, mas apenas de sobrinhos do papa. Dessa forma, temos a falsa sensação de que o vocábulo é resultado da derivação imprópria, já que o seu sentido original foi alterado. No entanto, não ocorreu mudança na classe gramatical. Portanto, o correto é entender que houve uma derivação sufixal, pois o vocábulo “nepote” recebeu o acréscimo do sufixo “-ismo”, de maneira a formar a palavra “nepotismo”.

Publicado por: Warley Souza
Assuntos relacionados
As composições por justaposição e por aglutinação são processos de composição de novas palavras
Composição
Aprenda as composições por justaposição e aglutinação e amplie seus conhecimentos sobre os processos de formação das palavras.
A derivação é realizada pela união de morfemas aos radicais das palavras primitivas
Derivação
Neste artigo você vai estudar sobre os processos de derivação para a formação de novas palavras na Língua Portuguesa.
Derivação parassintética
Saiba qual é a definição de derivação parassintética e veja alguns exemplos desse fenômeno linguístico. Resolva também exercícios para fixar o conteúdo.
Derivação regressiva
Saiba qual é a definição de derivação regressiva. Veja também alguns exemplos desse fenômeno linguístico e faça exercícios para fixar o conteúdo.
Os morfemas são classificados em desinência, raiz, radical, afixo, tema e vogal temática
Morfemas
Leia este artigo para saber mais sobre os morfemas, as menores unidades de significação que formam as palavras.
Processo de formação das palavras
Derivação? Sufixação? Como realmente isso se dá?
Um adulto quando está com um brinquedo começa a usar as palavras no diminutivo, uma forma carinhosa de interagir com um bebê através do uso do sufixo
Valor semântico dos sufixos
Você sabia que o sufixo pode ser usado com a intenção de desprestígio ou ironia? Confira!
A vogal temática tem a função de ligar o radical às desinências, formando o tema
Vogal temática
Leia este artigo sobre vogal temática e fique por dentro dos processos de estrutura e formação das palavras da Língua Portuguesa.