Revolução ou ditadura militar?

Com a discussão se houve uma Revolução ou ditadura militar, é possível encontrar elementos que justificam e criticam o regime que vigorou entre 1964 e 1985.

O período de vigência da ditadura civil-militar no Brasil, entre 1964 e 1985, levanta inúmeros debates, em face das controvérsias políticas, econômicas, sociais e filosóficas que existem quando se debate um dos períodos de maior repressão à população brasileira. Entre essas controvérsias está a denominação do regime: seria revolução ou ditadura militar o termo que melhor expressaria esse período da História do Brasil?

Para levantar alguns pontos sobre essa discussão, abaixo é exposta a forma em que a “Revolução de 1964” foi apresentada no Ato Institucional nº 1, AI-1, de 09 de abril de 1964. [1]

Segundo os militares que realizaram o golpe de Estado que depôs o presidente legalmente instituído João Goulart, em 31 de março de 1964, a ação foi uma “autêntica” revolução, vitoriosa, pois, como movimento armado, ela distinguia-se dos demais “pelo fato de que nela se traduz, não o interesse e a vontade de um grupo, mas o interesse e a vontade da Nação”.

Ainda segundo o AI-1, o “Poder constituinte […] se manifesta pela eleição popular ou pela revolução. Esta é a forma mais expressiva e mais radical do Poder Constituinte. Assim, a revolução vitoriosa, como Poder Constituinte, se legitima por si mesma.” Seria dessa forma que se garantiria a legitimidade para construir o novo governo, pois conteria a força normativa do novo período.

A justificativa era que os processos constitucionais da Carta de 1946 “não funcionaram para destituir o governo, que deliberadamente se dispunha a bolchevizar o País”. E que sendo o governo “destituído pela revolução, só a esta cabe ditar as normas e os processos de constituição do novo governo e atribuir-lhe os poderes ou os instrumentos jurídicos que lhe assegurem o exercício do Poder no exclusivo interesse do País.”

Com isso, o novo governo poderia instituir ordens jurídicas contrárias à Constituição de 1946 em alguns pontos. O objetivo era antes de tudo levar à frente a “obra de reconstrução econômica, financeira, política e moral do Brasil, de maneira a poder enfrentar, de modo direto e imediato, os graves e urgentes problemas de que depende a restauração da ordem interna e do prestígio internacional da nossa Pátria”. Os Atos Institucionais eram a forma encontrada pelos Comandantes-em-Chefe das Forças Armadas para institucionalizar a “Revolução de 1964”.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Entretanto, algumas questões são levantadas. Se a “revolução” traduzia o interesse e a vontade da nação, por que ela depôs um presidente que tinha apoio popular? Nesse sentido, é possível afirmar que o golpe militar de 1964 traduziu também a vontade de um grupo, pois, caso contrário, não seria necessário reprimir, depôr e prender a outra parte, ou o outro grupo, que também fazia parte da nação brasileira. Seria assim uma forma de apresentar um interesse particular de um grupo como sendo o interesse geral de uma nação.

Por outro lado, a “Revolução de 1964” suprimiu todas as garantias da democracia representativa, paulatinamente e também pela força, com o objetivo de evitar uma ditadura “comunista”, mesmo João Goulart não sendo um comunista. Nesse sentido, os que criticam o termo “Revolução de 1964” o fazem apontando que, para evitar uma suposta ditadura, que não se verificou, os militares e os civis que os apoiaram suprimiram direitos democráticos, o que significou instituir um regime ditatorial.

Mesmo que não tenha existido um indivíduo que personificasse o ditador, as instituições militares foram apontadas como cumprindo esse papel, indicando os ocupantes da cadeira da presidência, por exemplo. A supressão do Poder Legislativo federal em alguns momentos e a submissão do Poder Judiciário ao Poder Executivo, como ficou estabelecido no AI-2, foram ações características de regimes ditatoriais republicanos, que não aceitam uma real divisão de poderes.

Os elementos aqui indicados apontam a complexidade do debate e os interesses políticos por trás dos argumentos utilizados para defender cada um dos pontos de vista.

* Crédito da Imagem: Arquivo Público do Estado de São Paulo.

O debate revolução ou ditadura militar está relacionado com a ascensão ao poder dos militares, como Castello Branco, e a deposição de Jango *
O debate revolução ou ditadura militar está relacionado com a ascensão ao poder dos militares, como Castello Branco, e a deposição de Jango *
Publicado por: Tales dos Santos Pinto
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
Henry Kissinger foi um dos colaboradores da Operação Condor
Operação Condor
Saiba o que foi a Operação Condor e em que contexto da história da América Latina ela se desenvolveu.
A garantia e proteção dos direitos dos índios é assegurada, no Brasil, pela Funai, órgão indigenista oficial.
Fundação Nacional do Índio (Funai)
Conheça mais sobre a Funai, o órgão indigenista oficial do Brasil. Saiba como esse órgão foi criado, quais são suas funções e como atua na demarcação de terras.
A organização do Comício da Central do Brasil em que João Goulart reafirmou a execução das reformas de bases foi o estopim para o Golpe Militar
Estopim do Golpe Militar
Forças políticas contrárias e as Reformas de Base explicam o golpe militar brasileiro.
O governo Médici marcou dois diferentes auges: o do desenvolvimento econômico e da repressão
Governo Médici
O governo de Médici foi marcado por desenvolvimento e repressão.
O governo de Costa e Silva deu início ao processo de radicalização da ditadura militar
Governo Costa e Silva (1967 – 1969)
Saiba quais as ações fundamentais que marcaram o governo do segundo presidente do regime militar brasileiro – Costa e Silva.
A presença do apoio civil: um dos elementos centrais para a eficiência do golpe militar
Origem do Golpe Militar
Saiba quem foram os grupos políticos e os eventos que marcaram a deflagração do golpe militar no Brasil.
Presidente Humberto Castello Branco (em pé) em passeata militar realizada em 7 de setembro de 1964.*
Governo Castello Branco
Clique no link e tenha acesso a este texto a respeito do primeiro presidente militar do período da Ditadura Militar no Brasil. Veja como o marechal Humberto Castello Branco assumiu a presidência do país e quais foram os principais feitos realizados nesse governo.
O governo Figueiredo estabeleceu os primeiros passos para a transição democrática no Brasil.
Governo Figueiredo
João Baptista Figueiredo, Governo João Baptista Figueiredo, ditadura militar, transição democrática, atentado RioCentro, III Plano Nacional de Desenvolvimento, Emenda Dante de Oliveira, Diretas-Já
Por meio dos Atos Institucionais, o governo militar garantiu sua permanência no poder.
As bases do Estado Autoritário
Regime Militar, golpe Militar, Golpe de 1964, Governo Castelo Branco, Linha Dura, Frente Ampla, Atos Institucionais, AI-2, AI-3, AI-4, Constituição de 1967, Governo Costa e Silva, regime militar.
O Golpe de 1964: a crise política que tirou João Goulart da Presidência do Brasil.
Fatores do Golpe Militar
Fatores do Golpe Militar, Golpe de 1964, Governo João Goulart, parlamentarismo, reformas de base, Marcha da Família com Deus pela Liberdade, Jango, Golpe Militar, Ditadura Militar.
O governo Geisel foi responsável por controlar os primeiros sinais da crise do regime ditatorial.
Governo Geisel
Governo Geisel, Ditadura Militar, II Plano Nacional de Desenvolvimento, abertura política, a Lei Falcão, pacote de abril, João Batista Figueiredo, Vladmir Herzog, regime autoritário.
Ato Institucional nº 5
Clique e entenda o que foi o AI-5. Conheça o contexto do ano de 1968, as justificativas usadas pelos militares e o que decretava esse ato institucional.
Os senadores biônicos e o pacote de Abril
Os senadores biônicos foram parlamentares nomeados nos últimos anos da ditadura para garantir o controle dos militares no Congresso Nacional.
O Milagre econômico da ditadura
Conheça as características do “Milagre Econômico” do regime militar na década de 70.