Nomenclatura dos ésteres

A nomenclatura oficial dos ésteres utiliza como princípios básicos os prefixos do número de carbonos, os infixos sobre os tipos de ligações e os radicais orgânicos.

Para realizar a nomenclatura de um éster, além de conhecer a regra oficial, é fundamental que dominemos a sua fórmula estrutural, já que seu nome depende da organização dos átomos. Veja a seguir a fórmula geral de um éster:

Fórmula geral de um éster
Fórmula geral de um éster

O oxigênio que realiza uma ligação simples com o carbono está sempre ligado a um radical, e o carbono que faz a ligação dupla com o outro oxigênio pode estar ligado a um radical ou a um hidrogênio. Com isso, temos que um éster apresenta duas partes:

  • Parte 1 (seta vermelha): ligada ao carbono do grupo funcional (dupla com o oxigênio);

  • Parte 2 (seta azul): ligada diretamente ao oxigênio do grupo funcional.

Estrutura destacando as partes de um éster
Estrutura destacando as partes de um éster

Regra de nomenclatura oficial de um éster

Prefixo da parte 1    +    infixo (da parte 1) + oato + nome do radical da parte 2 + a
(referente ao                  (referente ao tipo
  número de                   de ligações entre
  carbonos)                       os carbonos)

Exemplos de aplicação da regra de nomenclatura de um éster

Exemplo 1:

Inicialmente é importante estabelecermos qual é a parte 1 e 2 do éster. Na imagem a seguir, temos setas indicando (a seta azul aponta para a parte 1, e a vermelha, parte 2):

  • Na parte 1:

→ Temos 2 carbonos = prefixo et

→ Somente ligações simples = infixo an

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
  • Na parte 2:

→ Temos o radical butil

Assim, o nome do éster é:

Etanoato de butila

Exemplo 2:

Inicialmente é importante estabelecermos qual é a parte 1 e 2 do éster. Na imagem a seguir, temos setas indicando (a seta azul aponta para a parte 1, e a vermelha, parte 2):

  • Na parte 1:

→ Temos 5 carbonos = prefixo pent

→ Somente ligações simples = infixo an

  • Na parte 2:

→ Temos o radical isobutil

Assim, o nome do éster é:

Pentanoato de isobutila

Exemplo 3:

Inicialmente é importante estabelecermos qual é a parte 1 e 2 do éster. Na imagem a seguir, temos setas indicando (a seta azul aponta para a parte 1, e a vermelha, parte 2):

  • Na parte 1:

→ Temos 3 carbonos = prefixo prop

→ Somente ligações simples = infixo an

  • Na parte 2:

→ Temos o radical etil

Assim, o nome do éster é:

Propanoato de etila

Exemplo 4:

Inicialmente é importante estabelecermos qual é a parte 1 e 2 do éster. Na imagem a seguir, temos setas indicando (a seta de azul aponta para a parte 1, e a vermelha, parte 2):

  • Na parte 1:

→ Temos 6 carbonos = prefixo hex

→ Somente ligações simples = infixo an

  • Na parte 2:

→ Temos o radical vinil

Assim, o nome do éster é:

Hexanoato de vinila

Bases fundamentais para a nomenclatura dos ésteres
Bases fundamentais para a nomenclatura dos ésteres
Publicado por: Diogo Lopes Dias
Assuntos relacionados
Haletos Orgânicos
Monoaletos, dialetos, trialetos, substituição de átomos de hidrogênio, derivados halogenados, átomos de halogênio, hidrocarbonetos, solventes orgânicos, pontos de fusão, massa molecular.
Funções orgânicas contendo Oxigênio
Acompanhe a estrutura molecular que caracteriza estas funções.
Estruturas químicas dos cloretos de ácidos carboxílicos: cloreto de etanoíla e cloreto de benzoíla.
Cloretos de ácidos carboxílicos
Conheça os derivados de ácidos carboxílicos denominados cloretos de ácido ou cloretos de acila.
A cera de abelha é um éster.
Esteres
Ésteres, compostos orgânicos, fabricação de xaropes, glicéridos, fosfátides, lecitina do ovo, cefalina do cérebro, Essências, Flavorizantes, aromatizantes, acetato de pentila, produção de sabões, cera de abelha, cera de carnaúba.
Haletos estão presentes na composição dos Lança-perfumes.
Estudo de alguns Haletos
Haletos Orgânicos, Cloreto de etila, chumbo-tetraetila, antidetonante da gasolina, Tetracloreto de carbono, Clorofórmio, DDT, BHC, Benzeno-Hexa-Clorado, inseticida, Dicloro-Difenil-Tricloroetano, lança-perfumes, narcótico, ação anestésica.
Ureia é a amida mais conhecida, pois participa da nutrição de animais e é excretada por nós, humanos.
Amidas
Clique aqui para saber mais sobre as amidas, funções nitrogenadas que apresentam em sua estrutura uma carbonila ligada a um nitrogênio. Veja aqui suas aplicações, nomenclatura, classificação, propriedades, grupo funcional, curiosidades e exemplos!
Grupos orgânicos substituintes
Como identificar as ramificações em uma cadeia de hidrocarbonetos.
Polaridade de ácidos carboxílicos
Como saber quais ácidos são solúveis em água?
Na realidade, o nome oficial do ácido fórmico presente nas formigas é ácido metanoico
Nomenclatura dos ácidos carboxílicos
Aprenda a realizar a nomenclatura dos ácidos carboxílicos normais, ramificados, saturados, insaturados e com mais de um grupo funcional.
Os sabonetes possuem sal de ácido carboxílico em sua composição.
Sais de ácidos carboxílicos
Acesse este link e conheça os sais de ácidos carboxílicos, compostos oxigenados iônicos originados da reação entre um ácido carboxílico e uma base. Apresentam como principais características a polaridade mista (possuem uma parte polar e outra apolar) e elevados pontos de fusão e ebulição.
O fenol comum, assim como a maioria dos fenóis, é tóxico e altamente irritante*
Propriedades dos Fenóis
Conheças as principais propriedades físicas e químicas dos compostos orgânicos do grupo dos fenóis.
Ao realizar a nomenclatura das cadeias carbônicas ramificadas, precisamos saber nomear também os radicais orgânicos que formam as ramificações
Nomenclatura de radicais orgânicos
Aprenda a realizar a nomenclatura de radicais orgânicos que formam as ramificações de várias cadeias carbônicas.