Whatsapp icon Whatsapp

Ana Cristina Cesar

Ana Cristina Cesar, poetisa brasileira, nasceu em 2 de junho de 1952, no Rio de Janeiro. Aos sete anos de idade, publicou suas primeiras poesias, no jornal Tribuna da Imprensa. Anos depois, fez faculdade de Letras, na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), e dois mestrados — Comunicação, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e Teoria e Prática da Tradução Literária, pela Universidade de Essex, na Inglaterra.

A autora é considerada, pela crítica especializada, como pertencente à geração mimeógrafo; vinculada, portanto, à poesia marginal dos anos 1970. Seus textos são caracterizados por um discurso confessional, tom coloquial, ironia e fragmentação. Sua obra mais conhecida é A teus pés, publicada em 1982, um ano antes da morte da escritora, que se suicidou em 29 de outubro de 1983, no Rio de Janeiro, em consequência da depressão.

Leia também: Poesia concreta — a eliminação do verso tradicional e o apagamento do eu lírico

Biografia

Capa do livro Ana C. (na foto), de Ítalo Moriconi, publicado pela editora e-galáxia. |1|
Capa do livro Ana C. (na foto), de Ítalo Moriconi, publicado pela editora e-galáxia. |1|

Ana Cristina Cesar nasceu em 02 de junho de 1952, no Rio de Janeiro, em uma família protestante. Seu pai era sociólogo e jornalista; e sua mãe, professora. Antes mesmo de aprender a escrever, a menina poetisa ditava poemas para a sua mãe. Com apenas sete anos de idade, publicou poemas no jornal Tribuna da Imprensa. Assim, antes de fazer faculdade de Letras, estudou na Richmond School for Girls, em Londres, por meio de um programa de intercâmbio, em 1969 e 1970.

Iniciou, em 1971, o curso de Letras na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ). Nesse mesmo ano, começou a dar aulas no ensino médio e também em escolas de idiomas. Ao terminar a faculdade, em 1975, passou a escrever para periódicos como Jornal do Brasil e Folha de S. Paulo. Seu primeiro livroCenas de abril — foi publicado em 1979, com recursos próprios.

A escritora começou a trabalhar com traduções, fez mestrado em Comunicação, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e concluiu, em 1981, seu segundo mestrado, em Teoria e Prática da Tradução Literária, pela Universidade de Essex, na Inglaterra. Passou, então, a trabalhar como analista de textos para a TV Globo. Porém, em 29 de outubro de 1983, devido à depressão, cometeu suicídio, no Rio de Janeiro.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características literárias

Ana Cristina Cesar é uma autora vinculada à chamada poesia marginal dos anos 1970; pertencente, portanto, à geração mimeógrafo. Os textos dos poetas dessa geração são chamados de “marginais” devido à forma como eram divulgados, isto é, de forma independente, sem contar com editoras ou livrarias. Essas poesias circulavam em cópias mimeografadas, eram distribuídas de mão em mão nas ruas e praças, ou mesmo jogadas do alto de edifícios.

Além disso, é possível mencionar também as seguintes características da poesia da autora:

  • discurso confessional;
  • tom coloquial;
  • paródias de textos da literatura tradicional.;
  • ambiguidade;
  • ironia;
  • fragmentação;
  • crítica à sociedade conservadora;
  • reflexão sobre o lugar social da mulher;
  • versos longos;
  • quebra com a estrutura tradicional do poema;
  • ficção autobiográfica.

Obras

Capa do livro A teus pés, de Ana Cristina Cesar, publicado pela editora Companhia das Letras. |2|
Capa do livro A teus pés, de Ana Cristina Cesar, publicado pela editora Companhia das Letras. |2|

→ Poesia

Cenas de abril (1979)
Correspondência completa (1979)
Luvas de pelica (1980)
A teus pés (1982)
Inéditos e dispersos (1985)

→ Crítica

Literatura não é documento (1980)
Crítica e tradução (1999)

Leia também: Cora Coralina —  poetisa goiana que marcou a literatura brasileira

Poesia

No poema “Flores do mais”, do livro Inéditos e dispersos, é possível verificar, no título, uma paródia ao livro Flores do mal, do poeta francês Charles Baudelaire (1821-1867). No texto, o eu lírico ordena a alguém — possivelmente o leitor ou leitora — que realize, devagar, determinadas ações, como escrever, medir, impor, imprimir e pedir. Os versos livres (sem metrificação e sem rimas) são carregados de estranheza e plurissignificação:

Devagar escreva
uma primeira letra
escreva
nas imediações construídas
pelos furacões
;
devagar meça
a primeira pássara
bisonha que
riscar
o pano de boca
aberto
sobre os vendavais
;
devagar imponha
o pulso
que melhor
souber sangrar
sobre a faca
das marés
;
devagar imprima
o primeiro olhar
sobre o galope molhado
dos animais; devagar
peça mais
e mais e
mais

Já no trecho do poema a seguir, sem título, do livro A teus pés, sobressaem o tom coloquial e a fragmentação:

Trilha sonora ao fundo: piano no bordel, vozes barganhando
uma informação difícil. Agora silêncio; silêncio eletrônico,

produzido no sintetizador que antes construiu a ameaça das
asas batendo freneticamente.
Apuro técnico.
Os canais que só existem no mapa.
O aspecto moral da experiência.
Primeiro ato da imaginação.
Suborno no bordel.
Eu tenho uma ideia.
Eu não tenho a menor ideia.
Uma frase em cada linha. Um golpe de exercício.
Memórias de Copacabana. Santa Clara às três da tarde.
Autobiografia. Não, biografia.
Mulher.
Papai Noel e os marcianos.
[…]
Na mesma ordem de coisas.
Não, não na mesma ordem de coisas.
É domingo de manhã (não é dia útil às três da tarde).
Quando a memória está útil.\
Usa.

Agora é a sua vez.
Do you believe in love...?
Então está.
Não insisto mais.

Créditos da imagem:

|1| Reprodução / Editora e-galáxia

|2| Reprodução / Companhia das Letras

Publicado por Warley Souza
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

A prosa intimista de Clarice Lispector
Conheça um pouco mais sobre a prosa intimista de Clarice Lispector.
Alguns destaques femininos na literatura brasileira
São inúmeras as obras literárias produzidas por mulheres no Brasil. Conheça alguns destaques femininos da literatura brasileira!
Caio Fernando Abreu
Clique aqui e saiba quem foi o escritor brasileiro Caio Fernando Abreu. Conheça as principais características de suas obras.
Carolina Maria de Jesus
Saiba mais sobre Carolina Maria de Jesus, importante escritora negra brasileira. Veja detalhes de sua obra, traduzida para diversos idiomas e publicada em 43 países.
Clarice Lispector
Confira aqui tudo sobre Clarice Lispector, uma das principais autoras brasileiras do século XX, como obras, frases, biografia e principais características.
Conceição Evaristo
Saiba quem é Conceição Evaristo. Veja quais são suas obras publicadas. Leia alguns de seus poemas mais conhecidos.
Helena Morley
Descubra quem foi a escritora Helena Morley. Entenda a importância de seu diário Minha vida de menina. Conheça as principais características dessa obra.
Lygia Fagundes Telles
Conheça a trajetória e as obras de Lygia Fagundes Telles. Grande romancista, Lygia figura entre nossos melhores escritores da Literatura brasileira.
Maria Firmina dos Reis
Conheça a vida e a obra de Maria Firmina dos Reis, considerada a primeira autora, negra e mulher, de um romance abolicionista no Brasil.
video icon
Escrito"Tiocompostos ou compostos sulfurados" em fundo laranja e próximo a um botijão de gás vazando.
Química
Tiocompostos ou compostos sulfurados
Os tiocompostos ou compostos sulfurados apresentam átomo de enxofre ocupando uma posição de um átomo de oxigênio na função oxigenada.