Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História da América
  3. Doutrina Monroe

Doutrina Monroe

A deflagração da independência dos Estados Unidos, no final do século XVIII, foi responsável por vários outros processos de independência que tomaram todo o restante do continente americano. Na grande maioria dos casos, a instabilidade causada pelas Guerras Napoleônicas teve grande influência para que os movimentos anticoloniais pudessem ganhar força a ponto de colocar um ponto final nas relações econômicas do mercantilismo promovido pelas monarquias do Antigo Regime.

No entanto, a vitória das monarquias européias contra Napoleão Bonaparte e o liberalismo fomentado pela Revolução Francesa estabeleceram uma incógnita com relação ao futuro das novas nações americanas. Em outras palavras, a América independente não sabia se o Velho Continente monárquico respeitaria a integridade política das nações que, do outro lado do continente, se inspiraram pelas liberdades semeadas pelos franceses.

Antevendo um possível desejo de recolonização das Américas, o presidente norte-americano James Monroe formulou um documento que defendia o papel crucial dos Estados Unidos em preservar a autonomia das nações americanas em relação à Europa. O documento, que foi promulgado no dia 2 de dezembro de 1823, ficou conhecido como “Doutrina Monroe” e foi um importante marco na diplomacia dos Estados Unidos com as demais nações do continente americano.

Além de antecipar simbolicamente o papel de líder a ser exercido pelos EUA, essa doutrina também comungava com a Inglaterra os interesses econômicos. Os britânicos eram visivelmente favoráveis à manutenção dos Estados e regimes independentes que surgiram na América ao longo do século XIX. O apoio britânico tinha como fundamento o interesse na obtenção de novos mercados consumidores livres das antigas amarras impostas pelo pacto colonial.

Em sua trajetória, a doutrina não estabeleceu grandes vantagens econômicas para os Estados Unidos. Mesmo com o fim das práticas mercantilistas, grande parte dos países americanos preservou as relações comerciais que tinham com suas antigas possessões coloniais. Com isso, os Estados Unidos reinterpretaram o princípio da “América para os americanos”, defendido por Monroe, passando a intervir nas questões políticas do continente com a criação do Corolário Roosevelt, criado no início do século XX.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por Rainer Sousa
Mestre em História

Doutrina Monroe: a defesa da soberania política das nações americanas frente às potências européias.
Doutrina Monroe: a defesa da soberania política das nações americanas frente às potências européias.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
Subcomandante Marcos, líder do Exército Zapatista de Libertação Nacional.
Exército Zapatista de Libertação Nacional
Lutas revolucionárias, América Latina, revoltas populares, História da América Latina, México, Revolução Mexicana de 1910, Francisco Pancho Villa, Emiliano Zapata, Exército Zapatista de Libertação Nacional, EZLN, subcomandante Marcos, Chiapas, massacre da Aldeia de Acteal, NAFTA.
Pinochet e Allende: o antagonismo político em um país de instituições instáveis.
Ditadura Chilena
Chile, História do Chile, Grupos de Esquerda, Gabriel González Videla, Unidade Popular, Salvador Allende, Augusto Pinochet, Patricio Aylwin, Frei Ruiz Tagle, democracia, América Latina.
O dispositivo legal que oficializava a intervenção dos EUA em Cuba.
Emenda Platt
O dispositivo legal que oficializava a intervenção dos EUA em Cuba.
Lázaro Cárdenas em trajes militares
O governo de Lázaro Cárdenas no México (1934-1940)
Saiba mais sobre o governo de Lázaro Cárdenas durante a década de 1930 no México.
Selo cubano da década de 1980 em homenagem a Augusto César Sandino e ao FSLN, partido que governava a Nicarágua.*
Revolução Sandinista
Clique neste link e leia o texto do Mundo Educação que aborda os acontecimentos marcantes da Revolução Sandinista. Entenda como surgiu o sandinismo na Nicarágua e qual foi o seu papel na derrubada da ditadura dos Somoza, que estavam no poder desde 1936. Veja também algumas mudanças que aconteceram no país.
A experiência revolucionária que marcou a história latino-americana.
Revolução Cubana
Revolução Cubana, Cuba, Guerra Fria, Emenda Platt, Fulgêncio Batista, Ernesto Che Guevara, Fidel Castro, Camilo Cienfuegos, Aliança Para o Progresso, John Kennedy, crise dos mísseis, queda de Fidel, ataque à baia dos Porcos.
O comércio triangular promoveu o desenvolvimento das colônias da América do Norte.
O comércio triangular
A atividade econômica que propiciou o desenvolvimento econômico das 13 colônias.
A ação dos caudilhos demonstra a fragilidade das instituições políticas na América.
Caudilhismo
A experiência que marca o desenvolvimento político da América Hispânica.
<i>Da colonização ao processo de independência</i>
Antecedentes históricos da Independência dos Estados Unidos
O estudo dos antecedentes históricos da independência dos Estados Unidos é importante para entender os fatos que culminaram na libertação das treze colônias.
O Muralismo se transformou na arte revolucionária durante a Revolução Mexicana
Muralismo e Revolução Mexicana
Venha conhecer como os muralistas expressavam sua arte revolucionária em muros, durante a Revolução Mexicana de 1910, levando à população mensagens de luta e reivindicação.
John F. Kennedy idealizou a Aliança para o Progresso como forma de conter o avanço soviético no continente americano.*
Aliança para o Progresso e o anticomunismo
Conheça a Aliança Para o Progresso, o projeto dos EUA para conter a ameaça comunista na América Latina.