Whatsapp icon Whatsapp

Doutrina Monroe

A Doutrina Monroe foi instituída em 1823 pelo presidente norte-americano James Monroe. Ela estabeleceu a não interferência europeia no continente americano.
James Monroe foi presidente dos EUA e estabeleceu uma doutrina que promoveu a não interferência europeia no continente americano, no século XIX.
James Monroe foi presidente dos EUA e estabeleceu uma doutrina que promoveu a não interferência europeia no continente americano, no século XIX.

A Doutrina Monroe foi estabelecida pelo presidente dos Estados Unidos James Monroe, em 1823, durante um discurso proferido no Congresso norte-americano que definiu as políticas a serem adotadas pelos Estados Unidos em relação às nações europeias e países latino-americanos. Era uma forma de coibir qualquer interferência da Europa na América, tendo em vista que as antigas colônias estavam atravessando o processo de independência. Além disso, os Estados Unidos se colocavam, a partir dessa doutrina, como o líder americano. Monroe defendia a “América para os americanos”.

Leia também: Eventos e transformações nos Estados Unidos no século XIX

Resumo sobre a Doutrina Monroe

  • A Doutrina Monroe foi estabelecida pelo presidente norte-americano James Monroe, em 1823, impedindo a interferência europeia na América e estabelecendo a liderança dos Estados Unidos no continente.

  • No começo do século XIX, as nações europeias redesenhavam o mapa europeu após o fim da Era Napoleônica e planejavam recolonizar a América.

  • Os objetivos da Doutrina Monroe eram o fim do colonialismo, a reafirmação das independências das antigas colônias europeias e a expansão territorial.

  • Monroe sintetizou sua doutrina na seguinte declaração: “América para os americanos”.

  • Sem a interferência europeia, os americanos adotaram o “Destino Manifesto”, ou seja, a missão de conquistar novas terras e “civilizar” a população indígena.

  • As consequências foram o estabelecimento dos Estados Unidos como grande potência e liderança da América, bem como a consolidação da independência das antigas colônias europeias.

Contexto histórico da Doutrina Monroe

Logo após o fim da Era Napoleônica, em 1815, as nações europeias se reuniram para discutir os rumos da Europa, bem como redesenhar o mapa do Velho Continente, desfazendo a expansão francesa liderada por Napoleão Bonaparte anos antes. Além dessa questão geográfica, a Europa buscava frear o processo de independência iniciado por suas antigas colônias na América. O exemplo da independência norte-americana, em 1776, motivou as colônias europeias na América a também lutarem pela liberdade política e romper laços com as nações europeias.

Na América, os Estados Unidos, país recém-liberto da dependência europeia, pretendiam expandir os seus domínios para as terras a oeste e sul das Treze Colônias. Para isso, era necessário impedir qualquer interferência europeia nos assuntos referentes à realidade do continente americano. Tendo isso em vista, os norte-americanos apoiaram as independências das colônias europeias e foram os primeiros a reconhecer as novas nações latino-americanas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

  • Destino Manifesto

A ideia de se expandir territorialmente começou em 1803, quando o imperador francês Napoleão Bonaparte enviou uma proposta aos Estados Unidos para comprar a Louisiana. Ele precisava de dinheiro para bancar as suas guerras de conquista na Europa. Os norte-americanos fecharam o acordo e deram início à expansão territorial. Desde a chegada à América, os ingleses se estabeleceram na região das Treze Colônias, próximas ao litoral atlântico.

A compra da Louisiana fez com que os norte-americanos olhassem para o interior do território e continuassem a expandir seus limites territoriais. Para que isso se tornasse realidade, foram chamados imigrantes e famílias americanas para ocuparem as terras a oeste. Porém, aquela região já era habitada pelos indígenas. Essa expansão, portanto, provocou conflitos entre os dois povos.

Para justificar esse movimento americano em direção ao litoral do Oceano Pacífico, determinou-se o Destino Manifesto, ou seja, os americanos começaram a acreditar que a sua missão na América era levar a democracia e a “civilização” para as regiões mais distantes do continente, o que levaria à anexação de territórios. Os povos não americanos deveriam aprender os costumes, a língua e a religião praticados pelos americanos. Em pouco tempo, o domínio norte-americano se expandiu das Treze Colônias até o oeste, o litoral do Pacífico.

  • Videoaula sobre os Estados Unidos (século XIX) no Enem

Quais os objetivos da Doutrina Monroe?

Os objetivos da Doutrina Monroe eram:

  • impedir qualquer interferência das nações europeias nos assuntos internos do continente americano;

  • os Estados Unidos apoiaram a independência das colônias europeias na América e foram os primeiros a reconhecer o novo governo estabelecido;

  • não estabelecimento de novas colônias na América;

  • defesa dos princípios americanos e a expansão territorial dos Estados Unidos para oeste;

  • imposição de práticas culturais americanas aos povos indígenas e àqueles que estavam fora da fronteira americana;

  • fortalecer os Estados Unidos como liderança de todo o continente americano.

Leia também: Homestead Act – ação que favoreceu a criação de pequenas propriedades no Oeste dos EUA

Doutrina Monroe

Em 1823, os Estados Unidos eram governados por James Monroe. Em 2 de dezembro daquele ano, ele fez um discurso no Senado norte-americano estabelecendo os princípios daquela que seria a Doutrina Monroe, ou seja, a liberdade dos americanos de resolverem seus problemas internos sem interferência europeia. Monroe batizou sua doutrina com a frase “América para os Americanos”.

Com essa doutrina e com o apoio à independência das colônias europeias na América, os Estados Unidos conseguiram apoio para combater qualquer tentativa europeia de recolonizar o continente, principalmente após a Santa Aliança, reunião de países europeus ocorrida após o fim das guerras napoleônicas. Alguns críticos da doutrina afirmam que os únicos beneficiados foram os Estados Unidos, que expandiram seu território e impuseram sua cultura a outros povos. Além disso, sua influência sobre os países latino-americanos se fortaleceu a partir do estabelecimento dessa doutrina.

Quais foram as consequências da Doutrina Monroe?

Com a Doutrina Monroe, a Europa perdeu não somente as suas colônias americanas, mas também a sua influência sobre o continente. Desde a independência norte-americana que a força europeia na América começou a se enfraquecer. Apesar da tentativa de recolonizar o continente, os Estados Unidos se mostraram fortalecidos para barrar essa possibilidade.

A expansão dos Estados Unidos para o oeste promoveu não apenas o aumento do tamanho do território, mas a descoberta de novas riquezas minerais, principalmente na Califórnia. Além disso, os povos não americanos, como os indígenas e os espanhóis, tentaram barrar essa expansão americana, mas foram derrotados em guerra e foram submetidos à imposição cultural dos Estados Unidos.

Outra consequência da Doutrina Monroe foi a influência norte-americana na América Latina. O reconhecimento imediato da independência das colônias americanas estreitou os laços entre o norte e o sul do continente, facilitando a imposição das vontades e a capacidade dos Estados Unidos de liderar o processo de domínio do continente, já que a Europa não poderia mais fazer o mesmo.

Mapa dos Estados Unidos com a divisão de cada estado.
Mapa dos Estados Unidos começou a ser estabelecido conforme vemos acima, logo após a expansão territorial promovida no começo do século XIX.

Exercícios resolvidos sobre a Doutrina Monroe

Questão 1 - (Mackenzie-SP) A população que, em 1790, era de quase 4 milhões de habitantes passou para cerca de 31 milhões em 1860. Dez anos depois, alcançava os 40 milhões. Boa parte desse contingente era formado por estrangeiros: entre 1830 e 1860 entraram no país quase 5 milhões de imigrantes europeus.

José Robson de A. Arruda e Nelson Piletti. A História dos Estados Unidos da América.

No que diz respeito à fase do expansionismo interno e à ocupação e ao povoamento do atual território norte-americano, teve como justificativa a Doutrina do Destino Manifesto, sobre a qual é INCORRETO afirmar que:

A) explicitava uma visão racista que agia como alimento moral para o desenvolvimento da nação.

B) seus objetivos nunca foram utilizados para legitimar invasões, intervenções ou conquistas territoriais em países do continente americano.

C) baseava-se em um sentimento de superioridade do imigrante europeu branco, diante dos índios e dos mexicanos.

D) contém elementos inspirados no Darwinismo Social, no qual as relações sociais destacam a sobrevivência dos mais capazes.

E) os norte-americanos tinham sido predestinados por Deus à conquista dos territórios situados entre os oceanos Atlântico e Pacífico.

Resolução

Alternativa B. O Destino Manifesto foi utilizado como justificativa dos americanos para expandir suas terras em direção ao oeste e sul a partir das Treze Colônias.

Questão 2 - Leia abaixo o texto do historiador e ex-senador dos EUA, Albert Beveridge:

“Ele [Deus] nos fez os mestres organizadores do mundo para estabelecer um sistema onde reina o caos. (...) Ele nos fez adeptos do bom governo para que possamos administrá-los aos povos selvagens e senis (...) ele marcou o povo americano como Sua nação escolhida para finalmente liderar no trabalho de regeneração do mundo. Essa é a missão divina da América (...) Nós somos os depositários do progresso mundial, os guardiões da paz virtuosa”

BEVERIDGE apud FERES JUNIOR, João. Spanish America como o Outro da América, Revista Lua Nova, n.62, São Paulo, CEDEC, 2004, p. 69-89.

O trecho do texto de Beveridge é um exemplo das concepções ideológicas difundidas através do termo Destino Manifesto. Além do caráter religioso da predestinação dos habitantes iniciais das Treze Colônias inglesas, o Destino Manifesto tinha por objetivo, entre outros fatores, levar aos demais povos da América:

A) a religião calvinista dos puritanos ingleses.

B) a democracia e a civilização.

C) ações militares contra o terrorismo.

D) o combate ao comunismo.

Resolução

Alternativa B. O Destino Manifesto, além da expansão territorial, tinha como objetivo civilizar a população indígena e levar a democracia republicana para outras nações americanas.

Publicado por Carlos César Higa
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

John F. Kennedy idealizou a Aliança para o Progresso como forma de conter o avanço soviético no continente americano.*
Aliança para o Progresso e o anticomunismo
Conheça a Aliança Para o Progresso, o projeto dos EUA para conter a ameaça comunista na América Latina.
<i>Da colonização ao processo de independência</i>
Antecedentes históricos da Independência dos Estados Unidos
O estudo dos antecedentes históricos da independência dos Estados Unidos é importante para entender os fatos que culminaram na libertação das treze colônias.
A ação dos caudilhos demonstra a fragilidade das instituições políticas na América.
Caudilhismo
A experiência que marca o desenvolvimento político da América Hispânica.
Destino Manifesto: uma das mais importantes doutrinas de toda a cultura norte-americana.
Destino Manifesto
Uma doutrina de importância fundamental para a compreensão dos EUA.
Pinochet e Allende: o antagonismo político em um país de instituições instáveis.
Ditadura Chilena
Chile, História do Chile, Grupos de Esquerda, Gabriel González Videla, Unidade Popular, Salvador Allende, Augusto Pinochet, Patricio Aylwin, Frei Ruiz Tagle, democracia, América Latina.
O dispositivo legal que oficializava a intervenção dos EUA em Cuba.
Emenda Platt
O dispositivo legal que oficializava a intervenção dos EUA em Cuba.
Ilustração das diligências atacadas por indígenas americanos durante a “marcha para o oeste”
Estados Unidos no século XIX
Clique aqui e conheça os principais eventos que caracterizaram a história dos Estados Unidos durante o século XIX.
Subcomandante Marcos, líder do Exército Zapatista de Libertação Nacional.
Exército Zapatista de Libertação Nacional
Lutas revolucionárias, América Latina, revoltas populares, História da América Latina, México, Revolução Mexicana de 1910, Francisco Pancho Villa, Emiliano Zapata, Exército Zapatista de Libertação Nacional, EZLN, subcomandante Marcos, Chiapas, massacre da Aldeia de Acteal, NAFTA.
O “Homestead Act” favoreceu a criação de pequenas propriedades a Oeste dos Estados Unidos.
Homestead Act
A lei que definiu o processo de ocupação do Oeste Americano.
Acima, imagem de um selo usado em documentação de controle de mercadorias nos EUA, no século XVIII
Leis proibitivas das Treze Colônias Americanas
Saiba mais sobre as Leis proibitivas das Treze Colônias Americanas e entenda por que os colonos americanos reagiram contra elas.
O confronto entre colonos e índios no Velho Oeste americano era constante
Marcha para o Oeste nos EUA
Saiba mais sobre a formação da América do Norte compreendendo alguns aspectos da Marcha para o Oeste nos Estados Unidos.
O Muralismo se transformou na arte revolucionária durante a Revolução Mexicana
Muralismo e Revolução Mexicana
Venha conhecer como os muralistas expressavam sua arte revolucionária em muros, durante a Revolução Mexicana de 1910, levando à população mensagens de luta e reivindicação.
O comércio triangular promoveu o desenvolvimento das colônias da América do Norte.
O comércio triangular
A atividade econômica que propiciou o desenvolvimento econômico das 13 colônias.
Lázaro Cárdenas em trajes militares
O governo de Lázaro Cárdenas no México (1934-1940)
Saiba mais sobre o governo de Lázaro Cárdenas durante a década de 1930 no México.
Revolução Cubana
Acesse o site e veja mais sobre a Revolução Cubana e suas consequências durante a Guerra Fria na América Latina. Conheça os seus líderes e como se deu a revolução.
Selo cubano da década de 1980 em homenagem a Augusto César Sandino e ao FSLN, partido que governava a Nicarágua.*
Revolução Sandinista
Clique neste link e leia o texto do Mundo Educação que aborda os acontecimentos marcantes da Revolução Sandinista. Entenda como surgiu o sandinismo na Nicarágua e qual foi o seu papel na derrubada da ditadura dos Somoza, que estavam no poder desde 1936. Veja também algumas mudanças que aconteceram no país.
video icon
Sociologia
Sociologia no Enem: Sociologia urbana
A sociologia urbana é um ramo da sociologia que trata das questões relativas ao ambiente urbano, seus problemas e suas dinâmicas. Como o Enem cobra tais temáticas? Não perca esta aula!

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
videoaula brasil escola
Química
Cinética química
Se ainda tem dúvidas quanto a velocidade das reações, essa videoaula é para você!
video icon
videoaula brasil escola
Português
Redação
Entenda como realizar argumento por causa e consequência com a nossa aula.
video icon
videoaula brasil escola
História
Crise de 1929
A quebra da bolsa de valores de Nova Iorque afetou não só os EUA, como o mundo. Entenda!