Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. História do Brasil
  3. Brasil República
  4. Era Vargas
  5. Era Vargas: Governo Constitucional (1934-1937)

Era Vargas: Governo Constitucional (1934-1937)

A fase constitucional do governo de Getúlio Vargas ficou marcada pela radicalização da política nacional e pelas tentativas presidenciais de centralização do poder.

O governo constitucional foi a fase do período em que Getúlio Vargas esteve na presidência que abrangeu os anos entre 1934 e 1937. Essa fase do governo de Vargas, apesar do nome, foi marcada pela radicalização da política brasileira a partir da atuação de diversos grupos políticos, bem como pela centralização do poder aplicada aos poucos, o que levou à construção do Estado Novo.

Acesse também: Era Vargas: Governo Provisório (1930-1934)


Governo constitucional e a radicalização da política

O governo constitucional de Getúlio Vargas foi iniciado em meio ao clima de grande expectativa a respeito da democratização da nação. Essa expectativa era resultado da promulgação da Constituição de 1934, considerada, em partes, bastante avançada. A expectativa com o futuro do país acontecia principalmente porque essa Constituição criava prerrogativas que limitavam o poder do Executivo.

Vargas havia sido eleito em eleição indireta para um mandato de quatro anos, que, portanto, teria fim em 1938. Diferentemente do que se esperava em 1934, a sociedade brasileira caminhou para a radicalização. Isso refletia a tendência mundial em que as democracias representativas e liberais estavam em franca decadência e regimes autoritários surgiam por todo lado.

Além disso, o presidente Vargas em seu projeto de poder também tinha intenções de radicalizar a forma que governava o país. Esse período da era varguista foi marcado por ações que caminhavam no sentido de aumentar os poderes presidenciais. Getúlio Vargas atuou na montagem do Estado Novo.

Clique também: Fascismo e Nazismo


Grupos políticos

O cenário da política nacional radicalizou-se, e grupos políticos surgiram como reflexo das duas tendências políticas que estavam em evidência no mundo. A década de 1930 ficou marcada pelos regimes ditos totalitários, e isso refletia o sucesso de ideais que não valorizavam a democracia e nem o liberalismo econômico – as tendências políticas e econômicas vigentes anteriormente.

O Brasil refletiu isso com grupos que à direita e à esquerda foram vistos pelos historiadores como sinais da radicalização e polarização da nossa política. Na extrema-direita, surgiu a Ação Integralista Brasileira (AIB), liderada por Plínio Salgado. Os integralistas surgiram no meio do movimento constitucionalista que atingiu São Paulo em 1932.

O integralismo refletia a influência dos fascismos europeus no Brasil, sobretudo o italiano. Os integralistas vestiam-se com uniformes com característica militar na cor verde, organizavam grandes encontros públicos e formavam milícias, que agiam violentamente contra grupos políticos da esquerda. Os integralistas souberam explorar a insatisfação e o medo das classes médias baixas com as dificuldades econômicas – fruto da Grande Depressão – e conquistaram milhares de adeptos.

Do lado da esquerda, formou-se a Aliança Nacional Libertadora (ANL), apoiada no Partido Comunista do Brasil (PCB). A ANL inspirava-se no comunismo soviético, àquela época controlado por Josef Stalin, e aqui no Brasil posicionava-se como uma frente de combate ao fascismo. A ANL acabou tornando-se o principal articulador da luta revolucionária defendida pelos comunistas daquela época.

O grande nome da ANL era o de Luís Carlos Prestes, nomeado presidente de honra do partido e grande nome da luta popular no Brasil desde que havia liderado a Coluna Prestes, na década de 1920. Prestes era um tenentista que lutou contra as oligarquias e aderiu ardorosamente ao comunismo, inclusive tendo morado alguns anos em Moscou.

Prestes foi mandado de volta para o Brasil como líder da ANL e como grande articulador de um movimento revolucionário para tomar o poder no Brasil. Além disso, a ANL tinha como objetivos realizar a reforma agrária no país e garantir liberdades individuais e direitos sociais.

A ANL acabou sendo, com membros do PCB, protagonista de um movimento que eclodiu em 1935 e que teve como objetivo derrubar Getúlio Vargas do poder. Esse movimento recebeu o nome de Intentona Comunista e aconteceu entre 23 e 27 de novembro de 1935 em três cidades brasileiras: Recife, Natal e Rio de Janeiro. A Intentona Comunista foi um grande fracasso, pois se resumiu a um levante de militares de esquerda. Como consequência da Intentona, Vargas ampliou os seus esforços no sentido de centralizar o poder.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Veja também: Intentona Integralista


Construção do Estado Novo

A Intentona Comunista de 1935 foi o pretexto que Vargas precisava ter para acentuar sua postura no sentido de implantar um regime autoritário no Brasil. Mas é importante ressaltar que, antes disso, o governo de Vargas já dava sinais que estava caminhando para isso. Dois exemplos disso aconteceram em 1935: a aprovação, em março, da Lei de Segurança Nacional, que fornecia poderes ao governo para combater crimes contra a “ordem social”, e o fechamento da ANL por ordem do governo, em julho.

Quando a Intentona aconteceu, Getúlio Vargas pressionou os parlamentares para que o estado de sítio fosse aprovado – o que de fato aconteceu em novembro de 1935. A perseguição aos comunistas que participaram da Intentona resultou na criação de um tribunal extremamente rígido, o Tribunal de Segurança Nacional. Além disso, durante as prisões, os interrogatórios foram conduzidos com uso regular de tortura.

Depois de ser implantado o estado de sítio, Vargas teve seus poderes ampliados por emenda constitucional, e a Lei de Segurança Nacional passou por um endurecimento em seus termos. Em 1936, Vargas conseguiu estender o estado de sítio por mais um período de tempo, e a perseguição estendeu-se aos parlamentares do Congresso (um senador e quatro deputados foram presos). Nesse período entre 1936-37, os preparativos para a aplicação de um golpe que estendesse os poderes presidenciais estavam a todo vapor.


Golpe do Estado Novo

O Estado Novo, período ditatorial em que Vargas governou o país, foi criado com o apoio do Exército. O golpe, além de visar a ampliar os poderes presidenciais de Vargas, também tinha como objetivo garantir a sua continuidade no poder, pois, conforme estabelecia a Constituição de 1934, Vargas não teria direito a disputar reeleição e, portanto, era obrigado a transmitir o poder para quem fosse eleito.

Entre 1936 e 1937, começaram a surgir candidatos para a eleição presidencial no Brasil. Os três nomes eram Armando Salles, governador de São Paulo; José Américo, político da Paraíba de visões autoritárias e que na teoria deveria ter o apoio de Vargas; e Plínio Salgado, o líder do integralismo, o movimento fascista do Brasil. Apesar de os candidatos surgirem, o que Vargas realmente desejava era permanecer no poder.

Ao longo de 1937, Vargas atuou no sentido de neutralizar todos os políticos opositores e, apoiado no Exército, optou por explorar o temor que havia, sobretudo nas classes médias, do comunismo. Dessa estratégia surgiu o Plano Cohen, um documento forjado pelos integralistas (o autor era Olímpio Mourão) que narrava um suposto golpe comunista em curso no Brasil.

O documento falso foi apresentado à nação como verdadeiro em setembro de 1937 e espalhou pânico. Meses depois, Vargas autorizou o cercamento do Congresso, dispensou os parlamentares e apresentou uma nova Constituição para o país. A nova Constituição foi redigida por Francisco Campos, ministro da justiça e defensor da implantação de uma ditadura no país. O novo regime implantado em 10 de novembro ficou marcado pelo autoritarismo e pela censura. Era o início do Estado Novo.

*Créditos da imagem: FGV/CPDOC

Durante a fase constitucional de seu governo, Getúlio Vargas criou as bases que levaram à implantação do Estado Novo.*
Durante a fase constitucional de seu governo, Getúlio Vargas criou as bases que levaram à implantação do Estado Novo.*
Publicado por: Daniel Neves Silva
Assista às nossas videoaulas
Assuntos relacionados
Eurico Gaspar Dutra foi o primeiro presidente da Quarta República e governou o Brasil de 1946 a 1951*
Governo Dutra
Neste link você terá acesso aos principais eventos que caracterizaram o início da Quarta República Brasileira e do governo Dutra.
Militares e outras lideranças políticas foram acionadas para a deflagração do Estado Novo.
O golpe do Estado Novo
As articulações e medidas que empreenderam a ditadura varguista.
O “Estado de Compromisso” fundou um novo tipo de relação entre o governo e a sociedade.
Getúlio Vargas e o Estado de Compromisso
O novo estilo de governo que foi inaugurado pela Era Vargas.
Dalva de Oliveira e Oscarito: proeminentes artistas da música e do cinema brasileiro na época.
Cultura no Estado Novo
O cenário artístico em um período marcado pela repressão varguista.
Filinto Müller, primeiro da esquerda para direita, foi o chefe de polícia de Vargas
Tortura no Estado Novo
Saiba como e por que ocorria a tortura no Estado Novo e que participação teve o militar e político Filinto Müller nesse processo.
Getúlio Vargas durante a campanha para eleição presidencial de 1950. [1]
Segundo Governo de Vargas
Acesse para saber mais detalhes sobre o segundo governo de Vargas. Veja o contexto histórico, a campanha eleitoral e os grandes acontecimentos desse governo.
Olga Benário Prestes em foto de 1926 *
Olga Benário: a revolucionária alemã que veio ao Brasil
Conheça a história de Olga Benário, revolucionária alemã que foi enviada ao Brasil na década de 1930.
Getúlio Vargas ficou bastante conhecido pela política trabalhista implantada por ele.
Getúlio Vargas
Acesse e saiba mais sobre a vida de Getúlio Vargas, um dos grandes políticos da história do nosso país. Veja detalhes de sua vida política e pessoal.
Ditadura Militar no Brasil
Veja de que forma os militares tomaram o poder em 1964, instaurando uma ditadura militar no país, e os principais acontecimentos que marcaram esse regime.
Selo brasileiro estampando os dois candidatos da Aliança Liberal nas eleições de 1930: Getúlio Vargas e João Pessoa*
Revolução de 1930
Entenda as razões que levaram as oligarquias dissidentes e os tenentistas a iniciar uma revolta armada no Brasil em 1930.
Fotografia com uma parte dos integrantes da Coluna Prestes.
Tenentismo
República Oligárquica, Movimentos Militares, Movimento Tenentista, Tenentismo, Arthur Bernardes, Clube Militar, Rebelião do Forte de Copacabana, Os Dezoito do Forte, Isidoro Dias Lopes, Luis Carlos Prestes, Coluna Prestes.
Intentona Comunista
Acesse o site e veja as causas da Intentona Comunista. Conheça mais sobre a organização do levante e as suas consequências para a política nacional.
A “ameaça comunista” usada como justificativa para a instalação do Estado Novo.
Plano Cohen
O falso plano que garantiu a permanência de Getúlio Vargas no poder.
Getúlio Vargas (na imagem, o quarto da esquerda para direita) e os ministros que formavam o Governo Provisório, em 1930.*
Era Vargas: Governo Provisório (1930-1934)
Leia este texto e saiba detalhes sobre os primeiros anos em que Vargas foi presidente do país. Entenda por que esse período é conhecido como Governo Provisório e quais foram seus principais acontecimentos, dos quais se destacam a centralização do poder e a Revolução Constitucionalista de 1932.
O integralismo conseguiu mobilizar algumas parcelas da classe média brasileira.
Ação Integralista Brasileira
Clique aqui e conheça o que foi a movimentação da Ação Integralista Brasileira!
Luis Carlos Prestes foi escolhido como presidente de honra da Aliança Nacional Libertadora.
Aliança Nacional Libertadora
O movimento que mobilizou os setores de esquerda no governo Vargas.
A intervenção do governo na economia foi um dos grandes marcos do Estado Novo.
Era Vargas - Estado Novo (1937 - 1945)
A ditadura empreendida pelo presidente Getúlio Vargas.
Os integralistas se revoltaram por não estarem inclusos no projeto de poder estadonovista.
Intentona Integralista
A revolta dos integralistas contra o Estado Novo.