Whatsapp icon Whatsapp

Alexandre Dumas

Alexandre Dumas nasceu em 24 de julho de 1802, em Villers-Cotterêts, na França. Seu sucesso como escritor chegou em 1829, com a encenação de sua peça Henrique III e sua corte. Fez sucesso também como romancista, ao publicar obras famosas, como Os três mosqueteiros. Tornou-se, assim, um dos raros escritores negros de sua época a ter sucesso, fama e dinheiro.

O dramaturgo e romancista, que faleceu em 5 de dezembro de 1870, é um dos principais nomes do Romantismo francês. Portanto, em suas obras, é possível perceber características românticas, como subjetividade, exagero sentimental, nacionalismo, idealização da realidade, sentimento amoroso e o gosto por aventuras.

Leia também: Victor Hugo – outro importante nome do Romantismo francês

Biografia de Alexandre Dumas

Alexandre Dumas, em fotografia de Étienne Carjat (1828-1906).
Alexandre Dumas, em fotografia de Étienne Carjat (1828-1906).

Alexandre Dumas nasceu em 24 de julho de 1802, em Villers-Cotterêts, na França. Com apenas três anos de idade, ficou órfão de pai. A família, então, passou por dificuldades financeiras, até que, em 1823, o escritor se mudou para Paris. Ali trabalhou no gabinete do duque d’Orléans (1773-1850) e, no ano seguinte, tornou-se pai do escritor Alexandre Dumas Filho (1824-1895).

Em Paris, Alexandre Dumas buscou consolidar sua carreira como dramaturgo. Assim, em 1829, sua peça Henrique III e sua corte foi encenada na Comédie-Française e caiu no gosto popular. Após essa peça bem-sucedida, outras foram encenadas, como Antony, outro grande sucesso do autor.

Em 1832, o dramaturgo viajou, pela primeira vez, ao exterior e conheceu a Suíça. Três anos depois, esteve na Itália e, em 1838, viajou para Alemanha e Bélgica. Já em 1840, Dumas se casou com a atriz Ida Ferrier (1811-1859), casamento que durou apenas quatro anos.

Foi justamente em 1844 que o autor experimentou a fama também como romancista, ao publicar Os três mosqueteiros, A rainha Margot e O Conde de Monte Cristo. Com o grande sucesso, veio também o dinheiro. Assim, o escritor mandou construir um castelo em Port-Marly, em 1847, e, também, o Teatro Histórico, na cidade de Paris.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Nesse mesmo ano, tornou-se comandante da Guarda Nacional de Saint-Germain-en-Laye. Em seguida, participou da Revolução de 1848 e quis se eleger deputado, o que não aconteceu. Já no ano de 1850, foi processado por endividamento, e seu teatro foi à falência.

Como não tinha mais o castelo, leiloado no ano anterior, decidiu viver em Bruxelas a partir de 1851. Fundou ainda o jornal Le Mousquetaire, em 1853. Só voltou a morar em Paris no ano de 1854. Seis anos depois, em 1860, conheceu Giuseppe Garibaldi (1807-1882) e apoiou o revolucionário em sua luta pela unificação da Itália.

Assim, após a vitória de Garibaldi, o romancista se mudou para Nápoles, onde ocupou o cargo de diretor do Museu Nacional até 1864, além de fundar o jornal L’Indipendente. Em 1868, já na França, criou o jornal D’Artagnan. No entanto, Dumas, um dos raros escritores negros de sua época a fazer tamanho sucesso, faleceu em 5 de dezembro de 1870, perto de Dieppe.

Leia também: Júlio Verne – autor de livros de ficção científica e repletos de aventuras

Características da obra de Alexandre Dumas

Representante do Romantismo francês, Alexandre Dumas escreveu romances e peças de teatro em que se pode verificar elementos como a subjetividade e o exagero sentimental típicos desse estilo de época. Além disso, o nacionalismo, atrelado ao heroísmo de seus protagonistas, também está presente.

Distantes do racionalismo realista, as obras românticas, como as de Dumas, são caracterizadas pelo teocentrismo e pela defesa dos valores burgueses, como amor, castidade feminina, coragem, liberdade e fé. Essa idealização da realidade é construída em enredos dinâmicos, repletos de aventuras e fortes emoções, por meio de uma linguagem marcada por exclamações e hipérboles.

Influência em suas obras

Alexandre Dumas sofreu influência, principalmente, das seguintes personalidades:

  • o dramaturgo inglês William Shakespeare (1564-1616);

  • o escritor francês François-René de Chateaubriand (1768-1848);

  • o escritor romântico alemão Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832); e

  • o pai, general Thomas-Alexandre Dumas Davy de la Pailleterie (1762-1806).

Obras de Alexandre Dumas

Capa do livro Os três mosqueteiros, de Alexandre Dumas, publicado pela editora Zahar, do grupo Companhia das Letras.[1]
Capa do livro Os três mosqueteiros, de Alexandre Dumas, publicado pela editora Zahar, do grupo Companhia das Letras.[1]
  • Henrique III e sua corte (1829)

  • Antony (1831)

  • Carlos VII entre seus grandes vassalos (1831)

  • Richard Darlington (1832)

  • Teresa (1832)

  • A torre de Nesle (1832)

  • Catherine Howard (1834)

  • Don Juan de Marana ou A queda de um anjo (1836)

  • Kean (1836)

  • Calígula (1838)

  • Paul Jones (1838)

  • Mademoiselle de Belle-Isle (1839)

  • Lorenzino (1842)

  • Louise Bernard (1843)

  • O castelo de Eppstein (1843)

  • Gabriel Lambert (1844)

  • O conde de Monte Cristo (1844)

  • Os irmãos corsos (1844)

  • Os três mosqueteiros (1844)

  • A rainha Margot (1844)

  • Vinte anos depois (1845)

  • O cavaleiro de Maison-Rouge (1845)

  • Memórias de um médico (1846-1853)

  • O visconde de Bragelonne (1847)

  • Os quarenta e cinco (1847)

  • Catilina (1848)

  • Joseph Balsamo (1849)

  • O colar da rainha (1849)

  • A tulipa negra (1850)

  • Ange Pitou (1851)

  • A condessa de Charny (1853)

  • Minhas memórias (1854)

  • Memórias de Garibaldi (1860)

Os três mosqueteiros

Os três mosqueteiros, um dos livros mais conhecidos do autor, conta a história de D’Artagnan, um jovem que quer ser um dos mosqueteiros do rei, na Paris do século XVII. Assim, ele se junta a Athos, Porthos e Aramis, para combaterem o perverso cardeal Richelieu e a ex-esposa de Athos, a traiçoeira Milady.

O herói D’Artagnan se apaixona por Constance, que trabalha como arrumadeira da rainha Ana de Áustria (1601-1666). No entanto, há um empecilho para a realização desse amor, pois a amada está casada com o senhor Bonacieux. Desse modo, a história de amor e as aventuras do herói são o chamariz do romance.

O vilão Richelieu (1585-1642), um personagem histórico, é o primeiro-ministro de Luís XIII e manipula o monarca em prol de interesses pessoais. Outro personagem histórico é o duque de Buckingham (1592-1628), inimigo do cardeal. Porém, Richelieu conta com a ajuda de Milady de Winter (ou Lady Clark) para concluir seus planos malignos.

Essa personagem é uma assassina, cujo verdadeiro nome é Anne de Bueil. Portanto, é uma criminosa foragida, que, no passado, mandou matar, sem sucesso, seu próprio marido, isto é, Athos, também conhecido como conde de La Fère. Assim, ela se une ao primeiro-ministro, para articularem, juntos, as suas maldades.

O romance, então, traz uma história de amor, intrigas e muita aventura. Durante a leitura, o leitor e a leitora são levados a simpatizar com os heróis e seus sentimentos nobres, enquanto torcem para que os vilões sejam devidamente punidos pelos seus crimes. Tais reações são provocadas pela típica e envolvente trama romântica.

Veja também: Dom Casmurro – renomado romance realista brasileiro

Frases de Alexandre Dumas

A seguir, vamos ler algumas frases de Alexandre Dumas, extraídas de seus livros A tulipa negra, Os três mosqueteiros e Minhas memórias:

  • “Às vezes sofremos o suficiente para ter o direito de nunca dizer: estou muito feliz.”

  • “O amor é uma loteria em que aquele que ganha, ganha a morte!”

  • “Há favores tão grandes que só podem ser pagos com a ingratidão.”

  • “Um por todos, todos por um!”

  • “Suprimir a distância é aumentar a duração do tempo.”

Crédito da imagem

[1] Companhia das Letras (reprodução)

Publicado por Warley Souza

Artigos Relacionados

Edgar Allan Poe
Saiba quem é Edgar Allan Poe. Conheça o seu estilo literário. Veja quais são as suas principais obras, e confira algumas de suas frases.
Gustave Flaubert
Saiba quem é Gustave Flaubert e as características de suas obras. Veja também algumas frases do autor.
Joaquim Manuel de Macedo
Clique aqui, saiba quem é o escritor romântico Joaquim Manuel de Macedo e descubra quais são as principais características de suas obras.
José de Alencar
Entenda por que José de Alencar é tido como um clássico da literatura brasileira. Veja biografia, características de suas obras e de seus principais romances.
Júlio Verne
Saiba quem é o escritor francês Júlio Verne. Veja quais são as características de suas principais obras e, além disso, conheça algumas frases do autor.
Machado de Assis
Saiba como Machado de Assis saiu de uma origem simples, tornando-se um grande autor, precursor do Realismo e criador da Academia Brasileira de Letras.
Maria Firmina dos Reis
Conheça a vida e a obra de Maria Firmina dos Reis, considerada a primeira autora, negra e mulher, de um romance abolicionista no Brasil.
Émile Zola
Conheça um pouco da biografia de Émile Zola e o estilo de suas obras. Leia também um resumo de “Germinal”.
video icon
Texto"Matemática do Zero | Soma dos ângulos externos de um polígono convexo" em fundo azul.
Matemática do Zero
Matemática do Zero | Soma dos ângulos externos de um polígono convexo
Nessa aula demonstrarei a fórmula da soma dos ângulos externos de um polígono convexo qualquer e como encontrar a medida de cada ângulo externo.