Equação de Nernst

A equação de Nernst possui a capacidade de indicar a voltagem durante o funcionamento de uma pilha, bem como medir o pH e o Kps de uma solução.

No século XIX, o físico-químico alemão Walther Herman Nernst desenvolveu uma equação matemática capaz de determinar o valor da diferença de potencial (ddp) ou variação do potencial de uma pilha em certo instante do seu funcionamento. Essa equação, que ficou conhecida como Equação de Nernst, é a seguinte:

ΔE = ΔEo0,059.log [C]c.[D]d
                      n         [A]a.[B]b

  • ΔE = variação do potencial da pilha em certo instante;

  • ΔEo = variação do potencial padrão da pilha (voltagem total dela);

  • [C] e [D] = concentrações dos produtos da equação global da pilha, sendo c e d os coeficientes desses participantes na equação;

  • [A] e [B] = concentrações dos reagentes da equação global da pilha, sendo a e b os coeficientes desses participantes na equação;

  • n = número de elétrons envolvidos na oxidação e redução da pilha.

Durante o funcionamento da pilha, um metal sofre oxidação e um cátion sofre redução:

  • Oxidação: um metal sólido oxida-se e torna-se um cátion aquoso, como na equação abaixo:

Me(s) → Me+(aq) + e

  • Redução: um cátion aquoso sofre redução e torna-se um metal (sólido), como na equação abaixo:

X+(aq) + e → X(s)

Quando somamos as equações, temos a seguinte equação global:

Me(s) + bX+(aq) → cMe+(aq) + X(s)

Como os componentes sólidos jamais participam dos cálculos por não sofrerem alteração, podemos reescrever a equação de Nernst da seguinte forma:

ΔE = ΔEo0,059.log [Me+]c
                    n          [X+]b

Aplicações da equação de Nernst

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Além de ser utilizada para determinar a voltagem de uma pilha em um dado momento do seu funcionamento, a equação de Nernst é utilizada em um equipamento denominado de potenciômetro (imagem de abertura deste texto).

O potenciômetro é um equipamento utilizado em laboratório para realizar a medida do pH (quantidade de cátions hidrônio) em uma solução ou para determinar o produto de solubilidade (Kps) de um sal pouco solúvel presente em uma solução.

Vamos ver um exemplo?

Exemplo 1: Determine a variação de potencial de uma pilha formada por zinco e cobre (pilha essa com variação de potencial global de 1,1V) após certo tempo de funcionamento. Considere que a concentração em mol/L de Zn+2(aq) era de 0,8 mol/L e a concentração em mol/L de Cu+2(aq) era de 0,2 mol/L. Tenha como base a equação global da pilha fornecida a seguir:

Zn(s) + Zn+2(aq) → Zn+2(aq) + Cu(s)

Resolução:

Dados fornecidos pelo exercício:

  • ΔEo = 1,1 V

  • ΔE =

  • [Zn+2(aq)] = 0,8 mol/L

  • [Cu+2(aq)] = 0,2 mol/L

  • n = 2 (analisando a equação, observamos que 2 mol de elétrons estão envolvidos)

Aplicando os dados na equação de Nernst:

ΔE = ΔEo0,059.log [Zn+2(aq)]
                      n         [Cu+2(aq)]

ΔE = 1,1 – 0,059.log 0,8

20,2

ΔE =1,1 – 0,0295.log 4

ΔE = 1,1 – 0,0295.0,602

ΔE = 1,1 – 0,0177

ΔE = 1,082V

A equação de Nernst é utilizada no potenciômetro (representado na imagem), equipamento que mede o pH ou o Kps de uma solução
A equação de Nernst é utilizada no potenciômetro (representado na imagem), equipamento que mede o pH ou o Kps de uma solução
Publicado por: Diogo Lopes Dias
Assuntos relacionados
Não jogue pilhas usadas no lixo.
Por que as pilhas deixam de funcionar?
Como funcionam as pilhas, Por que as pilhas deixam de funcionar, como descartar pilhas, reação espontânea de oxirredução, corrente elétrica, diferença de potencial, fluxo de elétrons de um circuito fechado, aparelhos eletrônicos, lentas reações de oxirredução, invólucro de zinco, aparelhos eletrônicos.
A pilha seca ácida é muito comum no cotidiano, sendo a mais barata e usada para alimentar equipamentos portáteis e aparelhos elétricos.
Pilha seca de Leclanché
O funcionamento da pilha seca se resume à transferência de elétrons do zinco para o manganês.
Esquema da pilha alcalina por dentro
Pilhas alcalinas
As pilhas alcalinas são essencialmente aquelas que possuem uma base como eletrólito em vez de um ácido.
No forno siderúrgico, o ferro metálico é obtido a partir da redução da hematita (agente oxidante) pelo monóxido de carbono (agente redutor)
Agente Redutor e Agente Oxidante
Saiba quais são as características que distinguem um agente redutor de um agente oxidante.
Pilhas modernas
Pilhas ou Células Eletroquímicas
Entenda o que caracteriza uma pilha em Eletroquímica, como ocorre o seu funcionamento, o que é o cátodo, o ânodo, a ponte salina, entre outros conceitos.
Medindo a força eletromotriz ou diferença de potencial de uma pilha
Diferença de potencial de uma pilha
Entenda o que é a diferença de potencial de uma pilha (ddp) ou força eletromotriz, como ela pode ser medida e também calculada.
O eletrodo de gás hidrogênio é usado como padrão de referência para se descobrir os potenciais-padrão de redução dos outros eletrodos
Potencial-padrão de redução das pilhas
Entenda como foi determinado o potencial-padrão de redução e de oxidação para cada eletrodo e consulte a tabela desses potenciais.
Atualmente existe uma grande diversidade de pilhas e baterias destinadas a cada tipo de aparelho
Pilhas e baterias primárias e secundárias
Conheça as principais pilhas e baterias usadas no cotidiano que não são recarregáveis e as que são recarregáveis.
Reação de oxirredução entre o cobre do espiral e a solução de nitrato de prata*
Reações de oxirredução
Veja como determinar se uma reação é de oxirredução, quais espécies oxidam e reduzem, além de quais são os agentes oxidantes e redutores.
Ilustração da pilha de Daniell
Pilha de Daniell
Conheça a pilha de Daniell ou pilha de zinco-cobre, como ela é montada e seu funcionamento.