Você está aqui
  1. Mundo Educação
  2. Biologia
  3. Botânica
  4. Pteridófitas

Pteridófitas

Pteridófitas são plantas vasculares, ou seja, que apresentam vasos condutores de seiva. Essas plantas não possuem flores, sementes ou frutos e sua reprodução é dependente de água, uma vez que apresentam anterozoides flagelados que precisam nadar até a oosfera para que a fecundação ocorra. Como representantes de pteridófitas podemos citar as samambaias e avencas, duas plantas muito utilizadas na ornamentação. No Brasil mais de 1000 espécies de pteridófitas são conhecidas.

Leia mais: Plantas tóxicas – podem causar problemas caso ingeridas ou entrem em contato com pele ou mucosa

Características das pteridófitas

Pteridófitas, também chamadas de plantas vasculares sem sementes, destacam-se por ser, do ponto de vista evolutivo, o primeiro grupo vegetal a apresentar tecidos vasculares especializados: xilema e floema. A presença desses tecidos garantiu maior eficiência no transporte de substâncias pelo corpo da planta.

Outra característica importante encontrada nesse grupo é a capacidade de sintetizar a lignina, que permite maior rigidez às células dos tecidos de sustentação e de condução. Com isso, essas plantas tornam-se capazes de alcançar grandes alturas, uma característica não observada em briófitas.

As samambaias são um dos representantes mais conhecidos de pteridófitas.
As samambaias são um dos representantes mais conhecidos de pteridófitas.

As pteridófitas possuem um sistema radicular, que garante a fixação da planta no solo e a absorção de água e nutrientes, e um sistema caulinar, formado pelo caule e pelas folhas, sendo o caule responsável por originar as folhas, que atuam como órgãos fotossintetizantes primários. Atualmente, as plantas vasculares sem semente, em sua grande maioria, não apresentam crescimento secundário (espessura), sendo ele observado, principalmente, em plantas com sementes. As pteridófitas são plantas que não possuem flor, semente ou fruto.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Habitat das pteridófitas

As pteridófitas podem ser encontradas em diferentes ambientes, entretanto, são mais comuns em ambientes úmidos. A maior quantidade de representantes nesses ambientes deve-se, em parte, a sua forma de reprodução, que necessita de água para a movimentação do anterozoide.

Classificação das pteridófitas

 O licopódio é um representante do filo Lycopodiophyta.
O licopódio é um representante do filo Lycopodiophyta.

As plantas vasculares sem sementes encontradas na atualidade são classificadas em dois filos: Lycopodiophyta e Monilophyta. O filo Lycopodiophyta inclui cerca de 1200 espécies, fazendo parte dele os licopódios e a Selaginella. Já o filo Monilophyta inclui as samambaias e cavalinhas. Vale destacar que atualmente existem mais de 12.000 espécies de samambaias.

Ciclo de vida das pteridófitas

O ciclo de vida das pteridófitas apresenta alternância de gerações, sendo uma geração gametofítica (produtora de gametas) e outra esporofítica (produtora de esporos). A fase gametofítica é haploide e independe nutricionalmente da fase esporofítica. Esta, por sua vez, é diploide e caracteriza-se por ser a fase dominante do ciclo. É na fase esporofítica que podemos observar raízes, caules e folhas.

Vale destacar que a maioria das plantas vasculares sem sementes é homosporada, ou seja, produz somente um tipo de esporo que dá origem a um gametófito bissexuado. As plantas heterosporadas apresentam a produção de micrósporos e megásporos, que germinam e dão origem, respectivamente, a gametófitos masculinos e femininos. A heterosporia é observada, por exemplo, em algumas samambaias aquáticas.

 O ciclo de vida de uma samambaia homosporada.
O ciclo de vida de uma samambaia homosporada.

Utilizaremos o ciclo de vida de uma samambaia homosporada para melhor exemplificar o ciclo de vida de uma pteridófita. As samambaias, na fase de esporófito, apresentam folhas com estruturas na sua face inferior chamadas de soros, um conjunto de esporângios, estruturas que, por meiose, produzem esporos. Os esporângios liberam os esporos, e estes são dispersos no meio. Quando atingem um local adequado, germinam.

Os esporos dão origem a gametófitos bissexuados (prótalo), de coloração verde e independentes nutricionalmente, na maioria das espécies. Comumente apresentam formato cordiforme e possuem rizoides que adentram o substrato. Os anterozoides flagelados (gametas masculinos) são produzidos nos anterídios, enquanto a oosfera (gameta feminino) é produzida nos arquegônios.

As pteridófitas são plantas que necessitam de água para sua fecundação, pois os gametas masculinos necessitam nadar até o gameta feminino. Vale salientar que, apesar de o gametófito ser bissexuado, os anterídios e os arquegônios amadurecem em momentos distintos, e, desse modo, o anterozoide produzido em um gametófito fecunda a oosfera de outro gametófito.

Após a fecundação, o zigoto começa a dividir-se, dando origem a um embrião que se desenvolve em um esporófito adulto. Inicialmente os nutrientes são retirados do gametófito, porém, com o desenvolvimento do esporófito, este se torna capaz de realizar fotossíntese, enraiza-se no solo, e o gametófito desintegra-se.

Leia mais: Ciclo reprodutivo das pteridófitas – apresenta uma fase haploide e outra diploide

Importância das pteridófitas

 As cavalinhas são representantes do filo Monilophyta.
As cavalinhas são representantes do filo Monilophyta.

As pteridófitas são plantas extremamente importantes do ponto de vista ecológico. No interior das florestas, por exemplo, elas possuem papel importante na manutenção da umidade do ar. Além disso, samambaias arbóreas são frequentemente utilizadas como suporte para o desenvolvimento de espécies epífitas e briófitas. O samambaiaçu, uma samambaia que atinge porte arbóreo, foi muito utilizada no passado na fabricação de xaxim, uma espécie de vaso.

Não podemos esquecer-nos também de que essas plantas foram responsáveis pela formação das primeiras florestas do planeta, apresentando papel importante na redução de gás carbônico durante o período. Além disso, essas florestas foram responsáveis pela formação de carvão mineral, utilizado como combustível.

Leia também: Diferença entre carvão mineral e carvão vegetal

Diferenças entre briófitas e pteridófitas

A Selaginella é um representante do filo Lycopodiophyta.
A Selaginella é um representante do filo Lycopodiophyta.

entre esses dois grupos está no fato de seus representantes dependerem da água para a reprodução e não possuírem sementes, flores ou frutos.semelhança pelo fato de as briófitas não possuírem vasos condutores, folhas, caules ou raízes verdadeiros. Além disso, nas briófitas, o gametófito é a fase duradoura do ciclo de vida, enquanto, nas pteridófitas, a fase duradoura é a de esporófito. A Diferem-seBriófitas e pteridófitas são dois grupos de plantas que apresentam uma série de diferenças, mas também características em comum.

Leia também: Ciclo de vida das briófitas – marcado pela alternância de gerações

Resumo sobre pteridófitas

  • São o primeiro grupo de plantas a apresentar xilema e floema.

  • São encontradas mais comumente em ambientes úmidos.

  • Não possuem flor, semente ou fruto.

  • São plantas que dependem da água para reprodução, uma vez que apresentam anterozoides que necessitam nadar até a oosfera.

  • Sua maioria é homosporada.

  • Pteridófitas atuais estão agrupadas em dois filos: Lycopodiophyta e Monilophyta.

  • Diferem-se das briófitas por serem vasculares, apresentarem raiz, caule e folhas e possuírem a fase esporofítica como dominante.

  • Samambaias e avencas são exemplos de pteridófitas.

Publicado por: Vanessa Sardinha dos Santos
Artigo relacionado
Teste agora seus conhecimentos com os exercícios deste texto
Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios

Questão 1

Uma garota estava observando a samambaia de sua mãe quando percebeu que todas as folhas estavam cheias de pontos escuros na face inferior. Achando que a planta em questão estava estragada, a menina arrancou todas as folhas da planta. De acordo com seus conhecimentos sobre pteridófitas, marque a alternativa que explica corretamente o que são os pontos pretos na folha.

a) Os pontos escuros na face inferior da folha são os chamados báculos, estruturas reprodutoras.

b) Os pontos escuros na face inferior da folha são os chamados soros, estruturas que surgem em resposta a um ataque de fungos patogênicos.

c) Os pontos escuros na face inferior da folha são os chamados soros, estruturas onde são produzidos os esporos.

d) Os pontos escuros na face inferior da folha são os prótalos, a fase gametofítica da samambaia.

e) Os pontos escuros na face inferior da folha são os prótalos, a fase esporofítica da samambaia.

Questão 2

As pteridófitas, diferentemente das briófitas, são plantas vasculares, ou seja, que possuem vasos condutores. Apesar dessa diferença, esses dois grupos ainda apresentam características em comum, tais como:

a) A presença de folhas e sementes.

b) A dependência de água para a reprodução.

c) A fase gametofítica dominante.

d) A fase esporofítica dominante.

e) A presença de flores e frutos.

Mais Questões
Assuntos relacionados
As raízes garantem a absorção de água e nutrientes para a planta
Absorção de água e nutrientes
Entenda como ocorre a absorção de água e nutrientes pela planta e conheça o caminho que essas substâncias percorrem até o xilema.
Flor e fruto: estruturas encontradas unicamente nas angiospermas.
Angiospermas
Angiospermas: plantas que formam flores verdadeiras e frutos.
A samambaia é um exemplo de pteridófita
Ciclo reprodutivo das pteridófitas
Saiba mais sobre o ciclo reprodutivo das pteridófitas, plantas que possuem como representante as samambaias.
A ação do fotoperiodismo sobre a floração e frutificação dos vegetais (pequi).
Fotoperiodismo e a floração dos vegetais
De acordo com a fotoperiodismo, as plantas podem ser classificadas em plantas de dias longos, plantas de dias curtos e plantas indiferentes.
As araucárias são exemplos de gimnospermas que ocorrem no Brasil
Gimnospermas
Clique aqui e aprenda mais sobre as gimnospermas, plantas que apresentaram a semente como novidade evolutiva.
O Ginkgo biloba se caracteriza por apresentar folhas em formato de leque.
Ginkgo biloba
Descubra mais sobre o Ginkgo biloba, uma planta bastante usada para a melhora da memória.
Quais características permitiram que as plantas conquistassem o meio terrestre?
Plantas e o meio terrestre
Compreenda como as plantas conseguiram se desenvolver no meio terrestre.
A semente garante nutrientes para o embrião
Semente
Conheça as principais características da semente e sua importância para os vegetais.
Transpiração da planta e a condensação da água no recipiente
Transpiração nas plantas
Entenda um pouco mais a respeito do processo de transpiração que ocorre nos vegetais. Neste texto abordaremos o que é a transpiração, em que regiões do corpo da planta ela ocorre, quais fatores influenciam esse processo e a importância e malefícios da transpiração para o vegetal.
Os tricomas evitam a perda de água por transpiração, além de garantirem proteção contra a herbivoria
Tricomas
Os tricomas são apêndices epidérmicos com várias funções, tais como proteção contra perda de água. Clique aqui e aprenda mais sobre essas estruturas!