Whatsapp icon Whatsapp

Golpe Militar de 1964

O Golpe Militar de 1964 foi o evento que se iniciou em 31 de março de 1964 e colocou fim ao governo do presidente João Goulart. Esse golpe militar foi complementado por um golpe parlamentar realizado pelo Congresso Nacional no dia 2 de abril desse ano. Por meio desse evento, iniciou-se a Ditadura Militar, período que se estendeu por 21 anos.

Acesse também: Construção de Brasília: grande obra empreendida na década de 1950

Contexto

O Golpe de 1964, entendido atualmente pelos historiadores como Golpe Civil-Militar de 1964, foi um acontecimento que encerrou o período democrático que havia se iniciado em nosso país em 1946. Esse período é reconhecido por diferentes nomes, como “Segunda República”, “Terceira República”, “Quarta República”, “República de 46”, entre outros, e se estendeu de 1946 a 1964.

A Quarta República foi reconhecidamente um momento em que se esboçou uma democracia em nosso país. O sistema eleitoral se desenvolveu e a partidarização da população e o seu envolvimento com a política se ampliaram. Embora isso acontecesse, a Quarta República, paradoxalmente, foi um momento marcado por iniciativas de derrubada da democracia. O golpe de 1964 garantiu que isso acontecesse.

  • Governo João Goulart

O golpe de 1964 colocou fim ao governo de João Goulart, político trabalhista que era filiado ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) e considerado um dos herdeiros políticos de Getúlio Vargas. Era um político de centro-esquerda, com bom diálogo com os sindicatos, e que havia assumido a presidência em 1961, depois da renúncia de Jânio Quadros.

João Goulart (no centro) foi presidente do Brasil de 1961 a 1964 e teve seu governo interrompido pelo Golpe de 1964.[1]
João Goulart (no centro) foi presidente do Brasil de 1961 a 1964 e teve seu governo interrompido pelo Golpe de 1964.[1]

Conhecido como Jango, o presidente teve um dos governos mais complexos da história brasileira, sobretudo porque havia uma forte resistência conservadora contra ele. A posse de Jango, por exemplo, só foi possível graças à Campanha da Legalidade, uma movimentação que envolveu políticos e civis para garantir a posse do novo presidente, em respeito à Constituição de 1946.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

João Goulart assumiu e seu governo se dividiu em duas fases: uma parlamentarista, na qual ele tinha os poderes presidenciais limitados; e outra presidencialista, na qual os poderes de governo dele foram restaurados. Durante a fase presidencialista, ele propôs um plano de reformas que incluía modificações em áreas estratégicas do país: as Reformas de Base.

Esse plano desagradava bastante a grupos do alto empresariado e proprietários de terra, mas não somente eles. No contexto de Guerra Fria e no cenário internacional, um governo progressista e de centro-esquerda, como o de Jango, era visto com desconfiança pelos Estados Unidos.

Como forma de enfraquecer o governo de Jango, os Estados Unidos passaram a intervir no cenário político brasileiro para enfraquecer o presidente e evitar que ele realizasse as reformas que tanto desejava. Uma das formas de influenciar a política brasileira foi financiar, por meio da CIA, a agência de inteligência norte-americana, a candidatura de políticos conservadores em 1962.

Essa ação se deu por meio do Instituto Brasileiro de Ação Democrática (Ibad), que recebeu milhões de dólares da CIA para financiar candidaturas políticas. Essa ação era ilegal à luz da legislação eleitoral do Brasil na época e visava criar uma bancada conservadora que atuasse para travar as ações do governo de Jango.

As tentativas de desestabilização do governo também aconteceram por meio do Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais (Ipes), organização anticomunista e antirreformista que, segundo Marcos Napolitano, tinha como objetivo “formar uma nova elite política ideologicamente orientada para uma modernização conservadora do capitalismo brasileiro”|1|.

Além disso, havia a Rede da Democracia, a união de grupos da grande imprensa que veiculava críticas ao governo Jango sob a alegação de que este preparava o caminho para um golpe comunista no Brasil. A articulação Ibad-Ipes-Rede da Democracia foi crucial para o desenvolvimento do golpe no Brasil.

Essa tríade mobilizou os seguintes grupos da sociedade brasileira: grande empresariado, classe média, representantes do capital estrangeiro, anticomunistas, conservadores, entre outros|2|. Além disso, esse grupo se interligou com o ator responsável pelo golpe em 1964: os militares.

Acesse também: Populismo, um conceito importante na história brasileira

  • Reformas de Base

A questão de maior tensão durante o governo de Jango, sem dúvidas, foram as Reformas de Base. Essas reformas buscavam realizar modificações em pontos estratégicos para sanar gargalos históricos que causavam desigualdade social e impediam o desenvolvimento do Brasil.

As Reformas de Base, que incluíam reforma agrária, educacional, eleitoral, bancária, urbana e tributária, desagradavam a setores conservadores do país, e a única que chegou a ser debatida foi a reforma agrária. Ao longo de 1963, uma longa discussão aconteceu sobre a realização da reforma agrária, e a forma como ela seria realizada não avançou e travou os debates. No fim, o governo não conseguiu aprová-la e perdeu apoio entre grupos do Partido Social Democrático (PSD) que eram ligados aos grandes proprietários de terra.

A não aprovação da reforma agrária contribuiu para que os sindicatos de trabalhadores rurais, como as Ligas Camponesas, se radicalizassem. A atuação desses grupos no campo visava a forçar o governo a realizar a reforma agrária a todo custo. Entre as medidas defendidas por esses grupos, estavam a desapropriação de terras de latifúndio improdutivo e estímulo aos pequenos produtores, por exemplo.

Sindicatos e outros grupos de esquerda e centro-esquerda pressionavam o governo para que as reformas avançassem no país. O líder trabalhista, Leonel Brizola, era um dos grandes defensores das reformas no país. A radicalização desses grupos pelas reformas acirrou as preparações de grupos conservadores pelo golpe. As Forças Armadas, por exemplo, davam cada vez mais demonstrações de insubordinação contra o presidente.

Acesse também: O que foi o AI-5?

Golpe

Em março de 1964, a situação estava em uma posição quase irreconciliável. Os militares e o grande empresariado, aliados aos Estados Unidos, tinham planos avançados. Nessa altura, João Goulart decidiu abandonar a posição de conciliação e confrontar o Congresso para aprovar as Reformas de Base.

Com o golpe, o marechal Humberto Castello Branco (no centro) foi colocado na presidência por meio de uma eleição indireta. [1]
Com o golpe, o marechal Humberto Castello Branco (no centro) foi colocado na presidência por meio de uma eleição indireta. [1]

Isso ficou evidente no discurso do presidente em um comício realizado na Central do Brasil, no Rio de Janeiro, em 13 de março de 1964. As historiadoras Lilia Schwarcz e Heloísa Starling afirmam que o tom do presidente era de mostrar que bastava de conciliação e que a hora de aprovar as reformas era imediata|3|.

A reação dos grupos conservadores se deu na Marcha da Família com Deus pela Liberdade, que levou 500 mil pessoas às ruas de São Paulo. Essa marcha teve tom anticomunista e tinha postura abertamente golpista, pois defendia a intervenção militar no governo de Jango. O estopim para o golpe dos militares foi a anistia que Jango deu aos marujos rebelados na Marinha, no final de março.

O golpe estava organizado para acontecer no dia 10 de abril, mas a ação intempestiva de Olímpio de Mourão fez com que uma rebelião militar estourasse em Juiz de Fora, no dia 31 de março. As tropas lideradas por ele marcharam até o Rio de Janeiro para derrubar o presidente. Essa rebelião contou com o apoio do governador de Minas Gerais, Magalhães Pinto.

O presidente João Goulart teve possibilidades de resistir ao golpe em curso, mas não interveio na situação, para evitar que uma guerra civil se iniciasse. O golpe militar foi seguido por um golpe parlamentar, pois, no dia 2 de abril, o senador Auro de Moura declarou vaga a presidência do Brasil. Essa medida só poderia ser tomada se o presidente se retirasse do país sem autorização do Congresso. No entanto, João Goulart estava no Rio Grande do Sul no dia 2 de abril de 1964.

Dias depois foi anunciado o Ato Institucional nº 1, o primeiro decreto que trazia medidas arbitrárias e autoritárias no âmbito da Ditadura Militar. Em 9 de abril, o marechal Humberto Castello Branco foi “eleito” como “presidente do Brasil” por uma eleição indireta. Os 21 anos de Ditadura Militar se iniciavam em nosso país.

Notas

|1| NAPOLITANO, Marcos. 1964: História do Regime Militar Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2016, p.48-49.

|2| Idem, p. 49.

|3| SCHWARCZ, Lilia Moritz e STARLING, Heloísa Murgel. Brasil: Uma Biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, 444-445.

Créditos da imagem:

[1] FGV/CPDOC

Publicado por Daniel Neves Silva
Assista às nossas videoaulas

Artigos Relacionados

Por meio dos Atos Institucionais, o governo militar garantiu sua permanência no poder.
As bases do Estado Autoritário
Regime Militar, golpe Militar, Golpe de 1964, Governo Castelo Branco, Linha Dura, Frente Ampla, Atos Institucionais, AI-2, AI-3, AI-4, Constituição de 1967, Governo Costa e Silva, regime militar.
Ato Institucional nº 5
Clique e entenda o que foi o AI-5. Conheça o contexto do ano de 1968, as justificativas usadas pelos militares e o que decretava esse ato institucional.
O trabalho escravo e a exploração do trabalho infantil são exemplos de violações contra os direitos humanos.
Direitos Humanos
Clique e conheça a história da defesa e do reconhecimento dos Direitos Humanos, a atuação da ONU, além de ter acesso à Declaração Universal dos Direitos Humanos.
Diretas Já
Veja como as manifestações das Diretas Já colaboraram na redemocratização do Brasil após a ditadura e a atuação dos políticos nos comícios pelas eleições diretas.
A organização do Comício da Central do Brasil em que João Goulart reafirmou a execução das reformas de bases foi o estopim para o Golpe Militar
Estopim do Golpe Militar
Forças políticas contrárias e as Reformas de Base explicam o golpe militar brasileiro.
O Golpe de 1964: a crise política que tirou João Goulart da Presidência do Brasil.
Fatores do Golpe Militar
Fatores do Golpe Militar, Golpe de 1964, Governo João Goulart, parlamentarismo, reformas de base, Marcha da Família com Deus pela Liberdade, Jango, Golpe Militar, Ditadura Militar.
O Golpe Preventivo liderado por Lott garantiu a posse de JK na presidência do Brasil em 1956
Golpe Preventivo de 11 de novembro de 1955
Neste link você terá acesso a informações que abordam especificamente o contexto histórico e político do Brasil que levou ao Golpe Preventivo de 11 de novembro de 1955.
Presidente Humberto Castello Branco (em pé) em passeata militar realizada em 7 de setembro de 1964.*
Governo Castello Branco
Clique no link e tenha acesso a este texto a respeito do primeiro presidente militar do período da Ditadura Militar no Brasil. Veja como o marechal Humberto Castello Branco assumiu a presidência do país e quais foram os principais feitos realizados nesse governo.
O governo de Costa e Silva deu início ao processo de radicalização da ditadura militar
Governo Costa e Silva (1967 – 1969)
Saiba quais as ações fundamentais que marcaram o governo do segundo presidente do regime militar brasileiro – Costa e Silva.
O governo Figueiredo estabeleceu os primeiros passos para a transição democrática no Brasil.
Governo Figueiredo
João Baptista Figueiredo, Governo João Baptista Figueiredo, ditadura militar, transição democrática, atentado RioCentro, III Plano Nacional de Desenvolvimento, Emenda Dante de Oliveira, Diretas-Já
O governo Geisel foi responsável por controlar os primeiros sinais da crise do regime ditatorial.
Governo Geisel
Governo Geisel, Ditadura Militar, II Plano Nacional de Desenvolvimento, abertura política, a Lei Falcão, pacote de abril, João Batista Figueiredo, Vladmir Herzog, regime autoritário.
Governo João Goulart
Acesse e leia este texto que trata do governo João Goulart. Entenda como esse presidente assumiu o governo e veja como ele foi derrubado.
Na imagem, temos o presidente Jânio Quadros (à esquerda de terno escuro)*
Governo Jânio Quadros
O que você sabe sobre o governo de Jânio Quadros, presidente do Brasil durante um curto período? A partir deste texto veja detalhes sobre a situação do Brasil após o fim do governo JK, assim como os motivos que explicam a vitória de Jânio Quadros na eleição de 1960 e sua renúncia em agosto de 1961.
O governo Médici marcou dois diferentes auges: o do desenvolvimento econômico e da repressão
Governo Médici
O governo de Médici foi marcado por desenvolvimento e repressão.
Juscelino Kubitschek foi um importante político de Minas Gerais e presidente do Brasil, de 1956 a 1961.[1]
Juscelino Kubitschek
Clique e acesse o texto para ter detalhes da vida de Juscelino Kubitschek. Entenda como ele ingressou na política e quais foram seus grandes feitos na presidência.
Luís Carlos Prestes
Descubra detalhes sobre a vida de Luís Carlos Prestes. Veja como foi sua formação e quais foram os movimentos políticos e revolucionários que ele participou.
O Milagre econômico da ditadura
Conheça as características do “Milagre Econômico” do regime militar na década de 70.
Henry Kissinger foi um dos colaboradores da Operação Condor
Operação Condor
Saiba o que foi a Operação Condor e em que contexto da história da América Latina ela se desenvolveu.
A presença do apoio civil: um dos elementos centrais para a eficiência do golpe militar
Origem do Golpe Militar
Saiba quem foram os grupos políticos e os eventos que marcaram a deflagração do golpe militar no Brasil.
Os senadores biônicos e o pacote de Abril
Os senadores biônicos foram parlamentares nomeados nos últimos anos da ditadura para garantir o controle dos militares no Congresso Nacional.
Tancredo Neves
Conheça a trajetória de um dos políticos mais importantes da história do Brasil: Tancredo Neves, nome envolvido na redemocratização do Brasil após a Ditadura Militar.
Tropicalismo
Conheça o tropicalismo, um dos principais movimentos artísticos do Brasil. Entenda as principais transformações socioculturais da segunda metade do século XX.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Videoaula Brasil Escola
Inglês
Genitive Case
É hora de aperfeiçoar sua gramática na Língua Inglesa. Assista!
video icon
Videoaula Brasil Escola
Sociologia
Democracia racial
Você sabe o que significa democracia racial? Clique e nós te ensinamos!
video icon
Tigres Asiáticos
Geografia
Tigres Asiáticos
Assista à nossa videoaula sobre os Tigres Asiáticos, e conheça as razões do desenvolvimento rápido desses territórios.