Whatsapp icon Whatsapp

Tração

Tração ou tensão é o nome que se dá às forças aplicadas por meio de fios, cabos ou cordas. A tração é uma força de contato que é transmitida através de um meio físico capaz de puxar ou tracionar corpos distantes. Ela possibilita a transferência de forças entre diferentes corpos, mas também permite que a direção e o sentido das forças transmitidas sejam configurados de acordo com a necessidade. Por esse motivo, existem inúmeros problemas e exercícios que envolvem a aplicação de forças de tração, como em sistemas de blocos, planos inclinados, polias, etc.

Por se tratar de uma força, a unidade de medida de tração, de acordo com o Sistema Internacional de Unidades, é o newton (N). Além disso, a tração que é exercida sobre um sistema de corpos pode ser calculada por meio da aplicação das três leis de Newton.

Veja também: Torque ou momento de uma força

O que é tração?

A tração é uma força – portanto, uma grandeza vetorial – que pode ser transmitida por cordas, fios e cabos. Quando uma tração é aplicada sobre um corpo, esse é puxado na mesma direção do cabo. Para calcular o módulo da força de tração, é necessário que se aplique a segunda lei de Newton a cada uma das direções espaciais que são pertinentes ao problema que se deseja resolver.

Tração é o nome que se dá a uma força transmitida entre dois ou mais corpos a partir de um cabo.
Tração é o nome que se dá a uma força transmitida entre dois ou mais corpos a partir de um cabo.

Para compreendermos o conceito de tração, vamos tratar da situação ideal, a mais simples possível: um corpo de massa m tracionado por uma corda inextensível (que não pode ser esticada) e de massa desprezível que está apoiado sobre uma superfície plana, horizontal e sem atrito:

A força resultante sobre o bloco é a tração, logo ela é igual ao produto da massa pela aceleração.
A força resultante sobre o bloco é a tração, logo ela é igual ao produto da massa pela aceleração.

Na figura acima, vemos que há três forças agindo sobre o bloco: normal (N), peso (P) e tração (T). Uma vez que a resultante das forças na direção vertical é nula, as forças normal e peso cancelam-se, de modo que o módulo da força resultante é igual ao módulo da própria tração T. Dessa maneira, de acordo com a 2ª lei de Newton, a tração pode ser igualada à massa do bloco multiplicada pela aceleração. Observe:

FR – força resultante (N)

m – massa (kg)

a – aceleração (m/s²)

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Tração e força de atrito

Vamos analisar a situação em que um bloco de massa m, colocado sobre uma superfície horizontal e com atrito, é puxado por uma tração paralela ao plano horizontal, como é mostrado na figura:

No caso ilustrado acima, temos três possibilidades:

  • Bloco em repouso;
  • Bloco em movimento retilíneo uniforme (velocidade constante);
  • Bloco em movimento acelerado.

No primeiro e no segundo caso, a força resultante deve ser igual a zero, uma vez que a aceleração do bloco é nula, no entanto, a força de atrito é diferente para cada uma desses casos, uma vez que o primeiro caso envolve uma situação de atrito estático, e o segundo, atrito dinâmico ou cinético.

Fat – força de atrito (N)

μEST – coeficiente de atrito estático

μDIN – coeficiente de atrito dinâmico

N – força normal (N)

No terceiro caso, aquele em que o bloco se move com aceleração diferente de zero, o atrito é cinético ou dinâmico e a força resultante é diferente de zero, logo:

Sistemas de corpos puxados por uma tração horizontal

É possível que você esteja tentando resolver algum sistema de corpos tracionados por uma força externa. Se esse for o caso, não se preocupe: esses casos são bastante simples de se resolver. Primeiramente, uma vez que todos os corpos se movem juntos, você pode imaginá-los como um único corpo, para isso, circule-os e observe quais forças externas atuam sobre o sistema. Observe a figura a seguir, nela mostramos um sistema com dois corpos ligados por um fio inextensível. Um desses corpos está sendo puxado por uma força de tração externa:

T1,2 – tração que o bloco 1 faz sobre o bloco 2

T2,1 – tração que o bloco 2 faz sobre o bloco 1

A figura mostra dois blocos, m1 e m2, ligados por um cabo. O bloco m2 é tracionado por uma força externa T. Uma vez que esses blocos mantêm-se sempre à mesma distância, podemos considerá-los como um único corpo rígido de massa m = (m1+ m2). Para isso, precisamos lembrar que a tração que o bloco 1 exerce sobre o bloco 2 (T1,2) é igual, porém contrária à tração T2,1 e que, segundo a terceira lei de Newton, a lei da ação e reação, devem cancelar-se. Sabendo disso, a tração T que atua no sistema de blocos m1 e m2 é igual a:

Se quisermos saber quais são as forças resultantes em cada um dos blocos, devemos aplicar a segunda lei de Newton em cada um deles. Obteremos o seguinte resultado:

Leia também: Leis de Newton – aprenda quais são elas e suas implicações

Tração no plano inclinado

Quando um corpo é apoiado sobre um plano inclinado e fica sujeito a uma força de tração, é preciso fazer a decomposição das forças que atuam sobre ele. Nesse caso, é necessário adotar um sistema de referências cuja direção horizontal coincida com a direção do plano, de modo que a direção vertical coincida com a direção da força normal que atua sobre o bloco. Fazendo isso, perceberemos que a força que traciona o bloco é contrária à componente x da força peso (Px) desse bloco, como mostrado na figura:

Se analisarmos bem a figura, também é possível notar que a componente y do peso (Py) é o cateto adjacente ao ângulo θ, portanto é igual ao módulo da força peso multiplicado pelo cosseno desse ângulo. Além disso, nota-se que a força normal anula-se com a componente Py.. Confira a seguir como é calculada a força resultante nas direções x e y:

No plano inclinado, é necessário que encontremos a força resultante nas direções x e y.
No plano inclinado, é necessário que encontremos a força resultante nas direções x e y.

Veja também: Vetores – aprenda a decompô-los para resolver problemas de Física

Tração no pêndulo simples

O pêndulo simples é um movimento que acontece quando um corpo é colocado para oscilar sob a ação da força peso e uma tração. A força resultante sobre o corpo a oscilar nunca é nula, uma vez que ele descreve um movimento circular e, por isso, apresenta uma força centrípeta. Essa força, por sua vez, aponta sempre para o centro da trajetória e é igual à força resultante sobre o corpo. A figura a seguir mostra um corpo executando um movimento pendular. Nela é possível observar que a tração tem seu valor máximo quando o corpo encontra-se na posição mais baixa da trajetória. Observe:

Exercícios resolvidos sobre tração

Questão 1 - (PUC- MG) Um fabricante de elevadores estabelece, por questões de segurança, que a força aplicada nos cabos de aço que sustentam seus elevadores não pode ser superior a 1,2.104 N. Considere um desses elevadores com uma massa total de 1,0.104 kg (massa do elevador com os passageiros) e admita g = 10 m/s². Nessas condições, a aceleração máxima do elevador na subida não pode ser superior a:

a) 1,2 m/s²

b) 2,0 m/s²

c) 5,0 m/s²

d) 9,8 m/s²

Gabarito: letra b.

Resolução:

O exercício descreve uma situação em que a força de tração e a força peso atuam na mesma direção, mas em sentidos opostos. Dessa maneira, a resolução desse exercício é relativamente simples: basta percebermos que a diferença entre a força de tração e a força peso é igual à força resultante e, portanto, é igual ao produto da massa pela aceleração. Além disso, para descobrirmos qual é a máxima aceleração em que o elevador pode subir, basta substituirmos o módulo da tração máxima, informado pelo exercício. Observe:

Com base no cálculo realizado, descobrimos que a aceleração máxima com a qual o elevador pode subir é igual a 2 m/s².

Questão 2 - (UFRGS) Dois blocos, de massas m1 = 3,0 kg e m2 = 1,0 kg, ligados por um fio inextensível, podem deslizar sem atrito sobre um plano horizontal. Esses blocos são puxados por uma força horizontal F de módulo F = 6 N, conforme a figura a seguir.

As forças resultantes sobre m1 e m2 são, respectivamente:

a) 3,0 N e 1,5 N

b) 4,5 N e 1,5 N

c) 4,5 N e 3,0 N

d) 6,0 N e 3,0 N

e) 6,0 N e 4,5 N

Gabarito: letra B.

Resolução:

Para resolver o exercício, primeiramente consideramos o sistema de blocos como um único corpo rígido. Depois disso, devemos calcular qual é a aceleração em que esse sistema se move:

Em seguida, é necessário calcular qual é a força resultante em cada um dos blocos. Para tanto, perceba que, no bloco à esquerda, a única força que atua na direção horizontal é a tração exercida pelo bloco da direita, portanto essa força é a resultante. Observe:

Os cálculos realizados indicam que as forças resultantes em cada um dos blocos correspondem a 4,5 N e 1,5 N.

Publicado por Rafael Helerbrock

Artigos Relacionados

Representação das diferentes inclinações de um plano dependendo do ângulo que ele faz com o eixo horizontal.
Plano inclinado
Clique para saber tudo sobre plano inclinado. Confira aqui o que é, seus tipos, fórmulas relacionadas, além de exercícios resolvidos sobre o assunto.
Uma polia móvel é capaz de reduzir pela metade o peso de um objeto
Polias
Clique aqui e entenda como as polias podem ser associadas para reduzir o esforço necessário para elevar verticalmente objetos quaisquer.
Segunda lei de Newton
Conheça mais sobre a 2ª lei de Newton. Confira qual é a fórmula usada por essa lei, conheça os conceitos de força, massa e aceleração e estude com exercícios resolvidos!
video icon
Português
Argumento por exemplificação
A exemplificação sempre foi um recurso importante para a explicação de conceitos mais teóricos ou mais difíceis de serem compreendidos. No caso da argumentação, a exemplificação procura colocar o leitor a favor de quem a apresenta, pois esse gesto é, sobretudo, de generosidade intelectual.

Outras matérias

Biologia
Matemática
Geografia
Física
Vídeos
video icon
Sigmund Freud
Filosofia
Sigmund Freud
Nessa videoaula você conhecerá mais sobre a vida e estudos do "pai" da psicanálise.
video icon
Thumb Brasil Escola
Literatura
Realismo fantástico
Trazemos uma análise sobre realismo fantástico. Assista já!
video icon
Thumb Brasil Escola
Química
Funções orgânicas
Tire um tempo para entender melhor o que são as amidas.