Grandes Navegações

O reaquecimento do comércio no final da Idade Média trouxe uma série de transformações na economia e na sociedade européia como um todo. A integração comercial com os países do Oriente sedimentou a formação de um amplo mercado consumidor interessado na compra de produtos manufaturados e especiarias provenientes de países como Índia e China. No entanto, esse comércio era caracterizado por alguns entraves que impediam sua expansão.

Para que alguém tivesse acesso a essas mercadorias, era necessário percorrer longas rotas comerciais geralmente intermediadas por árabes, comerciantes de algumas cidades italianas e as grandes feiras que distribuíram tais produtos na Europa. Dessa forma, o valor final destas mercadorias acabava ganhando um valor elevado mediante o grande número de atravessadores que integravam a circulação destes bens. Com isso, este comércio se restringia a uma pequena população de alto poder aquisitivo.

Outro fator que também pesava contra a expansão comercial era a falta de moedas no interior da própria economia européia. A escassez de metais preciosos e o escoamento das moedas disponíveis para o mundo Oriental surgia como um outro empecilho ao desenvolvimento mercantil. Mediante tal situação, o comércio se via prejudicado por tamanha dificuldade e, consequentemente, a expansão de toda a economia européia se via inviabilizada.

A solução para essas dificuldades surgiu por meio de dois acontecimentos históricos que contribuiu no vislumbre de um novo panorama sócio-econômico. Em primeiro lugar, damos destaque ao processo de consolidação das monarquias na Europa, que contou com o forte apoio da burguesia, tendo em vista o seu interesse em viabilizar a formação de um cenário político estável e a propagação de padrões monetários e tributários que pudessem garantir seus lucros.

Paralelamente, para que a prática comercial alcançasse lucros mais expressivos, ocorreu uma procura por novas rotas comerciais que pudessem eliminar os diversos intermediários que costumeiramente participavam desse processo. Além disso, os navegadores dessa época saíram à procura de novas terras onde fosse possível realizar a obtenção de metais preciosos para a fabricação de moedas. Mediante esse novo quadro, temos estabelecido o período das Grandes Navegações.

Sem dúvida, para que esse tipo de empreendimento fosse levado adiante era necessária uma enorme quantidade de capital a ser investido. Nesse aspecto, as monarquias nacionais que se firmaram com o apoio burguês participaram ativamente na formação de expedições marítimas incumbidas de encontrar novas rotas, centros comerciais e áreas de colonização. O interesse monárquico era explicado principalmente pela possibilidade de fortalecimento do Estado mediante um maior volume de impostos a ser arrecadado.

Dessa forma, podemos estabelecer os vários fatores que contribuíram diretamente na aventura marítima que inseriu a Europa no período moderno. A saída aos mares, os novos interesses econômicos e a descoberta de outras terras e civilizações são algumas das conseqüências maiores desse fenômeno histórico que permitiu o fortalecimento da burguesia mercantil européia. A partir de então, o Velho Mundo passou a estar interligado a outras partes do globo de uma forma nunca antes vista.


Por Rainer Sousa
Mestre em História

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
As Grandes Navegações resultam de uma série de interesses que marcaram a Europa.
As Grandes Navegações resultam de uma série de interesses que marcaram a Europa.
Publicado por: Rainer Gonçalves Sousa
Assuntos relacionados
Os portugueses chegaram ao Brasil em 1500 e, na década de 1530, implantaram o sistema de capitanias hereditárias como mecanismo de colonização.
Capitanias Hereditárias
Clique no link e acesse este texto sobre a primeira divisão territorial que os portugueses implantaram durante a colonização da América Portuguesa: as capitanias hereditárias. Entenda o contexto histórico e as causas do surgimento das capitanias. Conheça ainda quais eram as funções dos donatários.
Diversos tratados negociaram a redefinição dos limites do território brasileiro.
A expansão territorial e os tratados de limites
Os acordos que redimensionaram o território brasileiro.
A ação dos jesuítas garantiu a expansão do catolicismo ao longo do território brasileiro.
Os jesuítas no Brasil
A ação dessa ordem religiosa no ambiente colonial brasileiro.
22 de abril – Descobrimento do Brasil
Clique aqui para saber sobre o descobrimento do Brasil. Entenda como os portugueses chegaram aqui, e veja se esse dia é considerado feriado nacional.
Acima, imagem de um ritual de canibalismo executado pela tribo dos tupinambás
Os relatos de Hans Staden e Anthony Knivet sobre o Brasil
Saiba mais sobre o início da colonização por meio dos relatos de Hans Staden e Anthony Knivet sobre o Brasil.
Pero Vaz de Caminha retratado lendo a carta para Cabral e outros tripulantes.
Carta de Pero Vaz de Caminha
Saiba o que é a Carta de Pero Vaz de Caminha e que importância ela tem para a compressão da história do Brasil.
Cristóvão Colombo
Acesse e conheça detalhes da vida de Cristóvão Colombo. Entenda como ele conseguiu financiamento para realizar a viagem que o levou para a América em 1492.
Alguns fatos indicam que não foram os portugueses os primeiros europeus a chegar às terras brasileiras.
Conquista ou descobrimento do Brasil?
A chegada de Cabral representou o descobrimento do Brasil ou a conquista de um novo território? Entenda os fatos relacionados ao encontro dos portugueses com as terras brasileiras e com os povos que aqui viviam.
Com a criação do Governo-Geral, o rei de Portugal ordenou a construção de uma nova capital para o Brasil: Salvador.
Governo-Geral
O que você sabe sobre o Governo-Geral? Obtenha informações valiosas sobre o modelo administrativo implantado por Portugal com o objetivo de centralizar a administração da colônia. Veja os principais acontecimentos dos três governos que administraram o Brasil no período de 1548 a 1572.