Whatsapp icon Whatsapp

Tungstênio (W)

O tungstênio é um metal de transição de elevada dureza e alto ponto de fusão. É empregado no endurecimento de ligas metálicas e no filamento de lâmpadas incandescentes.
Lâmpada incandescente com filamento de tungstênio.
Os filamentos de lâmpadas incandescentes são fabricados com tungstênio.

O tungstênio é um metal de transição de número atômico 74, localizado no grupo 6 da Tabela Periódica. Esse elemento possui coloração cinza metálica, alto ponto de fusão (3422 °C) e elevada dureza. É um elemento relativamente estável ao ambiente, sofrendo oxidação no ar apenas quando aquecido.

O minério volframita é a principal fonte de tungstênio, e a China possui as maiores reservas desse mineral. No cotidiano, o tungstênio está presente nas tradicionais canetas esferográficas e no filamento de lâmpadas incandescentes, por exemplo. No ambiente industrial, o principal uso desse elemento é na fabricação de ligas metálicas e como endurecedor de aço e ferro.

Leia também: Rádio — elemento químico radioativo isolado pela primeira vez por Marie Curie

Resumo sobre tungstênio

  • O tungstênio (W) possui número atômico 74 e pertence ao grupo 6 da Tabela Periódica.

  • Destaca-se pela sua dureza, sendo usado como aditivo e endurecedor em ligas metálicas.

  • Possui ponto de fusão muito alto, sendo o maior entre os metais.

  • É relativamente estável quando exposto ao ar, mas pode formar óxidos quando aquecido.

  • Sua principal fonte são minérios contendo esse elemento, como a volframita, formada com cerca de 75% de tungstênio.

  • A maior parte produzida desse elemento é empregada na produção de ligas metálicas.

  • Essas ligas são usadas na fabricação e em revestimentos de ferramentas de corte, em brocas de perfuração, em artefatos militares e em joias.

  • As esferas de canetas esferográficas e os filamentos de lâmpadas incandescentes são fabricados em tungstênio.

Propriedades do tungstênio

    • Símbolo: W

    • Número atômico: 74

    • Massa atômica: 183,84 u

    • Configuração eletrônica: [Xe] 4f14 5d4 6s2

    • Estado físico: sólido (20 °C)

    • Ponto de fusão: 3422 °C

    • Ponto de ebulição: 5555 °C

    • Densidade: 19,3 g/cm3

    • Eletronegatividade: 2,36 (escala de Pauling)

    • Dureza: 7,5 (escala de Mohs)

    • Série química: metal de transição

    • Localização na Tabela Periódica: grupo 6, período 6, bloco d.

    • Isótopos: 180W (0,12%), 182W (26,50%), 183W (14,31%), 184W (30,64%), 186W (28,43%).

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características do tungstênio

O tungstênio é um elemento metálico de coloração cinza característica. Destaca-se pela sua elevada dureza, sendo que uma das principais aplicações é em ligas metálicas, tornando-as mais duras e resistentes. O tungstênio possui a maior temperatura de fusão entre todos os elementos metálicos, ficando atrás apenas do carbono (C) em toda a Tabela Periódica. O tungstênio apresenta um dos mais baixos coeficientes de expansão térmica entre todos os metais.

Brocas fabricadas por meio do tungstênio.
Em razão da elevada dureza, o tungstênio é usado na fabricação de brocas de perfuração.

Pode assumir estados de oxidação +2 a +6, sendo este último o mais comum. O tungstênio solúvel em água assume a forma de tungstanato \(\mathbf{WO_4^{2-}}\), possuindo tendência em formar espécies polimerizadas com a redução do pH. Por isso, a química desse elemento em meio aquoso é complexa.

O tungstênio é relativamente estável quando exposto ao ar atmosférico, mas pode formar WO3 quando aquecido ao ar. Pode reagir com flúor e cloro, este último apenas sob aquecimento rigoroso.

É resistente ao ataque de ácidos, inclusive à água-régia (mistura entre ácido clorídrico e ácido nítrico). Dissolve-se lentamente quando exposto à mistura ácido nítrico e fluorídrico estando quente. Também apresenta certa resistência às soluções alcalinas, sendo suscetível à conversão em tungstanato quando atacado por hidróxido de sódio ou carbonato de sódio.

Possui algumas funções biológicas, sendo encontrado em algumas enzimas (oxirredutases) e bactérias.

Leia também: Bismuto — metal duro e quebradiço usado em ligas metálicas

Ocorrência do tungstênio

O tungstênio é o 18° elemento mais abundante na crosta terrestre, ocorrendo na forma de minerais conhecidos como tungstatos, como a volframita, scheelita (CaWO4), ferberita (FeWO4) e hubnerita (MnWO4). A volframita é o minério mais abundante em tungstênio, contendo mais de 75% em WO3, sendo composta por ferberita e hubnerita.

A China concentra mais de 60% das jazidas de volframita, sendo o maior produtor e consumidor mundial de tungstênio.

O Brasil possui cerca de 1% das reservas mundiais de tungstênio. Jazidas de volframita estão distribuídas entre os estados de São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Rondônia e Pará. O país também possui depósitos de scheelita no Rio Grande do Norte e Paraíba.

Mineral volframita
Mineral volframita

Como se obtém o tungstênio?

Os minérios contendo tungstênio são submetidos à alta temperatura em conjunto com carbonato de sódio (Na2CO3), resultando em tungstato de sódio (Na2WO4), solúvel em água.

Com a adição de ácido clorídrico, há precipitação de ácido túngstico, o qual passa por calcinação (600 °C), originando o trióxido de tungstênio (WO3). O tungstênio metálico (W) é obtido pela reação de redução ― em elevada temperatura (~800 °C) ― por gás hidrogênio (H2) ou por carbono.

\(\mathbf{WO_3\ (s)+3\ H_2\ (g) \longrightarrow W\ (s)+3\ H_2 O\ (g)}\)

Em razão do altíssimo ponto de fusão, não é comum a moldagem de lingotes de tungstênio. Em vez disso, o tungstênio em pó é misturado com níquel pulverizado, compactado e sinterizado, formando-se uma liga metálica no formato de barras.

Barras de carbeto de tungstênio (liga metálica), utilizadas como matéria-prima na indústria.
Barras de carbeto de tungstênio (liga metálica), utilizadas como matéria-prima na indústria.

Aplicações do tungstênio

Mais da metade da produção mundial de tungstênio é empregada na fabricação de ligas metálicas de elevada dureza, como o ferro tungstênio, que possui cerca de 80% desse elemento. Aliás, a primeira aplicação do tungstênio foi como “endurecedor” de ferro.

Os “aços de alta velocidade” são ligas metálicas contendo tungstênio e são usados em instrumentos de corte muito resistentes à abrasão. Os carbetos de tungstênio (WC e W2C) compõem ferramentas de corte de alta precisão e revestem brocas de perfuração usadas na construção civil, na mineração e em indústrias petrolíferas.

Peças de instrumentos de análise laboratorial analítica possuem partes e encaixes fabricados em tungstênio. O processo de purificação de petróleo e seus derivados pode empregar catalisadores de tungstênio e níquel.

Mísseis, granadas, projéteis e outros instrumentos militares possuem ligas de tungstênio com níquel, ferro ou cobalto. Joias e adereços hipoalergênicos resistentes à arranhões e com brilho permanente também possuem tungstênio na composição.

O tungstênio compõe alguns produtos químicos, como o WO3 (empregado como corante amarelo-limão) e os tungstanatos de cálcio (CaWO4) e magnésio (MgWO4), que são o material branco que reveste o lado interno dos bulbos de lâmpadas fluorescentes.

Tungstanatos de sódio e potássio são usados na indústria de couros e peles e em análises biológicas.

O tungstênio também está presente em duas situações recorrentes no cotidiano: a iluminação e a escrita. Esse elemento compõe o filamento das lâmpadas incandescentes e surgiu em 1904, substituindo o filamento de carbono (invenção de Thomas Edison), que durava apenas algumas horas. Na escrita, o tungstênio é importante, pois compõe a esfera que permite a saída controlada de tinta das canetas esferográficas.

Duas canetas, com foco em suas extremidades, feitas de tungstênio.
A extremidade esférica das canetas esferográficas é feita de tungstênio

Precauções com o tungstênio

Como o tungstênio é um metal relativamente raro e seus compostos químicos são pouco reativos, os efeitos desse elemento sobre o meio ambiente são limitados, sendo considerado pouco tóxico em pequena concentração no organismo.

A inalação do pó de tungstênio é a principal via de exposição, sendo comum nos processos de extração do metal e fabricação de ligas que o contêm. O contato do pó de tungstênio com as vias respiratória causa irritação das membranas e do pulmão.

Em contato com a pele, pode haver irritação. Em contato com os olhos, há irritação, lacrimejamento e aspecto avermelhado. No caso de ingestão acidental, pode ocorrer náuseas.

Portanto, evitar entrar em contato com partículas de tungstênio é importante, principalmente para os trabalhadores envolvidos em processos que utilizam esse metal. O uso de equipamento de proteção individual (EPI) é indispensável.

Leia também: Chumbo — metal de elevada densidade e de alta toxicidade

História do tungstênio

O primeiro registro sobre o tungstênio data de 1779 e 1781, quando os químicos Peter Woufe e Carl Wilhelm Scheele verificaram a formação de um composto (ácido túngstico) com base em um mineral conhecido como tungstenita (atualmente denominada scheelita).

Em 1783, os irmãos espanhóis e cientistas Juan José Delhuyar e Fausto Fermín Delhuyar obtiveram o mesmo composto ácido com base no mineral volframita ((Fe,Mn)WO4). A dupla, dando continuidade aos estudos, isolou o elemento metálico por meio da redução do composto ácido com carvão vegetal.

Como o mineral de partida dos estudos foi a volframita, os irmãos Delhuyar denominaram o novo elemento como volfrâmio. Em alemão, esses termos derivam da expressão wolf rahm, que tem o significado de “creme de lobo” e se refere ao processo de obtenção do elemento estanho, o qual também envolve os minerais ricos em tungstênio. Daí se originou o elemento W para se referir ao tungstênio.

A palavra tungstênio é uma junção dos termos tung e sten, que têm o sentido de “pedra pesada”, em analogia ao elevado polo molecular desse elemento.

Publicado por Ana Luiza Lorenzen Lima

Artigos Relacionados

Elementos de Transição Interna e Externa
Aprenda a localizar na Tabela estas classes de substâncias.
Ligas Metálicas
Conheça a composição e aplicação de algumas das ligas metálicas mais importantes, tais como o aço, o aço inox, o ouro 18 quilates, a amalgama, a solda, entre outros.
Metais
Clique aqui, aprenda a reconhecer metais por meio de suas propriedades físico-químicas e saiba diferenciar um metal de um ametal.
Número de oxidação (NOX)
Aprenda mais sobre o número de oxidação. Saiba quais elementos têm NOX fixo. Confira a forma de se calcular o NOX dos elementos .
Propriedades periódicas e aperiódicas
Clique aqui, saiba o que são as propriedades periódicas e aperiódicas, descubra como essas propriedades se diferenciam e conheça as principais delas.
Reatividade de metais com ácidos
Com base na fila de reatividade dos metais, veja como podemos saber se determinado metal irá reagir ou não com ácidos.
Tabela periódica
Saiba o que é a tabela periódica e como ela acomoda os elementos químicos. Conheça as propriedades periódicas. Entenda como a tabela periódica foi desenvolvida.
video icon
Texto"Matemática do Zero | Número de diagonais de um polígono convexo" em fundo azul.
Matemática do Zero
Matemática do Zero | Número de diagonais de um polígono convexo
Nessa aula demonstrarei a fórmula do número de diagonais de um polígono convexo e resolveremos questões modelo.